segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Flamengo Campeão Brasileiro 1982

Depois de ganhar a América do Sul e o Mundo, o Flamengo voltou suas forças para reconquistar o Brasil em 1982. A Taça de Ouro daquele ano estabilizou o número de participantes, mas sofreu alterações no regulamento. Na primeira fase, os times passaram a ser divididos em oito grupos, com os três primeiros de casa se classificando, e os quarto lugares indo para uma repescagem. Os quatro times da Taça de Prata subindo no mesmo ano foram mantidos. O Corinthians foi o time da vez a experimentar o gosto da segunda divisão.
O Rubro-negro entrou no grupo 3, com Ferroviário do Ceará, Náutico, São Paulo e Treze da Paraíba. Ao final de oito jogos, o Flamengo conseguiu a liderança com sete vitórias, um empate, 15 pontos e uma larga vantagem sobre o vice São Paulo. Antes da segunda fase, os oito times da repescagem fizeram quatro confrontos, com os vencedores avançando. Finalmente, os 24 classificados, os quatro repescados e os quatro do acesso se dividiram em outros oito grupos. o Fla ficou no grupo 3, junto com Atlético-MG, Corinthians e Internacional. Com jogos cascudos, o Rubro-negro passou algumas dificuldades, mas conseguiu se classificar na segunda posição com três vitórias, dois empates e uma derrota. Marcou oito pontos, ficando um atrás do Corinthians. Dois times de cada grupo formaram o mata-mata com 16 classificados. O Flamengo enfrentou nas oitavas de final o Sport. Com a vitória na ida por 2 a 0 em Recife, o Mengão se permitiu perder na volta no Rio de Janeiro por 2 a 1. Nas quartas de final, o confronto foi contra o Santos. E o Fla abriu mais uma vez a vantagem fora de casa, agora por 2 a 1, e segurou o jogo em casa, com empate em 1 a 1. Na semifinal, o Flamengo enfrentou o Guarani, que também sofreu a derrota em casa na ida, no Brinco de Ouro, por 2 a 1. A vaga flamenguista na final se confirmou com a vitória por 3 a 2 no Maracanã.
A final do Brasileiro de 1982 foi entre Flamengo e Grêmio. O primeiro jogo foi no Maracanã, e o Rubro-negro não conseguiu vantagem, pois teve que buscar um empate em 1 a 1 no final da partida. As coisas seguiram igualadas no Olímpico com o empate em 0 a 0. O regulamento previa a realização do terceiro jogo em caso de igualdade no saldo. Outra vez em Porto Alegre, o Flamengo precisava vencer, pois não tinha a melhor campanha. Calando 63 mil gremistas, Nunes fez o gol do título do Fla logo no começo do jogo. No tempo restante, resistiu à pressão para comemorar o bicampeonato brasileiro.


Foto Arquivo/Placar

domingo, 10 de dezembro de 2017

Grêmio Campeão Brasileiro 1981

Em seu segundo ano com o novo nome, a Taça de Ouro de 1981 contou com algo inédito: a repetição no número de participantes, com 40 times entrando no começo e outros quatro subindo da segunda divisão na mesma temporada. Já o regulamento foi levemente alterado. A terceira com 16 times em quatro grupos foi extinta, se tornando em mata-mata com oitavas de final. A classificação pelos estaduais fez a sua primeira vítima neste ano. O Palmeiras fez um péssimo Paulista em 1980 e teve de começar na Taça de Prata. Na outra ponta aparecia o Grêmio, que depois de ver o rival empilhar três taças nacionais, começava a virar a gangorra.
Na primeira fase, os 40 times formaram quatro grupos. O Tricolor ficou no grupo 2, fazendo uma campanha dentro da regularidade. Na quarta posição, fez quatro vitórias, dois empates e três derrotas. Com dez pontos, ficou quatro distante da líder Portuguesa. Sete equipes saíram classificadas dos grupos para a segunda fase. Essas 28 equipes de encontraram com as quatro que vieram da segunda divisão, formando oito grupos. O Grêmio entrou no grupo 5, com Fortaleza, Inter de Limeira e São Paulo, no que se tornou um prenúncio do desfecho do campeonato. Nessa "prévia" da final, o time paulista foi melhor, deixando o Tricolor Gaúcho na vice-liderança do grupo com quatro vitórias e duas derrotas. O time gaúcho marcou oito pontos, contra nove dos paulistas. Ambos se classificaram para o mata-mata, com outros 14 times. Nas oitavas de final, o Grêmio enfrentou o Vitória. Perdeu a ida na Fonte Nova por 2 a 1, mas devolveu 2 a 0 na volta, no Olímpico. Nas quartas de final, o adversário foi o Operário do Mato Grosso do Sul. O Tricolor venceu por 2 a 0 em Porto Alegre, e se classificou com vitórias pelo placar mínimo em Campo Grande. Na semifinal, o Grêmio encarou a Ponte Preta. O primeiro jogo foi no Moisés Lucarelli, e o Tricolor saiu vencedor por 3 a 2. O segundo jogo registrou o maior público da história do Olímpico (98 mil pessoas), mas o Grêmio perdeu por 1 a 0, se classificando para a final por ter melhor campanha.
Na final, o reencontro com o São Paulo. Em dois jogos complicados, o Grêmio mostrou raça e o nascimento do seu espírito copeiro. Na ida dentro do Olímpico, o Tricolor Gaúcho saiu perdendo, mas virou a partida com dois gols de Paulo Isidoro. Com 2 a 1 de vantagem, só precisava segurar o time paulista no Morumbi. E conseguiu vencer novamente, por 1 a 0 em golaço de Baltazar. O Grêmio conquistava seu primeiro título do Brasileirão.


Foto Arquivo/Grêmio

Flamengo Campeão Brasileiro 1980

O ano de 1980 foi de muitas mudanças no futebol brasileiro. A CBD foi desmembrada em várias entidades, uma para cada modalidade. Nasceu a CBF, que passou a organizar o futebol. Depois, os times tradicionais pressionaram a confederação a reformar o Campeonato Brasileiro, que crescia ano a ano em participantes. Dos 94 times em 1979, ficaram 40 para a nova Taça de Ouro de 1980. Por outro lado, foi ressuscitada a segunda divisão, com sistema misto de acesso. Alguns times subiam no mesmo ano, outros para o ano seguinte, e não havia rebaixamento. Também foi criada a terceira divisão. Os campeonatos estaduais começaram a servir como critério técnico para o preenchimento das vagas nas três divisões. E em meio a isso, surgiu mais uma força que dominou o futebol na década de 80: o Flamengo de Zico, Júnior, Nunes, Leandro e Adílio.
Na primeira fase da Taça de Ouro, os times foram divididos em quatro grupos. O Rubro-negro ficou no grupo 3, e começou bem o campeonato, ficando na segunda posição, com cinco vitórias, três empate e uma derrota. Com 13 pontos, fez dois a menos que o líder Santos. Sete times por grupo se classificaram. Na segunda fase, essas 28 equipes se juntaram a outras quatro oriundas da Taça de Prata, se dividindo em oito grupos. O Flamengo ficou no grupo 6, com Palmeiras, Santa Cruz e Bangu, e não perdeu nenhum dos seis jogos. Liderou com quatro vitórias, dois empates e 10 pontos, e passou de fase ao lado do Palmeiras. Na terceira fase, 16 classificados formaram mais quatro grupos, agora com jogos em turno único. O Fla ficou no grupo 3, com Santos, Desportiva do Espírito Santo e Ponte Preta. Vencendo dois jogos e empatando um, o Rubro-negro se classificou para a semifinal com cinco pontos. Na semifinal, o Flamengo enfrentou o Coritiba. No primeiro jogo, no Couto Pereira, vitória do Mengão por 2 a 0. Mesmo com a classificação encaminhada, levou sustos no jogo da volta no Maracanã, mas venceu por 4 a 3 e foi à final contra o Atlético-MG, que se vingou de 1976 e eliminou o Internacional.
Tida como a maior final de Brasileirão da história, Flamengo e Atlético-MG colocaram frente a frente times históricos. No primeiro jogo, o Flamengo segurou quase tudo, mas sofreu uma derrota apertada por 1 a 0 no Mineirão. Com a melhor campanha e a vantagem de jogar por um saldo de gols zerado, bastava ao Flamengo vencer no Maracanã. Tão apertando quanto a ida, o Flamengo ficava na frente do placar, e o Atlético-MG empatava. Isso aconteceu duas vezes, até que na terceira Nunes fez o gol da vitória por 3 a 2 e do primeiro título brasileiro do Flamengo.


Foto Arquivo/Flamengo

sábado, 9 de dezembro de 2017

Internacional Campeão Brasileiro 1979

O ápice da bizarrice foi o número de times participantes do Brasileiro de 1979. A CBD, em seu último ano de atividade, colocou 94 equipes para participar da Copa Brasil. Foi tanta desorganização que Corinthians, Portuguesa, Santos e São Paulo desistiram antes do começo. Alheio aos fatos, o Internacional renovava sua geração vencedora na década de 70 e premiava seu torcedor com mais uma taça.
Na primeira fase do torneio, 80 times foram divididos em dez grupos. O Inter ficou no grupo 7, e ao final de nove rodada terminou a fase na liderança, com seis vitórias e três empates. Com 15 pontos, se classificou com outros sete times. Na segunda fase, 44 times se juntaram a mais 12 de São Paulo e Rio de Janeiro, e se dividiram em oito grupos. O Colorado entrou no grupo 3, e ficou mais uma fase sem perder. Com quatro vitórias e três empates, o Internacional liderou o grupo com 11 pontos, um a mais que o vice Atlético-PR. Ambos avançaram, junto com outros 12 times. Na terceira fase, os 14 classificados se juntaram a Guarani e Palmeiras, os finalistas do ano anterior, e se dividiram em quatro grupos. O Inter ficou no grupo 3. Em três rodadas, venceu Goiás, Cruzeiro e Atlético-MG (por W.O.) e conseguiu a classificação para a semifinal com seis pontos. Coritiba, Palmeiras e Vasco foram os outros sobreviventes da maratona. Na semifinal, o Colorado enfrentou o Palmeiras, reeditando o confronto de 1978. A sorte mudou lado com a vitória colorada no Morumbi por 3 a 2. No Beira-Rio, o Inter confirmou a vaga na final com empate em 1 a 1.
A final foi disputada contra o Vasco. Com justiça, dois times invictos chegaram no último confronto, e só um continuaria com esse status. O jogo de ida foi no Maracanã, e o Internacional tratou de escrever a história para seu lado com a vitória por 2 a 0. No Beira-Rio, outra vitória por 2 a 1 confirmou o terceiro título para os gaúchos. O último que conseguiu a façanha sem perder nenhuma partida.


Foto Arquivo/Placar

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Guarani Campeão Brasileiro 1978

O Brasileirão continuou cada vez mais inchado. A edição de 1978 da Copa Brasil contou com a participação de 74 times, e elas viram de perto despontar uma surpresa do interior paulista. O Guarani de Campinas, que revelou o atacante Careca, foi o primeiro clube do interior de um estado a vencer um título nacional. Na primeira fase, os clubes formaram seis grupos com jogos em turno único, classificando para a segunda fase os seis primeiros de cada grupo. Os restantes foram para a repescagem. E aquela já famosa regra do ponto extra foi alterada, sendo concedido para vitórias por mais de três gols de diferença.
O Bugre começou o torneio no grupo 4, e até então sua campanha foi mediana. Em quinto lugar, fez cinco vitórias, quatro empates e duas derrotas, marcando 16 pontos (dois extras). Ficou seis distante do líder Vasco. Na segunda fase, 36 times se juntaram em quatro grupos, com vagas para os seis primeiros lugares e o melhor pontuador entre os eliminados. O rendimento bugrino seguiu o mesmo, e o time avançou na quarta posição do grupo 4, com três vitórias, três empate e duas derrotas, fazendo 11 pontos (dois extras) e terminando três pontos atrás do novamente líder Vasco. Na repescagem, 38 times se dividiram em quatro grupos, com o líder de cada e o melhor pontuador entre os outros se classificando. Na terceira fase, 32 times se dividiram em quatro grupos, com vagas para os dois primeiros de cada. Foi aqui que o Guarani começou a mostrar sua verdadeira força, liderando o grupo 1 com seis vitórias e um empate. Com 15 pontos (dois extras), ficou dois a frente do vice Internacional. Oito times restantes fizeram o mata-mata. Nas quartas de final, o Bugre enfrentou o Sport. Na Ilha do Retiro, o Guarani já encaminhou a classificação vencendo por 2 a 0. No Brinco de Ouro, mais 4 a 0 colocaram o time na semifinal. Na semifinal, o reencontro com o Vasco foi feliz para os campineiros. Vitória por 2 a 0 em Campinas e por 2 a 1 no Rio de Janeiro colocaram o Guarani na final história contra o Palmeiras.
O primeiro encontro entre os verdes foi no Morumbi. E o Bugre voltou da capital com a vitória na mão por 1 a 0, gol de Zenon. Na volta, o Brinco de Ouro lotou para ver Careca marcar o único gol do jogo, e do título brasileiro do Guarani.


Foto Rodolpho Machado/Placar

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

São Paulo Campeão Brasileiro 1977

Para o ano de 1977, a Copa Brasil manteve todas as regras dos anos anteriores. O mesmo não aconteceu com o número de time, que subiu para 62. No meio de tanto clube, o São Paulo se credenciou para conquistar o seu primeiro título brasileiro. Na primeira fase, os participantes foram divididos em seis grupos, e o Tricolor ficou no no grupo 2. Em turno único e jogando dentro de cada grupo, o São Paulo se classificou na vice-liderança, atrás do Palmeiras. Foram seis vitórias, dois empates e uma derrota, marcando 18 pontos (quatro extras). Para a fase seguinte, avançaram os cinco primeiros de cada grupo. Os demais foram para a repescagem.
Na segunda fase, os trinta clubes foram divididos em seis grupos de cinco. O Tricolor Paulista entrou no grupo 2, e ao final das quatro rodadas, conseguiu outro segundo lugar. Foram duas vitórias, um empate e uma derrota, obtendo sete pontos (dois extras). Ficou dois pontos atrás do Corinthians e e dois na frente do America-RJ, o outro classificado. De cada grupo, passaram três times. Na repescagem, 32 times se dividiram em seis grupos, com o líder de cada se classificando. Na terceira fase, 24 clubes foram divididos em quatro grupos. O São Paulo ficou no grupo 3, e manteve uma boa regularidade. Com quatro vitórias e uma derrotas, conseguiu a única vaga do grupo para a semifinal. O time marcou 11 pontos (três extras), ficando quatro à frente do vice-líder Grêmio. Nos outros grupos, Londrina, Atlético-MG e Operário de Campo Grande conseguiram as vagas restantes. O Tricolor enfrentou na semifinal a surpresa que veio do (ainda) Mato Grosso. No primeiro jogo, abriu vantagem com vitória por 3 a 0. Na volta, o Operário assustou, mas o São Paulo só perdeu por 1 a 0. No outro lado, o Atlético-MG despachou a surpresa paranaense, o Londrina.
Em março de 1978, a falta de calendário obrigou a grande final ser em partida única. E o São Paulo teve de viajar até Belo Horizonte, pois o time mineiro tinha melhor campanha. O Atlético-MG estava invicto, e assim terminou a Copa Brasil. O Tricolor segurou o empate em 0 a 0 no Mineirão, e pela primeira vez um Brasileirão foi decidido nos pênaltis. Nas cobranças, Waldir Peres brilhou defendendo três cobranças, o São Paulo venceu por 3 a 2 e comemorou seu primeiro título brasileiro.


Foto Arquivo/Placar