domingo, 16 de setembro de 2018

Alemanha Campeã da Copa do Mundo 1974

A Copa do Mundo de 1974 representou um novo marco para o futebol. A começar pela novo troféu, a Taça FIFA, em substituição a brasileira Taça Jules Rimet. Também houve a instituição de um novo regulamento abolindo o mata-mata, os oito classificados da primeira fase seriam repartidos em mais dois grupos. E o mais importante, a presença de novas potências do esporte, como a Holanda e seu Carrossel, e a Polônia também com um jogo bonito. Mas o peso da camisa ainda faria a diferença, a Alemanha vinha batendo na trave nos dois Mundiais anteriores. Desta vez como país-sede, ninguém conseguiu tirar os alemães do caminho do bicampeonato, nem mesmo os holandeses.
A caminha da Alemanha Ocidental começou contra o Chile, vitória por 1 a 0. Depois contra a Austrália, vitória por 3 a 0 que já classificou os alemães. A última rodada reuniu o emblemático confronto contra a Alemanha Oriental, mas os ocidentais não conseguiram vencer. A derrota por 1 a 0 deixou a Alemanha Ocidental na vice-liderança do grupo A com quatro pontos, contra cinco dos orientais. Na segunda fase, a Alemanha ficou no grupo 2. Contra a Iugoslávia e a Suécia, vitórias por 2 a 0 e por 4 a 2. A rodada final definiria o classificado para a final. Contra a Polônia, uma vitória simples por 1 a 0 colocou a Alemanha - líder com seis pontos - na final.
O adversário alemão foi a Holanda, que mesmo voltando 36 anos depois a um Mundial, eliminou Uruguai, Brasil e Argentina com o chamado "Futebol Total", em que os jogadores não guardavam posição e confundiam a marcação adversária. A decisão foi disputada no Estádio Olímpico de Munique. A Alemanha não começou bem a partida, e logo no segundo minuto os holandeses abriram o placar de pênalti. Mas os alemães não caíram na estratégia adversária e conseguiram o empate logo aos 25 minutos, com Paul Breitner batendo outro pênalti. E aos 43 minutos, Gerd Müller recebeu a bola pela ponta-direita, girou e bateu no canto do goleiro rival. A Alemanha virou para 2 a 1 e segurou a Holanda durante todo o o segundo tempo. E diante de mais de 75 mil torcedores, os alemães conquistavam o bicampeonato mundial. O capitão era a lenda Franz Beckenbauer, líder de uma equipe com craques como os próprios Gerd Müller e Breitner, além de Sepp Maier, Wolfgang Overath e Uli Hoeness.


Foto Arquivo/DFB

quinta-feira, 13 de setembro de 2018

Argentina Campeã da Copa do Mundo 1978

A Copa do Mundo 1978 nunca saiu do imaginário dos torcedores, principalmente dos argentinos. Após diversas tentativas frustradas, a Argentina enfim ganhava o direito de ser o país-sede do Mundial, que seria o último a ser realizado com 16 seleções. Em meio a uma imensa pressão política e popular, a seleção albiceleste era uma das candidatas ao título, e aquela era a chance de ouro para o país enfim vencer uma Copa.
Cabeça-de-chave, a Argentina fez toda a primeira fase no Estádio Monumental, em Buenos Aires. Venceu a Hungria por 2 a 1 e a França pelo mesmo placar. O ponto fora da curva foi a derrota para a Itália por 1 a 0, o que deixou os argentinos na segunda posição do grupo A com quatro pontos. Desta maneira, a seleção teve cair na estrada e jogar a segunda fase em Rosario, no Gigante de Arroyito. A estreia foi boa, vitória sobre a Polônia por 2 a 0. O grande jogão foi na segunda rodada, empate com o Brasil por 0 a 0. E como os brasileiros haviam feito 3 a 0 no Peru anteriormente, a Argentina não dependia apenas dela para avançar à final. Em uma época em que a FIFA não se preocupava com casamentos de resultados, ela não fazia a última rodada em horários simultâneos. O Brasil entrou em campo de tarde e venceu a Polônia por 3 a 1. Assim os argentinos já sabiam que, de noite, deveriam anotar pelo menos quatro no Peru para ficar na liderança do grupo. E conseguiram mais, golearam por 6 a 0. Até hoje, algumas pessoas estimam que jogadores peruanos (sobretudo o goleiro Quiroga) receberam mala preta do Regime Militar argentino. Com ou sem suspeita, a Argentina fez cinco pontos e oito gols de saldo (contra cinco gols do Brasil), indo para a final.
A decisão foi contra a Holanda, que já não era tão encantadora, no Monumental de Nuñez. O tempo normal foi duríssimo. O artilheiro Mario Kempes abriu o placar no primeiro tempo, mas os holandeses empataram a oito minutos do fim. A definição foi na prorrogação. No último lance do primeiro tempo, Kempes marcou o segundo gol do jogo e o seu sexto na Copa do Mundo. E faltando cinco minutos para o fim definitivo, Daniel Bertoni fez 3 a 1 e deu o golpe de misericórdia. A Argentina, empurrada por mais de 71 mil compatriotas, se tornava campeã mundial pela primeira vez. A geração de Kempes, Ardilles, Luque, Fillol e o capitão Daniel Passarella finalmente estava consagrada.


Foto Arquivo/AFA/Mirrorpix via Getty Images

quinta-feira, 6 de setembro de 2018

Itália Campeã da Copa do Mundo 1982

Uma Copa do Mundo em que o peso da camisa fez a diferença. A Itália custou a engrenar no Mundial de 1982, na Espanha. Mas quando a bola começou a se entender com os jogadores, a Azzurra arrancou rumo ao seu terceiro título, 44 anos depois do bicampeonato. Dois anos antes, o futebol italiano passou por uma profunda crise, motiva pelos escândalos de corrupção e compra de resultados, inclusive com alguns dos convocados envolvidos. Por isso, seleção e imprensa não conviviam bem em solo espanhol. Os italianos atendiam apenas a mídia estrangeira.
A campanha italiana na Copa começou preocupante. Na primeira fase foram três empates: 0 a 0 com a Polônia, 1 a 1 com o Peru e 1 a 1 com Camarões. Com apenas três pontos e na vice-liderança, a Itália só avançou de fase por causa dos gols marcados, dois contra um dos africanos. O Mundial de 1982 foi o primeiro na história com 24 seleções, divididas em seis grupos. Com 12 classificadas para a segunda fase, houve uma divisão entre mais quatro grupos. E a Azzurra enfrentou Argentina e Brasil. Contra os argentinos, finalmente a primeira vitória, por 2 a 1. Na rodada seguinte, os italianos folgaram e viram o Brasil vencer a Argentina por 3 a 1. A última rodada classificaria ou Itália ou Brasil. Enquanto os brasileiros encantavam a todos com seu futebol e podiam jogar pelo empate, os italianos precisavam vencer. E aí apareceu o jogador que fez a diferença. Paolo Rossi brilhou com três gols, e a Itália aliada com sua tradição venceu por 3 a 2 e seguiu para a semifinal. Agora embalada, a Azzurra reencontrou a Polônia na semifinal e se classificou com vitória por 2 a 0, mais dois gols de Rossi.
A final foi contra a Alemanha, no Santiago Bernabéu, em Madri. O primeiro tempo foi tenso, com a Itália perdendo um pênalti pelos pés de Antonio Cabrini. As coisas só aliviaram no segundo tempo, quando Paolo Rossi abriu o placar, se consagrando como o artilheiro da Copa. Na sequência, Marco Tardelli e Alessandro Altobelli aumentaram a vantagem. Os alemães chegaram a descontar para 3 a 1, nada que afetasse a festa dos italianos. O tricampeonato mundial recolocou a Itália entre as potências do futebol, consagrou Rossi como ídolo de um país, e encerrou com chave de ouro a carreira do goleiro Dino Zoff, capitão da seleção aos 42 anos de idade.


Foto Arquivo/FIGC

domingo, 2 de setembro de 2018

Argentina Campeã da Copa do Mundo 1986

Uma Copa do Mundo ganha pela genialidade de um craque, que carregou sua seleção nas costas. Assim foi com a Argentina de 1986 que, liderada por Maradona, chegou ao bicampeonato. A competição seria disputada na Colômbia, mas o país desistiu quatro anos antes. Então a FIFA escolheu o México, que se tornou o primeiro a sediar o Mundial por duas vezes, reaproveitando boa parte da estrutura usada em 1970. E depois da experiência na Copa anterior, a FIFA retornou com o mata-mata na fase final, classificando os dois primeiros de cada grupo e os quatro melhores terceiros colocados.
A Argentina estreou na Copa com boa vitória por 3 a 1 sobre a Coreia do Sul. A campanha seguiu com empate em 1 a 1 com os então campeões, a Itália. E encerrou na fase de grupos com 2 a 0 sobre a Bulgária. Os argentinos terminaram a primeira fase na liderança do grupo A, com cinco pontos. Nas oitavas de final, o clássico contra o Uruguai e a vitória albiceleste por 1 a 0. Nas quartas, uma das partidas mais lembradas na história das Copas do Mundo. Contra a Inglaterra, brilhou a estrela de Maradona. Primeiro, dividindo a bola com o goleiro pelo alto. Com a mão esquerda, o atacante "cabeceou" para marcar o primeiro gol. Depois de "La Mano de Dios", o gol mais bonito de todos. Maradona dominou a bola antes do meio-campo e arrancou pela ponta-direita, driblando seis jogadores ingleses por mais de 60 metros até marcar o segundo gol. A vitória por 2 a 1 colocou a Argentina na semifinal. Contra a Bélgica, vitória por 2 a 0 com outros dois gols do craque.
A final do Mundial foi entre Argentina e Alemanha no Estádio Azteca, na Cidade do México. A primeira das três decisões entre as duas seleções. A Argentina começou bem e marcou dois gols em 55 minutos, com o zagueiro Brown e o atacante Valdano. A Alemanha reagiu e empatou o jogo faltando dez minutos para o final. Mas a sorte estava do lado argentino naquele dia, e o meia Burruchaga fez o gol do título aos 38 minutos do segundo tempo. A vitória por 3 a 2 concedeu à Argentina o bicampeonato da Copa do Mundo. Uma Copa da total consagração de Maradona, capitão da seleção e ídolo de uma era do futebol.


Foto Bongarts/Getty Images

terça-feira, 28 de agosto de 2018

Alemanha Campeã da Copa do Mundo 1990

Muita gente diz que a Copa do Mundo de 1990 foi a mais fraca da história, tecnicamente falando. Realmente, ela teve a menor média de gols entre as 21 edições (2,21). Mas dizer que este Mundial foi ruim próximo a um alemão não é legal, pois foi nela que a Alemanha recém reunificada chegou na realização do sonho do tri.
Disputada na Itália, a Copa de 1990 demorou a engrenar para 23 seleções. Menos para a Alemanha, que já estreou goleando por 4 a 1 a Iugoslávia, e depois fez 5 a 1 nos Emirados Árabes. Na última rodada da primeira fase, empate em 1 a 1 com a Colômbia confirmou a liderança do grupo D para os alemães, com 5 pontos (este foi o último Mundial com a vitória valendo 2 pontos). Nas oitavas de final, a Alemanha enfrentou a sempre complicada Holanda, e a vitória por 2 a 1 veio somente no segundo tempo. Nas quartas, a vez de encarar a Tchecoslováquia. A Alemanha se classificou de maneira simples, vencendo por 1 a 0, gol de pênalti de Mätthaus. A semifinal foi contra a Inglaterra, em uma partida bem truncada. Os alemães cederam o empate em 1 a 1 nos 120 minutos, mas nos pênaltis venceram por 4 a 3, com a estrela do goleiro Illgner brilhando ao defender uma cobrança inglesa e garantir a classificação à final.
A Alemanha voltou a encontrar a Argentina, um replay do que havia ocorrido na decisão quatro anos antes. E os alemães pisaram no gramado do Olímpico de Roma dispostos a inverter o resultado da final anterior. A partida foi tensa, e parecia que ia se encaminhar para um empate sem gols. Até que a arbitragem deu pênalti de Sensini sobre Völler aos 38 minutos da etapa final. Brehme cobrou forte e alto e marcou o gol do título. Assim, a Alemanha conquistava o tricampeonato mundial, com o 1 a 0 no placar. Depois de 16 anos, dois vices e uma queda de muro, o time do capitão-artilheiro Mätthaus, Klinsmann, Brehme e Völler era coroado.


Foto Arquivo/DFB