segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

XV de Piracicaba Campeão Brasileiro Série C 1995

Sem as interrupções de outrora, a Série C chegou ao ápice da loucura em 1995. O critério técnico de classificação pelos estaduais ainda existia, mas ele ficou completamente escondido. Naquele ano, a CBF resolveu habilitar qualquer time para a disputa. Tendo jogadores, técnico, estádio e uniforme, já bastava para entrar. O resultado foi que 107 times (!) participaram da terceira divisão, um recorde nas competições nacionais. O campeão foi um tanto improvável. O XV de Piracicaba vinha de um rebaixamento no Campeonato Paulista e não era favorito, mas mesmo assim entrou de cabeça no torneio, sob a batuta do técnico Oswaldo Alvarez, o Vadão.
As centenas de clubes foram divididas em 32 grupos, com três ou quatro times. O XV ficou no grupo 29, junto com o Democrata de Sete Lagoas e o Paulista de Jundiaí. Sua estreia foi fora de casa, empate em 2 a 2 com o Paulista. Na sequência, em casa, venceu o Democrata por 2 a 0 e perdeu para o Paulista por 1 a 0. Na última rodada, perdeu em Minas Gerais para o Democrata por 1 a 0. Mas para alívio do Nhô Quim a classificação veio antecipada, fora de campo, com as vitórias do time de Jundiaí sobre o time de Sete Lagoas. A combinação de resultados o ajudou a ficar em segundo lugar com apenas quatro pontos, contra dez do adversário estadual. A coisa melhora no mata-mata. Na segunda fase, o adversário foi a Inter de Limeira. Na ida, vitória por 1 a 0 no Barão de Serra Negra. Na volta, empate em 0 a 0 em Limeira. Na terceira fase foi a vez de encarar o Barra, time carioca. Em dois jogos, vitórias por 4 a 0 em Piracicaba e por 1 a 0 no Rio de Janeiro. Nas oitavas de final, dois confrontos contra o Brasil de Pelotas. O primeiro, 1 a 1 no Bento Freitas, e o segundo, 2 a 0 no Barão. Nas quartas, o XV ficou frente a frente com o Joinville. Perdeu por 1 a 0 em Santa Catarina, e venceu pelo mesmo placar em Piracicaba. Nos pênaltis, vitória dos paulistas por 4 a 2. Na semifinal, a batalha pelo acesso foi contra o Gama. A ida foi no Barão, com vitória do XV por 2 a 0. A volta foi no Distrito Federal, no Bezerrão, onde o time candango tentou, mas não passou do 1 a 0. Nhô Quim resistiu bravamente a pressão e voltou da capital federal comemorando o acesso para a Série B.
A final da "interminável" competição foi contra o Volta Redonda. A primeira partida foi no Barão de Serra Negra e, assim como foi durante todo o mata-mata, o XV abriu uma vantagem boa ao fazer 2 a 0. A tarefa na segunda partida seria novamente segurar o adversário, agora no Raulino de Oliveira. Mas o XV de Piracicaba foi além e venceu novamente, por 1 a 0, gol do zagueiro Biluca no fim do primeiro tempo. Direto do Rio de Janeiro, a festa pelo título da Série C de 1995 estava completa. E até hoje esta conquista é a maior da história do clube, afastado desde 2002 do grande cenário nacional.


Foto Arquivo/Placar

quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

Novorizontino Campeão Brasileiro Série C 1994

Com idas e vindas, a Série C custava a fixar-se no calendário do futebol brasileiro. Após a disputa de 1992, a edição de 1993 foi cancelada devido ao inchaço do Brasileirão naquele ano (de 20 para 32 times), que inviabilizou também a Série B. Em seu lugar a CBF realizou uma seletiva, que classificou 16 equipes para a segunda divisão de 1994. E foi nesta temporada que a terceira divisão finalmente fincou seus pés. Dentre os 42 participantes, qualificados pelos estaduais, estava o Novorizontino. Já em baixa, com dívidas, mas que conseguiu montar um time competitivo para a disputa.
Na primeira fase os times foram divididos em 11 grupos (nove com quatro times, dois com três). O time aurinegro atuou no grupo 9, junto com Atlético Sorocaba, Esportivo de Passos e Matsubara. A estreia foi positiva, com vitória por 2 a 1 sobre o Esportivo em Minas Gerais. Na sequência, fez 2 a 1 no Matsubara, 5 a 0 no Atlético Sorocaba e 2 a 1 no Esportivo, todos no Estádio Jorge Ismael de Biasi. Com a classificação antecipada, ainda fez 5 a 4 no Matsubara do Paraná, e empatou em 0 a 0 com o Atlético Sorocaba, os dois fora de casa. Com 11 pontos, o Tigre do Vale liderou a chave. Superando a si próprio, o Novorizontino avançava ao mata-mata. Enfrentou o União Bandeirante na segunda fase, e passou com empate em 0 a 0 no Paraná e vitória por 3 a 2 em Novo Horizonte. Nas oitavas de final encarou o Taguatinga, o qual venceu por 3 a 1 no Distrito Federal e empatou em 1 a 1 no Jorjão. Nas quartas foi a vez de enfrentar o Ituano. O aurinegro perdeu a primeira partida da Série C na ida em Itu, por 1 a 0. Precisou reverter com um 3 a 0 em Novo Horizonte para se classificar à semifinal. O último estágio antes do acesso foi contra o Uberlândia. O Novorizontino abriu vantagem em casa, ao vencer por 2 a 0, e carimbou a vaga na final no Parque do Sabiá, ao empatar em 1 a 1. Desta forma, o time paulista também se colocava na Série B do ano seguinte.
Contra a Ferroviária, a primeira partida da decisão foi na Fonte Luminosa, em Araraquara. Com um gol do lateral Marildo, o Tigre do Vale venceu por 1 a 0 e levou a vantagem para Novo Horizonte. E a grande campanha foi coroada uma goleada na segunda partida, por 5 a 0, gols de Geraldo, Alessandro Cambalhota, Marildo, Dênis e Luís Carlos Goiano. A Série C de 1994 foi o primeiro título da história do Novorizontino, e deu fôlego ao clube por mais alguns anos. Em 1996, afastou-se da Série B e do Campeonato Paulista por problemas financeiros, e em 1999 decretou falência. Em 2010, empresários e ex-jogadores usaram de seu escudo, cores e uniforme para fundar o Grêmio Novorizontino.


Foto Arquivo/Novorizontino
*Com colaboração de Márcio Silveira Borba, do blog Times Campeões

domingo, 30 de dezembro de 2018

Tuna Luso Campeã do Brasileiro Série C 1992

Na virada dos anos 80 até a metade da década de 90, a Série C foi disputa com intervalos de duas temporadas, devidos as constantes reorganizações que a CBF fazia na segunda divisão. As Séries B de 1989 e 1991 foram inchadas, o que cancelou a disputa da terceira divisão. Em 1993 nem houve disputa. Já em 1990 e 1992 houve a contramão, quando a segundona encolheu e a Série C pode ser organizada. A edição de 1992 teve uma fórmula parecida com as anteriores, com os times se classificando pelo desempenho nos estaduais. Eterna terceira força do futebol do Pará, a Tuna Luso já vinha com a experiência do título da Série B sete anos antes.
As 31 equipes participantes da Série C foram divididas em sete grupos. A Tuna Luso ficou no grupo 2, ao lado de Flamengo-PI, Izabelense, Sampaio Corrêa e Moto Club. A estreia tunante foi contra o Moto Club, vitória em casa por 1 a 0, seguida por mais três triunfos, todos em Belém: 1 a 0 no Flamengo-PI, 3 a 1 no Izabelense e 3 a 0 no Sampaio Corrêa. Na jornada como visitante, a Tuna empatou em 0 a 0 com o Moto Club no Maranhão, venceu por 1 a 0 o Izabelense em Santa Izabel, empatou em 1 a 1 com o Flamengo no Piauí e venceu por 1 a 0 o Sampaio Corrêa em São Luís. Com 14 pontos, ficou na liderança e com a única vaga do grupo. Na segunda fase, foi a vez de formar chave com o Auto Esporte e com o Nacional-AM. A Águia do Souza começou vencendo o Auto Esporte por 1 a 0 na Paraíba. Na sequência, segurou empate em 0 a 0 com o Nacional-AM e venceu o Auto Esporte por 1 a 0, ambos no Pará. Por fim, empatou em 1 a 1 com o Nacional em Manaus, o que deu à Tuna a liderança do grupo com seis pontos, e a vaga na final.
O adversário da Tuna Luso na decisão foi o Fluminense de Feira de Santana. A partida de ida foi na Bahia, no Estádio Joia da Princesa, e o time alviverde perdeu por 2 a 0. Isto lhe obrigou a devolver o saldo de gols para ser campeão, já que possuía melhor campanha. O jogo de volta foi em Belém, no Estádio Baenão, e teve todos os requintes dramáticos. A Tuna vencia só pelo placar mínimo (gol de Ageu) até os 42 minutos do segundo tempo, quando o Fluminense empatou. Aos 45, o reserva Manelão colocou os paraenses novamente na frente, mas o resultado ainda era insuficiente. Eis que aos 49, o atacante Júnior cobrou um escanteio, e o zagueiro Juninho, que testou o mais forte possível para fazer 3 a 1. A partida acabou os 54 minutos, quando a torcida da Tuna Luso invadiu o campo para comemorar o título da Série C de 1992. Esta foi a última grande glória do time tunante, que frequentou a Série B até 2001, e depois nunca mais passou da terceira divisão.

.
Foto Cezar Magalhães/Arquivo/Blog do Ramon Paixão

quinta-feira, 27 de dezembro de 2018

Atlético-GO Campeão Brasileiro Série C 1990

A terceira divisão do Campeonato Brasileiro não era considerada uma prioridade até há alguns anos. Suas primeiras edições foram intermitentes e com regulamentos aleatórias. Após a disputa de 1988, a CBF cancelou a organização da Série C em 1989, optando por inchar a segunda divisão. Mas em 1990 a terceirona já estava de volta. Mais magra em relação a dois anos antes, mas com o mesmo intuito de reunir os times pequenos que foram bem nos estaduais. Foram 30 clubes na disputa, divididos em seis grupos. E o campeão foi o Atlético Goianiense, uma das principais forças do futebol goiano e do Centro-Oeste.
O Atlético-GO entrou na Série C através do grupo 3, junto com Ubiratan, União Rondonópolis, Vila Nova e Gama. Com uma campanha irretocável, o Dragão não teve nenhum problema na primeira fase. Estreou goleando o rival Vila Nova por 4 a 1, fez 1 a 0 no Gama e 5 a 1 no Ubiratan do Mato Grosso do Sul, ambos no Serra Dourada, e venceu o União por 2 a 1 no Mato Grosso. Com oito pontos, se classificou na liderança. Nas quartas de final, repetiu dois jogos contra o Gama. Perdeu por 1 a 0 em Brasília, mas reverteu com um fácil 4 a 0 em Goiânia. Na semifinal, o Atlético-GO enfrentou o América-RN, fazendo uma vantagem de 2 a 0 na partida de ida no Machadão, em Natal, e concretizando a vaga na final com um belo 5 a 2 no Serra Dourada.
A final foi contra o América-MG, em dois jogos. O Dragão possuía melhor campanha, o que lhe deu o benefício de atuar por dois empates ou por resultados iguais. A ida foi no Independência. em Belo Horizonte, e não saiu do 0 a 0. A volta foi no Serra Dourada, em Goiânia, e o gol insistiu em não acontecer para os dois lados. Melhor para o Atlético-GO, que exerceu o direito pela campanha superior e comemorou o título da Série C de 1990. Foi a primeira conquista nacional do rubro-negro goiano, a principal até ser igualada em 2008, e superada pela segunda divisão em 2016.


Foto Arquivo/Atlético-GO
*Com colaboração de Márcio Silveira Borba, do blog Times Campeões

sábado, 22 de dezembro de 2018

União São João Campeão Brasileiro Série C 1988

Depois do mundo confuso que foi o futebol brasileiro em 1987, houve uma nova reorganização para 1988. CBF e Clube dos 13 fizeram as pazes e montaram uma primeira divisão com 24 clubes e uma novidade: rebaixamento e acesso entre divisões. Logo abaixo do Campeonato Brasileiro, outros 24 times formaram a segunda divisão. E mais abaixo, 43 equipes fizeram parte da terceira divisão. Era a terceira tentativa de um campeonato nacional no terceiro nível, mas a primeira com ligação direta com a divisão de cima. O campeão viria do interior paulista. Um clube jovem de Araras, com apenas sete anos de fundação, mas já integrante da elite do futebol de São Paulo.
Fundado em 1981, o União São João conseguiu a vaga na Série C de 1988 através de boa campanha no estadual. Todos os times da competição ficaram divididos em grupos regionalizados. O União ficou no grupo 9, ao lado Mogi Mirim, Fabril e Esportivo de Passos (ambos de MG). A estreia do Verdão foi no interior mineiro, com vitória por 1 a 0 sobre o Esportivo. Na sequência, venceu dois jogos no Hermínio Ometto, 2 a 0 sobre o Fabril e 3 a 1 sobre o Mogi Mirim. No returno, a derrota para por 1 a 0 para o Fabril em Minas Gerais foi suplantada pela vitória por 1 a 0 sobre o Esportivo em Araras, o que classificou o União antecipadamente. Na última rodada, empatou sem gols com o Mogi Mirim e perdeu na disputa de pênaltis (a regra insólita valia para as três divisões). A Ararinha ficou na liderança do grupo com 13 pontos. Na segunda fase, o União ficou no grupo 5, com Brusque, Blumenau e Santo André. Começou fora de casa com empate por 1 a 1 e vitória nos pênaltis contra o Santo André. Depois, venceu por 1 a 0 o Blumenau fora de casa, fez 4 a 0 o Brusque em casa, perdeu por 2 a 1 para o Blumenau em Araras, e levou 2 a 0 do Brusque fora de casa. A classificação veio só na rodada final, com vitória por 1 a 0 sobre o Santo André no Herminião. O União fez os mesmos 11 pontos, oito gols e saldo três do rival paulista, mas ficou na primeira posição pelo confronto direto. Na terceira fase, o Verdão dividiu o grupo 2 com Marcílio Dias e Tiradentes (DF). Estreou com 0 a 0 e derrota nos pênaltis para o Tiradentes em Brasília. Depois, venceu por 1 a 0 o Marcílio Dias e por 3 a 1 o Tiradentes, ambos em casa. O União ainda perdeu para o Marcílio por 2 a 1 em Itajaí e precisou secar o adversário candango na rodada de folga, a última. Eles perderam pelo mesmo placar e no mesmo lugar. O time de Araras se classificou para a final com sete pontos.
A decisão foi um reencontro com o Esportivo de Passos. A ida foi em Minas Gerais, e o União empatou por 1 a 1, sofrendo o gol no segundo tempo. A volta foi no Hermínio Ometto, com a Ararinha marcando dois gols, de Kel e Odair. O empate adversário veio nos minutos finais, mas a melhor campanha garantia o título uniense. Depois desse 2 a 2, o União São João comemorou o título da Série C de 1988, maior conquista do clube até 1996, quando veio o título da Série B.


Foto Arquivo/União São João/Blog União Mania