quinta-feira, 29 de março de 2018

Grêmio Campeão Brasileiro Série B 2005

O Grêmio encontrou o fundo do poço em 2005, depois dos desastres nos dois anos anteriores, e o iminente rebaixamento no Brasileiro. Sem dinheiro, o time precisava do acesso urgentemente, pois o caso era sério, e uma possível licença das competições nunca foi descartada na época. A saída era conseguir uma das duas vagas pela Série B, torneio onde o Tricolor já havia dado as caras em 1992, onde conseguiu uma classificação indolor, em nono lugar. Foram 22 times na segunda divisão, e o regulamento seguia os moldes da época, com turno único, oito classificados e seis rebaixados.
A campanha gremista não começou boa. A primeira rodada registrou derrota por 2 a 1 para o Gama fora de casa. No jogo seguinte veio a primeira vitória, um sofrido 4 a 3 sobre o Avaí em um Beira-Rio de portões fechados, fruto da punição ao clube ainda no fim de 2004. Até a nona rodada, o Tricolor alternou bons e péssimos resultados, como a vitória de 2 a 1 sobre o Paulista, recém vencedor da Copa do Brasil, no Olímpico, e a derrota por 4 a 0 para a Anapolina em Goiás. As coisas só melhoraram mesmo no 11º jogo, uma virada de 4 a 3 sobre o Ceará no Castelão. A passagem de fase veio na 18ª rodada, ao vencer a Portuguesa por 2 a 1 no Canindé. O Grêmio encerrou a primeira fase em quarto lugar, com 35 pontos em 21 jogos, nove vitórias, oito empates e quatro derrotas. Na fase seguinte, grupo dividido com Santo André, Avaí e Santa Cruz. O time se classificou sem problemas, em segundo lugar com 12 pontos, um a menos que os pernambucanos e dois a mais que os paulistas.
No quadrangular final, Grêmio, Santa Cruz, Náutico e Portuguesa duelaram pelo acesso e pelo título. O Tricolor começou com pé direito, vencendo o Náutico no Olímpico por 1 a 0. Na sequência, dois empates fora de casa e por 1 a 1, com Santa Cruz e Portuguesa. Na quarta rodada, o Grêmio buscou empate de 2 a 2 com o time paulista. Depois, vitória de 2 a 0 sobre o Santa Cruz no Olímpico. A última rodada foi fora de casa, e tudo estava em aberto. De um lado, o Santa Cruz venceu a Portuguesa e garantiu a primeira vaga. Do outro, Náutico e Grêmio empatavam, com pernambucanos perdendo um pênalti. Quando o árbitro marcou o segundo, a revolta gremista foi geral. Quatro jogadores expulsos, e o time no limite, não podendo perder. Eis que surge o primeiro herói, o goleiro Galatto, que defendeu a nova penalidade. Na saída de bola, o segundo herói, Ânderson, pegou a defesa no Náutico aberta e fez o gol do acesso e do título. Com sete jogadores em campo, o Tricolor comprovava novamente a fama de Imortal e voltava para a primeira divisão. Esta partida se tornou conhecida como "Batalha dos Aflitos", por causa no nome do estádio em que se realizou. Um capítulo de orgulho para o torcedor do Grêmio.


Foto Ricardo Duarte/Agência RBS