sábado, 15 de dezembro de 2018

Folheie a Edição dos Campeões 2018!

Mais um ano futebolístico no Brasil encerrou-se, e 2018 contou com 37 campeões entre os Estaduais de primeira divisão, Regionais, Nacionais e Continentais. Isso sem contar as divisões e copas estaduais que rolam pelo Brasil afora, mas infelizmente ainda é complicado de encontrar informações e fotografias boas para poder ser publicado aqui neste blog, que funciona como um arquivo do futebol nacional.

E se você gosta de ter a sensação de folhear os pôsters, como na saudosa Edição dos Campeões que a Revista Placar imprimiu entre 1980 e 2016 (e que serviu de inspiração para o blog), leia a versão em PDF da edição de 2018.

Confira abaixo os campeões de 2018 e depois continue acompanhando o blog. Concluímos diversos especiais nos último ano, e muitos mais virão pela frente. Em 2019, continuaremos documentando a história do futebol brasileiro em fotos.

Depois, passe no fórum do nosso parceiro Arena dos Managers (www.arenadosmanagers.com/forum). Faça um perfil por lá, converse com outras pessoas apaixonadas por futebol e participe de campeonatos de futebol virtual.

E continue conosco. Por aqui e por lá. Recomende o blog e o fórum para seus amigos, viaje pela história do futebol do Brasil!

quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Atlético-PR Campeão da Copa Sul-Americana 2018

O Atlético-PR quebrou as barreiras do Brasil e conquistou seu primeiro título de caráter internacional, a Copa Sul-Americana de 2018. O time paranaense já havia batido na trave algumas vezes, como no vice da Libertadores em 2005 e na semifinal da própria Sul-Americana em 2006. Desta vez não teve quem segurasse o Furacão, em uma ótima campanha e deixando pelo caminho times tradicionais.
Na primeira fase, enfrentou o Newell's Old Boys, da Argentina. Venceu por 3 a 0 na Arena da Baixada e perdeu por 2 a 1 em Rosario, se classificando pelo saldo de gols. A segunda fase foi contra o quase sempre casca grossa Peñarol. Quase sempre, porque o Atlético não teve nenhuma dificuldade, vencendo por 2 a 0 em Curitiba e por 4 a 1 em Montevidéu. Nas oitavas de final, a parada foi contra o Caracas. Venceu as duas partidas novamente, por 2 a 0 na Venezuela e por 2 a 1 na Arena da Baixada. O confronto mais complicado foi nas quartas contra o Bahia. Venceu por 1 a 0 na Fonte Nova, mas perdeu pelo mesmo placar no Paraná. A classificação veio somente depois de fazer 4 a 1 na disputa de pênaltis. A semifinal foi contra outro time brasileiro, o Fluminense. Com duas vitórias por 2 a 0, na Baixada e no Maracanã, foi para a final inédita.
O adversário da decisão foi o Junior de Barranquilla. O jogo de ida foi no Estádio Metropolitano, com o Atlético-PR fazendo o gol primeiro, mas sofrendo o empate na sequência. O 1 a 1 foi o placar final e tudo ficou para a definição em Curitiba. Na Arena da Baixada, o Furacão tornou a abrir o placar, com Pablo, mas o empate colombiano veio nos segundo tempo. Depois de 120 minutos de futebol, mais um placar de 1 a 1 apareceu no confronto. Nas cobranças de pênaltis, o Atlético-PR foi mais competente e venceu por 4 a 3, com Thiago Heleno convertendo o último. A conquista da Copa Sul-Americana ficará sempre marcada como a primeira continental do Estado do Paraná. E para a história do clube, que vai trocar uniforme, escudo e até a grafia do nome, ficarão marcados nomes como os de Pablo, Nikão, Lucho González, Santos e Renan Lodi - titulares do time -, e de Tiago Nunes - técnico que veio do time aspirantes e fez o time crescer rumo ao título.


Foto Divulgação/EFE

domingo, 9 de dezembro de 2018

Operário-MS Campeão Brasileiro Série C 1987 (Módulo Branco)

O ano de 1987 foi um dos mais confusos que o futebol brasileiro já produziu. Enquanto CBF e Clube dos 13 se engalfinhavam no desfecho da Copa União e do Módulo Amarelo, outras duas competições movimentavam as divisões inferiores. Os clubes preteridos na composição dos campeonatos já citados acabaram movidos para outras duas competições, o Módulo Azul e o Módulo Branco. Na teoria, eles eram duas segundas divisões, mas na prática funcionaram como uma terceira divisão. No grupo Branco ficaram equipes do Norte e do Nordeste. No Azul, os clubes do Sul e do Sudeste. O Centro-Oeste se dividiu entre os dois. (trecho reprisado)
O Módulo Branco foi chamado de Taça Rubem Moreira e também teve a participação de 24 times. Com grandes lembranças de Brasileirões do passado, o Operário de Campo Grande possuía boa tradição para ser considerado um favorito. O clube ficou no grupo 1, com Mixto, Operário-MT e Sobradinho. A estreia do Galo não foi boa, perdendo por 2 a 1 para o Mixto em Cuiabá. A recuperação veio com duas vitórias no Morenão, por 4 a 0 sobre o Sobradinho e por 1 a 0 sobre o Operário de Várzea Grande. A classificação foi consolidada com vitórias por 2 a 1 sobre o Operário VG no Mato Grosso, e por 1 a 0 sobre o Sobradinho no Distrito Federal. Na última rodada, perdeu por 1 a 0 para o Mixto em casa. Com oito pontos em seis jogos, o Operário-MS se classificou na vice-liderança. Na segunda fase, o adversário foi a Catuense. Venceu por 2 a 0 no Morenão e empatou em 2 a 2 na Bahia. Na terceira fase, enfrentou mais duas vezes o Mixto. A revanche foi completa, vencendo por 2 a 0 no Mato Grosso do Sul, e empatando em 2 a 2 no José Fragelli.
O time alvinegro se classificou para o triangular final (também com apenas um turno) ao lado de Botafogo-PB e Paysandu. A primeira rodada foi de folga, enquanto paraenses bateram nos paraibanos. A estreia foi em João Pessoa, com empate sem gols com o Botafogo da Paraíba. A partida final decidiria o título. Já em 1988, Operário-MS e Paysandu se enfrentaram no Morenão, e o Galo conseguiu a vitória que precisava, por 2 a 1. Com três pontos em dois jogos, o time sul-mato-grossense conseguiu o título do Módulo Branco, a única conquista nacional do clube. Mas hoje em dia, a competição caiu no esquecimento, somente os alvinegros a mantém viva na lembrança. Nem a CBF reconhece o título como oficial.


Foto Arquivo/Operário-MS

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

Americano Campeão Brasileiro Série C 1987 (Módulo Azul)

O ano de 1987 foi um dos mais confusos que o futebol brasileiro já produziu. Enquanto CBF e Clube dos 13 se engalfinhavam no desfecho da Copa União e do Módulo Amarelo, outras duas competições movimentavam as divisões inferiores. Os clubes preteridos na composição dos campeonatos já citados acabaram movidos para outras duas competições, o Módulo Azul e o Módulo Branco. Na teoria, eles eram duas segundas divisões, mas na prática funcionaram como uma terceira divisão. No grupo Branco ficaram equipes do Norte e do Nordeste. No Azul, os clubes do Sul e do Sudeste. O Centro-Oeste se dividiu entre os dois.
O Módulo Azul foi rebatizado de Taça Heleno Nunes e contou com a presença de 24 times. Uma das forças do futebol carioca na década, o Americano de Campos era frequente nas listas de favoritos. O clube ficou no grupo 3, ao lado de Juventus-SP, Desportiva-ES e Estrela do Norte. Apesar do favoritismo, o Mancha Negra demorou e engrenar. Estreou em casa com empate sem gols contra o Juventus. Depois, perdeu por 1 a 0 para o Estrela do Norte no Espírito Santo. Na terceira rodada, novo empate no Godofredo Cruz, em 1 a 1 com a Desportiva. O terceiro empate foi outro 0 a 0 com a Juventus, mas em São Paulo. A arrancada veio no fim, com duas vitórias por 1 a 0, sobre o Estrela do Norte em Campos, e sobre a Desportiva em Cariacica. Com sete pontos em seis jogos, o Americano se classificou na vice-liderança. Na segunda fase, enfrentou o Tupi. Venceu por 1 a 0 no Godofredo Cruz, e pelo mesmo placar em Juiz de Fora. Na terceira fase, encarou o Botafogo-SP e se classificou com vitória por 3 a 1 em Campos e derrota por 1 a 0 em Ribeirão Preto.
Junto com o Juventude e o Uberlândia, o Americano chegou no triangular final, de tiro curto, com um turno só. O time alvinegro fez o primeiro jogo contra o Juventude no Alfredo Jaconi, e empatou em 0 a 0. O segundo jogo foi no Godofredo Cruz contra o Uberlândia, e o Americano venceu por 2 a 0. Com três pontos em duas partidas, seria ainda necessário secar o time gaúcho. E em pleno Natal de 1987, Uberlândia e Juventude se enfrentaram em Minas Gerais, com vitória por 2 a 0 dos mineiros. O Americano se tornou campeão do Módulo Azul sem entrar em campo, mas a festa não foi menor por isso. Hoje em dia, a competição caiu no esquecimento, somente os alvinegros a mantém viva na lembrança. Nem a CBF reconhece o título como oficial.


Foto Arquivo pessoal/Alexandre Guerreiro

quinta-feira, 29 de novembro de 2018

Olaria Campeão Brasileiro Série C 1981

O Campeonato Brasileiro da Série C é provavelmente a competição mais metamórfica do futebol do Brasil. Já teve vários formatos, nomes e funções. O Brasileirão - na época Copa Brasil -, já estava no gosto do torcedor ao final da década de 1970. Mas mesmo com suas edições inchadas (chegou a 94 times em 1979), muitos clubes ficavam longe de sua disputa, se contentando somente com os estaduais. No começo da década de 1980, a recém criada CBF dividiu o Brasileiro em dois níveis, as Taças de Ouro e de Prata, somente com acesso da segunda para a primeira. Nessa onda, a entidade resolveu criar uma terceira competição, voltada para os times pequenos. A Taça de Bronze nasceu em 1981 com o intuito de dar uma rodagem inédita para vários desses clubes, uma chance de participar de uma competição nacional, visto que a perspectiva deles em jogar a primeira ou segunda divisão eram quase nulas. Este torneio não tinha conexão com os outros de nome superior, mas já era considerado como uma terceira divisão da época. Isto só se tornaria oficial anos depois.

--------------------------------------------

A Taça de Bronze de 1981 contou com a participação de 24 equipes, de 21 estados diferentes. O regulamento foi composto por dois mata-matas e uma fase de grupos, tudo regionalizado. Primeiro, foram feitas 12 chaves em ida e volta. Depois, outros seis confrontos, também com dois jogos cada. Seguindo, dois grupos triangulares na semifinal, com os líderes fazendo a final. O Olaria foi um dos representantes do Rio de Janeiro, pois o clube não conseguiu classificação nem para a Taça de Ouro, nem para a Taça de Prata.
Na primeira fase, o Azulão enfrentou o Colatina. Abriu boa vantagem na ida com vitória por 3 a 1 no Espírito Santo. Na volta, segurou empate em 1 a 1 no Maracanã (sim) e avançou. A segunda fase foi disputada contra o Paranavaí. O Olaria venceu por 2 a 0 a primeira partida no Rio de Janeiro, e por 1 a 0 a segunda partida em Maringá, no Estádio Willie Davids. Na terceira fase, o time da Rua Bariri foi sorteado no grupo 1, contra São Borja (RS) e Dom Bosco (MT). Estreou com derrota um 2 a 0 para o São Borja na fronteira noroeste do Rio Grade do Sul, no Estádio Vicente Goulart. A recuperação veio com duas vitória em casa, por 2 a 0 sobre o Dom Bosco e por 1 a 0 sobre o São Borja. Na última partida sua, o Azulão perdeu por 1 a 0 para o Dom Bosco em Cuiabá. Com a sorte a favor, o Olaria assistiu a gaúchos e mato-grossenses empatarem seu confronto na rodada final. Todos os times fizeram quatro pontos, mas só os cariocas venceram dois jogos, terminando assim na liderança e com a classificação.
A final foi entre Olaria e Santo Amaro (atualmente é o licenciado Manchete), de Pernambuco. Todas as partidas anteriores do Azulão no Rio de Janeiro haviam sido jogadas no Maracanã, mas a decisão foi para o antigo Estádio de Marechal Hermes. Lá na Zona Norte, o Olaria goleou o time pernambucano por 4 a 0 e abriu ótima vantagem. O segundo jogo foi em Recife, no Arruda. E lá o Azulão se segurou bem, perdeu somente por 1 a 0 e comemorou a conquista da Taça de Bronze. Este título é o mais importante da história do Olaria, o único acima do âmbito estadual, e que hoje em dia equivale como o primeiro Brasileiro da Série C.


Foto Arquivo/Olaria
*Com colaboração de Márcio Silveira Borba, do blog Times Campeões