domingo, 31 de dezembro de 2017

Vasco Campeão Brasileiro 2000

O Brasileirão de 2000 começou e terminou com problemas. Por não ter aceitado o rebaixamento à Série B em 1999, o Gama entrou com uma ação na Justiça Comum exigindo sua permanência. Devido ao conflito de decisões entre STJD (contra o Gama) e a Justiça Comum (a favor), a CBF ficou impedida de publicar o regulamento. Um acordo com o Clube dos 13 foi a solução, e definiu que ela organizaria o campeonato (mais tarde oficializado pela CBF). Porém, uma liminar obtida pelo Gama determinou sua inclusão nesse torneio. Com o temor de uma série de liminares de outros clubes, optou-se pela unificação das três divisões em um único certame. O C13 dividiu a competição em Módulo Azul, com Fluminense, Bahia (que disputariam a Série B daquele ano), Juventude (rebaixado em 1999) e América-MG (que disputou a Série B em 1999 sem conseguir o acesso), Módulo Amarelo (segunda divisão), com times das séries B e C para descaracterizar as divisões do ano anterior, e evitar o conflito de decisões entre o STJD e a Justiça Comum, e Módulos Verde e Branco (terceira divisão), com times oriundos dos estaduais. Este campeonato recebeu o nome de Copa João Havelange.

---------------------------

O regulamento do último torneio nacional do século 20 previa que qualquer time poderia ser campeão. Foram 25 times no Módulo Azul, com 12 vagas para a fase final, 36 times no Módulo Amarelo, com três vagas para o mata-mata, e 55 times nos Módulos Verde e Branco, com uma vaga classificatória. O Vasco, liderado por Romário, ficou na primeira divisão, que foi disputada de maneira semelhante aos anos anteriores, com um grupo único em um turno de jogos.
Ao final da primeira fase, o Cruz-maltino encerrou classificado no quinto lugar, com 39 pontos em 24 rodadas. Foram 11 vitórias, seis empates e sete derrotas. A equipe ficou seis pontos distante do líder Cruzeiro "campeão" do Módulo Azul. No Módulo Amarelo, o vencedor foi o Paraná, vencendo o São Caetano na final. E nos Módulos Verde e Branco, o desconhecido Malutrom, do Paraná, foi o campeão. Assim, 16 times se reuniram no mata-mata, feito no clássico ida e volta. O Vasco enfrentou nas oitavas de final o Bahia, 12º na primeira divisão. Em duas partidas concorridas, o time da Colina empatou na Fonte Nova em 3 a 3 e venceu em São Januário por 3 a 2. Nas quartas de final, o adversário vascaíno foi o Paraná. A vitória por 3 a 1 em Curitiba possibilitou ao Vasco perder no Rio de Janeiro por 1 a 0. Embalado, o time carioca enfrentou na semifinal o Cruzeiro. Após empate em 2 a 2 em São Januário, o Vasco venceu por 3 a 1 no Mineirão, se classificando para a final.
Enquanto isso, o São Caetano surpreendia o país, chegando na decisão pelo outro lado da chave. O jogo de ida foi em São Paulo, no Palestra Itália, e acabou 1 a 1. O jogo de volta, em São Januário, ficou marcado pela queda de parte do alambrado, causando cerca de 150 feridos. Houve a suspensão desta partida e marcação de uma nova partida, já em 2001. Recomeçando do início, no Maracanã, Romário e Juninho Pernambucano deram show, e o Vasco venceu por 3 a 1, calando a zebra. E o Gigante da Colina entrou no século 21 celebrando o tetracampeonato.


Foto Eduardo Monteiro/Placar

sábado, 30 de dezembro de 2017

Corinthians Campeão Brasileiro 1999

O último Brasileirão do milênio precisou ter mais uma confusão básica fora dos gramados. O rebaixamento naquele ano foi definido pela média de pontos dos últimos dois campeonatos. Durante a competição, o Botafogo ganhou três pontos pelo tribunal, relativos à uma punição sofrida pelo São Paulo. Esses pontos extras afetaram na contagem final das médias, que colocou o Gama como último rebaixado. Sem a influência do STJD, o Botafogo sofreria com a queda. O clube do Distrito Federal não aceitou a decisão e recorreu à Justiça comum. As disputas judiciais estenderam-se por meses e a CBF acabou proibida de organizar o Campeonato Brasileiro do ano seguinte, e nenhum rebaixamento foi de fato consumado. Sem culpa nenhuma nessa polêmica, o Corinthians melhorou ainda mais seu time, com as adições de Luizão e Dida à equipe do ano anterior, e se credenciou para conquistar o terceiro título.
O restante do regulamento de 1999 foi igual ao da temporada anterior. Os 22 participantes se enfrentaram em 21 rodadas. O Alvinegro repetiu a dose e foi o líder da fase inicial, com 14 vitórias, dois empates e cinco derrotas, marcando 44 pontos. A disputa corinthiana pelo primeiro lugar foi com o Cruzeiro, que ficou na vice-liderança. Os outros classificados foram: Vasco, Ponte Preta, São Paulo, Vitória, Atlético-MG e Guarani. O mata-mata foi mantido com o sucesso da melhor de três jogos. Nas quartas de final, o Timão enfrentou o Guarani, e começou o confronto empatando em 0 a 0 no Brinco de Ouro. Nos dois jogos seguintes na capital, o Corinthians venceu por 2 a 0 e confirmou a classificação ao empatar em 1 a 1. Na semifinal, o confronto foi contra o São Paulo, com todos os jogos no Morumbi. No primeiro, o Corinthians venceu como visitante, por 3 a 2. No segundo, foi o mandante, e a classificação foi antecipada com a vitória por 2 a 1. Depois, foi só esperar a definição do outro finalista, com o Atlético-MG eliminado o Vitória na terceira partida.
O Corinthians iniciou a final de 1999 no mesmo Mineirão do ano anterior. Em jogo dificílimo, o Timão sofreu um gol com 15 segundos, e acabou perdendo por 3 a 2. Precisando vencer as próximas partidas, o time foi ao Morumbi e reverteu a vantagem ao fazer 2 a 0 na segunda partida, os dois gols de Luizão, que ainda foi expulso. Sem o artilheiro, o Corinthians segurou empate sem gols no terceiro jogo. Outra vez sob chuva, o Alvinegro comemorou o tricampeonato, e o segundo título seguido.


Foto Arquivo/Folhapress

Corinthians Campeão Brasileiro 1998

O Campeonato Brasileiro viu em 1998 surgir mais uma hegemonia, com o Corinthians. Com jogadores como Marcelinho Carioca, Rincón, Edílson e Vampeta, o time paulista levou o título brasileiro de cabo a rabo. A competição naquele ano "emagreceu", voltando a ter 24 participantes. E o regulamento voltou a ser o de dois anos antes, a única diferença é que o mata-mata passou a ser em melhor de três jogos, ao invés do tradicional ida e volta. Na parte de baixo, os quatro últimos lugares foram destinados ao rebaixamento.
O Brasileirão foi dominado pelos times paulistas. O Corinthians disputou ponto a ponto a liderança da fase inicial com o Palmeiras. Ao final das 23 rodadas, melhor para o Timão, que marcou 46 pontos, com 14 vitórias, quatro empates e cinco derrotas. O seu rival verde encerrou com um ponto a menos. As outras vagas foram de Coritiba, Santos, Sport, Portuguesa, Cruzeiro e Grêmio. Nas quartas de final, o Corinthians enfrentou o Grêmio. No Olímpico, o Alvinegro conseguiu vantagem ótima de 1 a 0. Mas no Pacaembu, os gaúchos reverteram a situação ao vencer por 2 a 0. Assim, o Corinthians precisava vencer o desempate, pois não tinha saldo de gols a seu favor. E conseguiu, por 1 a 0, na capital paulista. A semifinal foi marcada pelo clássico com o Santos. No jogo da Vila Belmiro, o Timão não resistiu e perdeu de virada por 2 a 1. No Pacaembu, o Corinthians venceu por 2 a 0 e forçou o terceiro jogo, no mesmo estádio. Dessa vez com a vantagem do saldo de gols, o time corinthiano se classificou para a final com o empate em 1 a 1.
O adversário do Corinthians na decisão foi o Cruzeiro. A primeira partida foi no Mineirão, e o Alvinegro conseguiu buscar fora de casa um empate em 2 a 2. Com a terceira partida já confirmada, o Timão mandou os dois jogos seguintes no Morumbi. Na segunda partida, outro empate em 1 a 1. Na terceira e última, o Corinthians foi ao ataque para não depender do regulamento, e debaixo de muita chuva, venceu a partida por 2 a 0, gols de Edílson e Marcelinho no segundo tempo. Com o resultado, o time comemorou com a Fiel o bicampeonato nacional.


Foto Alexandre Battibugli/Placar

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Vasco Campeão Brasileiro 1997

O Brasileirão de 1997 teve um aumento de dois times após a polêmica do ano anterior. Foram 26 clubes lutando pelas oito vagas de classificação e contra as quatro do rebaixamento. Salvo pela caneta em 1996, o Fluminense não escapou da degola no ano seguinte. O único time punido de fato no "Caso Ivens Mendes" foi o Atlético-PR, que começou o torneio com menos cinco pontos. Na parte de cima da tabela, o Vasco foi totalmente o oposto do seu rival carioca. Liderado por Edmundo e seus 29 gols, o Cruz-maltino arrancou para o tricampeonato.
A primeira fase do Campeonato Brasileiro de 1997 foi igual a da edição anterior. Os clubes se enfrentaram todos contra todos em turno único. O time da Colina ficou toda a competição entre os melhores, e encerrou a fase na primeira posição, com 17 vitórias, três empates e cinco derrotas em 25 jogos. O Vasco fez 54 pontos, três a mais que o vice-líder Internacional, o principal adversário na fase inicial. Na sequência, os times classificados foram: Atlético-MG, Portuguesa, Flamengo, Santos, Palmeiras e Juventude. Líder em seis rodadas no começo, o Paraná ficou sem fôlego e acabou eliminado em 13º lugar. Os oito times classificados foram divididos em dois grupos na segunda fase, com vaga somente para o líder de cada na final. Melhor campanha, o Cruz-maltino ficou no grupo 1, ao lado de Portuguesa, Flamengo e Juventude. Foram seis rodadas de atuações de luxo do Vasco, que encerrou a fase classificado com quatro vitórias e dois empates. A partida que carimbou a vaga vascaína na final foi um 4 a 1 sobre o Flamengo no Maracanã, com três gols marcados por Edmundo, que quebrou o recorde da artilharia. No outro grupo, o Palmeiras cresceu sobre os adversários e também conseguiu a classificação invicta.
Vasco e Palmeiras fizeram a final do Brasileiro de 1997. Entre os dois jogos, uma polêmica. Edmundo havia recebido o terceiro cartão amarelo (e a suspensão automática) no jogo de ida no Morumbi. Mas foi orientado a forçar outro cartão, e foi expulso (o que também o deixaria fora do próximo jogo). Essa expulsão possibilitou um julgamento no STJD, e o jogador obteve um efeito suspensivo, podendo jogar o jogo de volta no Maracanã. Em 180 minutos de confronto, nenhum gol foi visto, e com a vantagem de dois empates, o Vasco faturou seu terceiro título brasileiro.


Foto Alexandre Battibugli/Placar

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

Grêmio Campeão Brasileiro 1996

Em 1996, a CBF resolveu apostar no simples e reuniu os 24 participantes do Campeonato Brasileiro em uma tabela única com um turno só, com oito vagas para o mata-mata e duas para o rebaixamento para a segunda divisão. Mas como nem tudo são flores, a entidade precisou intervir no regulamento por conta de escândalo. O motivo foi o "Caso Ivens Mendes", que levantou a possibilidade de os resultados de alguns jogos da Copa do Brasil daquele ano terem sido manipulados. Gravações provaram que os presidentes de Corinthians e Atlético-PR trataram de valores e resultados de partidas com Ivens. Para não ter que tirar pontos desses times e alterar a tabela final do campeonato, foi cancelado o rebaixamento, e Fluminense e Bragantino acabaram salvos. À margem desse assunto, o Grêmio vinha empilhando títulos na década de 90, mas faltava o Brasileirão. Em 1996 ele chegou.
Sempre frequentando o G-8, o Tricolor foi líder da competição apenas uma rodada, a 19ª. Os times que brigaram de fato pela primeira posição da fase inicial foram Palmeiras, Guarani e Cruzeiro. Ao final das 23 rodadas, melhor para o time mineiro, que fez 44 pontos. O Grêmio encerrou em sexto lugar, com 38 pontos, 11 vitórias, cinco empates e sete derrotas. Completaram o grupo de classificados Atlético-PR, Atlético-MG, Goiás e Portuguesa. Times que haviam liderado o torneio no início foram eliminados, o Internacional (9º) e o São Paulo (11º). No mata-mata, o time gremista cruzou com o terceiro colocado, o Palmeiras. A ida das quartas de final foi no Olímpico, e o Tricolor abriu vantagem de 3 a 1. No Morumbi, o Grêmio colocou o regulamento embaixo do braço e perdeu pelo placar que podia, 1 a 0. A semifinal foi contra a surpresa do ano, o Goiás. No Serra Dourada, o Grêmio encaminhou sua situação ao vencer por 3 a 1, mas em Porto Alegre houve um susto, pois os gaúchos ficaram duas vezes atrás do resultado. No fim deu tudo certo com o empate em 2 a 2.
A final do Brasileiro foi contra a Portuguesa. Na primeira partida em São Paulo, o Imortal fez o que pode jogando 60 minutos com um homem a menos, mas perdeu por 2 a 0. Precisando devolver o placar no Olímpico, o Grêmio abriu o placar na segunda partida logo com três minutos, com Paulo Nunes. O tempo passava e nada do outro gol sair, até que o predestinado Aílton saiu do banco de reservas para marcar o gol do título a seis minutos do fim. Festa em Porto Alegre, Grêmio bicampeão brasileiro.


Foto Edison Vara/Placar

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

Botafogo Campeão Brasileiro 1995

Poucas coisas mudaram no futebol brasileiro de 1994 para 1995. Mas houve uma mudança significativa: as vitórias deixavam de valer dois pontos e passavam a valer três. A regra entrou em vigor no Brasileirão daquele ano, que manteve o número de 24 equipes. Entre elas, uma entrou na competição sem muito alarde, mas foi crescendo aos poucos, se tornou favorita e faturou o título após 27 anos sem uma conquista nacional. Era o Botafogo de Túlio e Donizete.
O regulamento do Campeonato Brasileiro de 1995 dividiu os participantes em dois grupos na disputa de dois turnos. No primeiro turno, os jogos foram dentro de cada grupo. No segundo turno, os grupos se cruzaram. As vagas para a semifinal ficaram destinadas aos líderes de cada grupo em cada turno. O Alvinegro ficou no grupo 1, e começou o torneio de maneira tímida, encerrando o turno apenas na quinta posição, com cinco vitórias, três empates e três derrotas em 11 jogos, marcando 18 pontos, sete a menos que o classificado Cruzeiro. As coisas no Fogão começaram a andar mesmo no returno, quando em 12 partidas conseguiu oito vitórias, três empates e uma derrota, conseguindo assim a liderança do grupo com 27 pontos e uma vaga na semifinal. Do outro grupo, Fluminense e Santos foram os classificados. Os times se mantiveram nos grupos para a formação do mata-mata. Enquanto Santos e Fluminense faziam dois jogaços (4 a 1 ao Fluminense na ida e 5 a 2 ao Santos na volta), o Botafogo enfrentava o Cruzeiro. Depois de conseguir empatar em 1 a 1 no Mineirão, o Alvinegro segurou um 0 a 0 no Maracanã, garantindo a vaga na final por ter melhor campanha geral.
A final foi contra o Santos, relembrando os confrontos da década de 1960. O Botafogo faz a primeira partida no Maracanã, e obtém vantagem de 2 a 1 no confronto. A segunda partida foi no Pacaembu, e é cercada de polêmicas até hoje, por causa da arbitragem. Os dois gols do jogo foram irregulares. O Botafogo abriu o placar em impedimento não marcado, e o Santos empatou com toque de mão não visto. De quebra, o time paulista teve um gol mal anulado no segundo tempo. No fim, o jogo terminou em 1 a 1, e o título ficou com o Fogão bicampeão, premiando o faro artilheiro e consolidando a idolatria de Túlio Maravilha no Glorioso.


Foto Alexandre Battibugli/Placar

terça-feira, 26 de dezembro de 2017

Palmeiras Campeão Brasileiro 1994

O Brasileirão desinchou para o ano de 1994, e contou com a participação de 24 equipes. O timaço que o Palmeiras formou na época seguiu forte, e se credenciou para vencer o campeonato pela oitava vez. A competição foi dividida em três fases e uma repescagem paralela, de onde saíram os dois rebaixados daquele ano. Na primeira fase, os 24 times foram divididos em quatro grupos, com jogos dentro de cada grupo, em dois turnos. Classificaram para a fase seguinte os quatro primeiros de cada grupo, sendo que os líderes ganhavam na segunda fase um ponto extra. Os dois últimos colocados de cada grupo foram para a repescagem.
O Alviverde foi sorteado para o grupo 4, e foi quase perfeito. Em dez jogos, foram nove vitórias e um empate, e a liderança folgada com 19 pontos, dez a mais que o vice Fluminense. Tranquilo, o Palmeiras foi para a segunda fase com o seu ponto de bonificação. Lá, os 16 classificados foram divididos em dois grupos com dois turnos, sendo no primeiro os jogos dentro das chaves, e no segundo um grupo enfrentando outro. As vagas para o mata-mata foram para os vencedores de cada turno em cada grupo, além dos dois mais bem colocados no geral. O Verdão ficou no grupo 2, e conseguiu sua classificação já no turno, após ter quatro vitórias, dois empates e uma derrota em sete partidas, marcando 11 pontos. No returno, o Palmeiras puxou o freio de mão, fazendo duas vitórias, dois empates e quatro derrotas, terminando na sétima posição com seis pontos, sete a menos que o líder e também classificado Botafogo. Do outro grupo, avançaram Corinthians e Guarani como líderes. São Paulo e Bahia obtiveram suas vagas pelo índice técnico. E Bragantino e Atlético-MG foram campeão e vice da repescagem, em um grupo de oito com jogos em dois turnos. O mata-mata foi formado, e o Alviverde enfrentou o Bahia nas quartas de final. Na Fonte Nova, o Palmeiras abriu vantagem de 2 a 1, e no Pacaembu o resultado se repetiu. Na semifinal, o confronto foi contra o Guarani. Em São Paulo, o Palmeiras frustou os planos campineiros com a vitória por 3 a 1. E no Brinco de Ouro, o 2 a 1 palmeirense proporcionou na final o Derby Paulista.
Os dois jogos da final entre Palmeiras e Corinthians foram no Pacaembu, com o time verde tendo vantagem de jogar por saldo de gols igual, porque teve melhor campanha. Mas nem foi necessária essa muleta do regulamento, pois o Verdão abriu 3 a 1 já no primeiro jogo. No segundo jogo, o Corinthians até tentou estragar a festa marcando o gol primeiro, mas o Palmeiras empatou no finalzinho, gol de Rivaldo. Assim, o Alviverde somou o oitavo título nacional a sua galeria.


Foto Arquivo/Placar

segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

Palmeiras Campeão Brasileiro 1993

Após quatro anos de edições bem definidas do Brasileiro, em 1993 a competição inchou. Do ano anterior, nenhum clube foi rebaixado e 12 conseguiram o acesso. Assim, os participantes pularam de 20 para 32. O regulamento do Campeonato Brasileiro foi um tanto injusto. As 32 equipes foram divididas em quatro grupos. Nos grupos 1 e 2 ficaram os times mais fortes e tradicionais, se classificando os três primeiros lugares, e sem rebaixamento. Já nos grupos 3 e 4 ficaram os times de menos tradição, e haviam duas vagas para os líderes irem a uma repescagem, enquanto quatro seriam rebaixadas por grupo. Nas quatro linhas, após quebrar um tabu de 17 anos sem títulos no estadual, o Palmeiras entrou como um dos principais favoritos para faturar a competição nacional.
Os times na primeira fase se enfrentavam em dois turnos dentro do próprio grupo. O Verdão ficou no grupo 2 e, ao final de 14 jogos, terminou classificado na liderança com dez vitórias, dois empates e duas derrotas. Com 22 pontos, ficou dois a frente do vice Santos e quatro a frente do terceiro lugar Guarani. Seis times avançaram dos grupos 1 e 2. Dos quatro classificados dos grupo 3 e 4, duas sobreviveram a repescagem. Essas oito equipes foram divididas em dois grupos na segunda fase. O Alviverde ficou no grupo 2, contra Guarani, São Paulo e Remo. Fazendo dez pontos, com quatro vitórias e dois empates, o Palmeiras se classificou para a final de maneira invicta. No outro grupo, o Vitória (vindo da repescagem) surpreendeu a todos e garantiu a outra vaga.
A máquina verde, com jogadores como Evair, Edmundo, Roberto Carlos e Zinho, enfrentou o Vitória na Fonte Nova pela partida de ida da final. Um gol solitário de Edílson garantiu a o triunfo do Palmeiras e a vantagem ainda maior no confronto. A partida de volta foi no Morumbi, e os baianos nem tiveram chance. Em 23 minutos, o Verdão sacramentou o resultado de 2 a 0, e depois deixou o tempo passar para poder comemorar, 20 anos depois, o sétimo título brasileiro.


Foto Ricardo Corrêa/Placar

Flamengo Campeão Brasileiro 1992

A última vez que o Campeonato Brasileiro ocorreu todo no primeiro semestre foi em 1992. E foi também um dos mais disputados, reunindo várias equipes em condições de vencer. O Flamengo, liderado por Júnior em seu último ano como jogador, foi o mais competente e conseguiu o quinto título nacional. Fora de campo, a CBF resolveu mexer severamente no regulamento. O rebaixamento previsto de dois times não aconteceu, ao mesmo tempo que 12 equipes foram promovidas da segunda divisão. Tudo decidido antes do início da disputa. Na parte de cima da tabela, passaram a ser oito os classificados, e o mata-mata foi transformado em dois quadrangulares semifinais.
Mesclando experiência e juventude, o Flamengo fez uma primeira fase tranquila. Em 19 rodadas, foram oito vitórias, seis empates e cinco derrotas, com 22 pontos marcados. O Rubro-negro encerrou a fase na quarta posição, com quatro pontos a menos que o líder Vasco, e ainda atrás de Botafogo e Bragantino. Corinthians, São Paulo, Cruzeiro e Santos foram os outros times classificados da primeira fase. Na segunda fase, essas oito equipes foram dividas em dois grupos, um com o 1º, 4º, 6º e 8º lugares, e outro com o 2º, 3º, 5º e 7º colocados. O Fla ficou no grupo 1, contra Vasco, São Paulo e Santos. O time flamenguista cresceu de produção, venceu três jogos, empatou um e perdeu dois. Com sete pontos, se classificou para a final, um ponto a mais que o rival e o time da capital paulista, e dois a mais que o time do litoral. No outro grupo, o Botafogo derrubou os adversários e proporcionou o clássico carioca na decisão.
Foi uma final cheia de polêmicas. O Flamengo venceu o primeiro jogo por 3 a 0 e encaminhou o título. A comemoração rubro-negra se estendeu em um churrasco na casa do atacante Gaúcho. Renato Gaúcho, do Botafogo, compareceu na festa e gerou a polêmica que resultou no seu afastamento da equipe perdedora. A outra confusão, mais triste, foi no segundo jogo, quando horas antes de começar uma grade da arquibancada do Maracanã (lotado por 122 mil pessoas) cedeu, provocando a queda de centenas de pessoas para o anel inferior, e a morte de três torcedores. Em campo, o Botafogo precisava devolver os três gols por ter melhor campanha, mas o Flamengo nem se assustou e o jogo terminou 2 a 2, coroando mais uma conquista para o Fla.


Foto Nelson Coelho/Placar

domingo, 24 de dezembro de 2017

São Paulo Campeão Brasileiro 1991

Foram dois vices seguidos, até que o time do São Paulo conseguiu o tricampeonato brasileiro em 1991. Em campo com Raí, Cafu, Zetti e Müller, e no banco com Telê Santana, o Tricolor abriu caminho para se tornar o melhor time do mundo nos dois anos seguintes. O Campeonato Brasileiro daquele foi um dos mais simples e com regulamento fácil de entender. Foram 20 times se enfrentando em grupo único, com os quatro melhores se classificando para a semifinal e os dois piores caindo para a segunda divisão. O Grêmio foi o primeiro entre os considerados grandes que sofreu com o rebaixamento.
Nas 19 rodadas da primeira fase, o Tricolor Paulista mostrou que não estava para brincadeira e disposto a superar os traumas anteriores. Foram 11 vitórias, quatro empates e quatro derrotas para a equipe, que somou 26 pontos ao todo. Terminou classificado na liderança do campeonato, com a mesma pontuação da grande surpresa caipira, o Bragantino, mas com duas vitórias a mais. Em terceiro lugar ficou o Fluminense, com 24 pontos, mesma pontuação que o quatro lugar Atlético-MG, em que o critério de vitórias também definiu a posição final. Estes quatro times foram para a semifinal, e o São Paulo enfrentou o time de Minas Gerais no confronto. No Mineirão, o Tricolor arrancou um bom empate em 1 a 1, e no Morumbi, não saiu do 0 a 0 com o Atlético-MG. Por ter campanha melhor que o adversário, o São Paulo avançou para a final contra o Bragantino, que era o queridinho do país.
A pontuação cumulativa da semifinal fez com que o Tricolor perdesse a vantagem do saldo de gols igual, pois o Bragantino tinha feito três pontos, e o São Paulo somente dois. Assim, o mando de campo também foi alterado, com o jogo de ida sendo no Morumbi. O único gol de toda a final foi marcado no primeiro jogo, por Mário Tilico, e deu a vitória por 1 a 0 ao São Paulo. Não podendo perder, o time foi até Bragança Paulista, no Marcelo Stéfani, e segurou o ímpeto do Bragantino ao manter o 0 a 0 no placar. Com o empate, a pequena torcida são-paulina no acanhado estádio fez a festa pelo tri brasileiro.


Foto Nelson Coelho/Placar

sábado, 23 de dezembro de 2017

Corinthians Campeão Brasileiro 1990

Foram muitos anos tentando e algumas batidas na trave. Mas em 1990 ninguém conseguiu tirar o título brasileiro das mãos do Corinthians, liderado por Tupãzinho, Ronaldo e Neto. O Campeonato Brasileiro passava por momentos de estabilidade fora de campo, porém nas quatro linhas, as médias de gols mais baixas foram registradas nessa época. Foram 20 times duelando pela taça naquele ano, e o regulamento foi diferente mais uma vez.
Na primeira fase, os times foram divididos em dois grupos. O Timão ficou no grupo 1 e enfrentou no primeiro turno as equipes do grupo 2. Em dez rodadas, fez seis vitórias, dois empates e duas derrotas. Marcou 14 pontos e ficou em segundo lugar, dois pontos a menos que o líder e classificado Atlético-MG. No segundo turno e enfrentando os times do próprio grupo, o desempenho teve uma queda, e o Alvinegro acabou na nona posição com duas vitórias, quatro empates e três derrotas, fazendo oito pontos e terminando com três de distância para o líder Santos, que também se classificou. Assim, foi necessário obter a classificação pelo índice técnico, pois apenas os líderes dos grupos em cada turno tinham vaga garantida. Juntando os dois grupos e as duas pontuações em uma tabela só, o Corinthians encerrou a fase em sétimo lugar, com oito vitórias, seis empates e cinco derrotas em 19 jogos. Com 22 pontos, conseguiu a última vaga pelo índice e ficou com três pontos a menos que o Grêmio, melhor campanha ao todo.
Nas quartas de final, o Timão cruzou com o segundo colocado geral, o Atlético-MG. Jogando no Pacaembu, o time corintiano venceu por 2 a 1, conseguindo a classificação no Mineirão com empate em 0 a 0. Na semifinal, o Corinthians enfrentou o Bahia, terceiro lugar e melhor índice técnico. Outra vez iniciando o confronto em casa, o Alvinegro conseguiu os mesmos resultados da fase anterior, vitória por 2 a 1 no Pacaembu e empate em 0 a 0 na Fonte Nova. A final foi contra o rival São Paulo, quarta campanha e segundo pelo índice.
O campo dos jogos de tornou neutro, o Morumbi. Como "mandante", o Corinthians conseguiu a mínima vantagem de 1 a 0 no jogo de ida, com gol de Wilson Mano. Três dias depois, como "visitante", Tupãzinho marcou o gol no começo do segundo tempo, e o Timão venceu novamente por 1 a 0, conseguindo assim o primeiro dos seus sete títulos do Brasileirão.


Foto Ricardo Corrêa/Placar

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Vasco Campeão Brasileiro 1989

O Campeonato Brasileiro só foi ganhar este nome oficialmente no ano de 1989, quando a competição colocou em prática pela primeira vez o sistema de acesso e descenso. Os quatro piores times de 1988 deram adeus à elite, e em seus lugares entraram o campeão e o vice da segunda divisão da mesma temporada. Na parte de cima da tabela, o Vasco que havia batido na trave um ano antes, chegou ao sonhado bicampeonato.
Na primeira fase do Brasileirão, as 22 equipes foram divididas em dois grupos, com os oito primeiros colocados de cada se classificando para a fase seguinte, e os três últimos sendo movidos para o torneio da morte. O Cruz-maltino ficou no grupo 2, e nos dez primeiros jogos terminou na segunda posição, com cinco vitórias, quatro empates e uma derrota, marcando 14 pontos, a mesma pontuação do líder Palmeiras. O Vasco seguiu com mais 15 times para a segunda fase, e os grupos permaneceram os mesmos com pontuação e partidas cumulativas. A única diferença é que os grupos foram cruzados. O time da Colima fez mais oito jogos e continuou com a ótima campanha, tomando a liderança do grupo e encerrando a segunda fase com oito vitórias, oito empates e duas derrotas. Com 24 pontos, o Vasco conseguiu a classificação para a final. No outro grupo, o São Paulo saiu de um sétimo lugar para a liderança.
Na final, o Vasco possuía melhor campanha, e jogava por vitória no primeiro jogo. Também poderia escolher a ordem dos mandos de campo. A confiança era tanta que o Cruz-maltino optou por jogar no Morumbi, mesmo com a possibilidade de não vencer e a vantagem inverter. São Paulo e Vasco se enfrentaram na capital paulista, e Sorato marcou no começo do segundo tempo o gol do título. Com a vitória por 1 a 0, o time de São Januário chegou ao bi e quebrou 15 anos de jejum de títulos nacionais.


Foto Silvio Porto/Placar

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

Bahia Campeão Brasileiro 1988

CBF e Clube dos 13 entraram em acordo no ano de 1988, e o Brasileirão daquele ano ocorreu de maneira mais enxuta, com 24 equipes. Copa União e Copa Brasil foram unidas em definitivo, e com um sistema de acesso e descenso recomendado pela FIFA. Os quatro piores times foram rebaixados para a segunda divisão de 1989, enquanto os dois melhores subiram para a elite. As vitórias em 1988 valiam três pontos, em caráter experimental, sete anos antes da mudança definitiva. Mas, como sempre precisa haver algo estranho, a regra maluca era a decisão por pênaltis para todo jogo empatado no campeonato. O vencedor ficava com esse terceiro ponto. Diante de tudo isso, surge o Bahia, 29 anos depois, para vencer seu segundo brasileiro, no ano da reciclagem do torneio.
Os participantes foram divididos em dois grupos e dois turnos. No primeiro turno, os grupos se cruzaram. O Bahia entrou no grupo 2, e começou bem a competição, apesar de ter ficado em terceiro lugar na primeira fase. Foram cinco vitórias, cinco empates e duas derrotas, com 23 pontos (três extras) do Tricolor de Aço, ficando com quatro a menos que o líder Vasco e um a menos que o vice Grêmio, os classificados da vez. No segundo turno, os times se enfrentaram dentro do próprio grupo, e o Bahia manteve a regularidade, fechando a segunda fase em quarto lugar, com seis vitórias, dois empates e três derrotas, marcando 21 pontos (um extra). A liderança seguiu com o Vasco, e o Cruzeiro avançou para o mata-mata em segundo. Como O Bahia tinha a melhor campanha do grupo entre os não-classificados, herdou uma das vagas do clube carioca. Dois times em cada grupo e em cada turno formaram a fase final. Quarta campanha no geral, o Tricolor enfrentou o quinto colocado, o Sport. Na Ilha do Retiro, o Bahia conseguiu empate em 1 a 1. Na Fonte Nova, outro empate em 0 a 0, que prosseguiu na prorrogação. Por ter pontuação superior, o time baiano se classificou à semifinal. O adversário seguinte foi o Fluminense, do qual o Bahia conseguiu outro 0 a 0, no Maracanã. Em Salvador, mais de 110 mil pessoas empurraram o Tricolor de Aço rumo à vitória por 2 a 1 e a classificação para a final.
Todo o mata-mata ocorreu no ano de 1989, e Bahia e Internacional decidiram o título. Na Fonte Nova, o Tricolor tomou um susto, mas virou a partida para 2 a 1 e conseguiu a vantagem. No Beira-Rio, o time liderado por Bobô, Charles e Paulo Rodrigues teve raça, segurou mais um empate sem gols e venceu o título brasileiro, o segundo da história da Bahia.


Foto Arquivo/A Tarde

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Sport Campeão Brasileiro 1987

O futebol brasileiro nunca ficou tão dividido como em 1987. A criação do Clube dos 13, e a formação de uma competição fechada com somente 16 times indignou o restante das equipes participantes do Brasileiro do ano anterior. Algumas delas tinham feito ótima campanha, mas ficaram de fora, como Guarani, America-RJ, Criciúma e Inter de Limeira. Pressionada, a CBF teve que voltar atrás na decisão de terceirizar a organização do torneio, e montou uma competição paralela com outras 16 equipes, a qual chamou de Copa Brasil (o mesmo nome de outrora). A entidade classificou a Copa União como Módulo Verde, e a Copa Brasil como Módulo Amarelo, prevendo o cruzamento de seus campeões e vices em um quadrangular para definir o campeão brasileiro. De quebra, montou os Módulos Azul e Branco, que funcionaram como uma terceira divisão (ou seletiva para a segundona de 1988). Como nem tudo é perfeito, a CBF agiu contra alguns clubes que haviam entrado no STJD pela anulação do rebaixamento de 1986 e perdido a causa. A Ponte Preta foi jogada ao Módulo Azul, o Fortaleza e o Nacional-AM pararam no Módulo Branco, e o Sergipe sequer foi convidado. A cereja no bolo foi o America-RJ, ainda indignado por ter ficado de fora da Copa União apesar do quarto lugar em 1986, que boicotou os jogos do seu módulo e ficou fora do torneio.

-------------------------------------------

Dois times "rebaixados" de 1986 foram ao STJD e venceram no tapetão: o Vitória e o Sport. A CBF incluiu ambos no grupo 2 da Copa Brasil. E o Leão da Ilha nem imaginava como acabaria a sua história. O regulamento do campeonato era idêntico ao da Copa União: dois grupos na disputa de dois turnos, o primeiro em chave cruzada e o segundo dentro de cada chave, com o líder de cada grupo em cada turno se classificando para a semifinal.
O Rubro-Negro fez uma primeira fase arrasadora. Com cinco vitórias e três empates, liderou seu grupo com 13 pontos, e a vaga na semifinal já estava assegurada. Na segunda fase, o Sport administrou bem sua situação, liderou o grupo 2 com quatro vitórias, um empate e uma derrota, marcando nove pontos. Já classificado, repassou a outra vaga na semifinal ao vice-líder do returno Bangu, que marcou um pontos a menos. No grupo 1, o Atlético-PR foi o líder do turno e o Guarani o líder do returno, cada um obtendo uma vaga. O Leão encarou o Bangu na semifinal, mas largou em desvantagem, perdendo por 3 a 2 em Moça Bonita. Na Ilha do Retiro, o Sport devolveu com juros o resultado, vencendo por 3 a 1 a avançando à final contra o Guarani. A ida foi no Brinco de Ouro, e terminou com derrota por 2 a 0. O Rubro-Negro precisou correr atrás mais uma vez, e devolveu 3 a 0 em Recife. Mas como uma regra maluca não previa desempate no saldo de gols, a decisão foi para a prorrogação, e depois pênaltis. Foram 24 cobranças, mas a coisa não desempatava. Quando chegou em 11 a 11, as duas diretorias concordaram em encerrar a final e dividir o título do Módulo Amarelo. Dias depois, o Guarani abriu mão e o Sport ficou com único campeão.
Já em 1988, estava prevista a disputa do quadrangular final entre Sport, Guarani, Flamengo e Internacional. Os dois últimos cumpriram o acordo do Clube dos 13 em não entrar em campo para cruzar os módulos. Os jogos de ambos foram considerados W.O., e pernambucanos e paulistas fizeram nova final, agora para definir o título brasileiro. Em Campinas, o Rubro-Negro arrancou empate em 1 a 1 com gol do zagueiro Betão. Na Ilha do Retiro, os torcedores do Sport viram Marco Antônio marcar de cabeça o gol da vitória por 1 a 0, e o Leão conquistar seu único título do Brasileirão. E mesmo anos depois, o time precisa defender o resultado colhido no campo, pois o caso 87 foi parar até no STF.


Foto Reprodução/Terceiro Tempo/Arquivo pessoal Marco Antônio

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Flamengo Campeão Brasileiro 1987 (Copa União)

1987. O ano que nunca terminou, e que marca uma eterna briga entre Sport e Flamengo. Tudo começou no ano anterior, quando a ideia da CBF em rebaixar 16 dos 48 times do Brasileirão não vingou, pois clubes como Botafogo e Coritiba entraram na Justiça para permanecer na elite. Desgastada, a entidade alegou falta de dinheiro para organizar a competição nacional em 1987. Com o risco de não haver Brasileirão naquele ano, os 13 principais clubes do Brasil se uniram e fundaram o Clube dos 13, entidade que seria a responsável pela recém-criada Copa União. Para fechar quórum, o C13 convidou outras três equipes para formar um torneio com 16 times. Mas, como o regulamento da Copa Brasil do ano anterior determinava que seriam 28 clubes na primeira divisão em 1987, várias equipes ficaram insatisfeitas por ficaram de fora. Pressionada e sem o comando do campeonato, a CBF toma a decisão de não concordar com a seleção dos times que iriam participar do torneio organizado pelo C13 e, inicia uma briga com ela para criar um novo formato para a competição. Então, a CBF decide fazer uma competição com 16 clubes que ficaram de fora da Copa União, imitando o regulamento da mesma, e passou a se referir as duas como módulos, determinando que os dois primeiros colocados de cada módulo disputassem um quadrangular final para definir o campeão brasileiro. Os participantes da Copa União prometeram recusar a proposta do quadrangular desde o começo, considerando que a final do torneio do C13 seria a final do Brasileiro. Flamengo e Internacional chegaram na final, cumpriram a promessa e não entraram em campo contra Sport e Guarani.

--------------------------

Sem imaginar que sua conquista seria pivô de disputas judiciais, e vindo de um vice no Carioca de 1987, o Flamengo entrou na Copa União sem ser considerado favorito, apesar do time com nomes como Renato Gaúcho, Bebeto, Leandro e o retorno de Zico. Na primeira fase da competição, os 16 times foram separados em dois grupos. O Rubro-Negro entrou no grupo 1, que nesta fase cruzou os jogos com os times do grupo 2. Nas oito partidas, o time conseguiu somente duas vitórias, três empates e três derrotas. Com sete pontos, viu o Atlético-MG somar o dobro e conseguir a classificação para a semifinal pela liderança do turno. No outro grupo, o Internacional também conseguiu a vaga antecipada.
As coisas melhoraram na segunda fase, quando os times se enfrentaram dentro do próprio grupo. O Fla conseguiu quatro vitórias, dois empates e uma derrota em sete jogos. Com dez pontos, ficou na vice-liderança no grupo. Em situação normal, a participação do Flamengo terminaria ali, mas o líder do grupo tornou a ser o Atlético-MG, com 11 pontos. O regulamento previa nesse caso que a vaga na semifinal seria repassada ao segundo colocado no returno, e o Rubro-Negro avançou. No outro grupo, o Cruzeiro liderou e completou o mata-mata. Os times classificados fizeram a semifinal mantendo a ordem dos grupos. O Fla recebeu o Atlético-MG no Maracanã no primeiro jogo, e saiu na frente do confronto com vitória por 1 a 0. No segundo jogo, o Flamengo calou o Mineirão ao vencer por 3 a 2, manteve a freguesia e conseguiu a vaga na final, contra o Internacional que derrubou o Cruzeiro.
Na final, Flamengo e Internacional se enfrentaram. No Beira-Rio, o Rubro-Negro conseguiu um bom empate em 1 a 1 na partida de ida. No Maracanã, Bebeto fez o gol do título logo no começo da partida de volta, e a vitória por 1 a 0 deu o quarto título nacional ao Flamengo.


Foto Sebastião Marinho/O Globo

domingo, 17 de dezembro de 2017

São Paulo Campeão Brasileiro 1986

O ano de 1986 foi um dos mais desorganizados do futebol brasileiro. A CBF mudou o nome da competição novamente para Copa Brasil, e transformou a segunda divisão em torneio paralelo, sem conceder título e os acessos sendo no mesmo ano. Dentro de campo, os Menudos do São Paulo se preparavam para o conquistar o segundo título do clube.
Na primeira fase, 44 times se dividiam em quatro grupos, com seis vagas por grupo e mais quatro por índice técnico. O restante dos times estariam automaticamente rebaixados. O Tricolor entrou no grupo 1 com mais dez adversários. Terminou a fase na liderança, com 17 pontos, sete vitórias e três empates. Invicto, se tornou o grande favorito na segunda fase. Os 28 classificados viraram 32 (LER TEXTO ABAIXO), e se encontraram com os quatro times vindos do torneio paralelo, e essas 36 equipes formaram mais quatro grupos. Aqui, estavam previstas a classificação de quatro times e o rebaixamento de dois times por grupo. O São Paulo seguiu no grupo 1, e ao passar de 16 rodadas, se classificou na segunda posição, com sete vitórias, sete empates e duas derrotas. Com 21 pontos, ficou a um do líder Palmeiras. Totalmente alheio ao que acontecia fora de campo (LER TEXTO ABAIXO), o São Paulo chegou nas oitavas de final, e enfrentou a Inter de Limeira. Após derrota no interior por 2 a 1, o Tricolor reverteu com 3 a 0 no Morumbi. Nas quartas, o adversário foi o Fluminense, que o São Paulo eliminou com vitória em casa por 2 a 0 e derrota fora por 2 a 1. Na semifinal, o Tricolor encontrou o America-RJ, surpresa do certame. Vitória simples no Morumbi por 1 a 0 e empate sofrido em 1 a 1 no Maracanã classificaram o São Paulo para a final contra o Guarani, já estourando em fevereiro de 1987.
O primeiro jogo foi no Morumbi, e acabou em 1 a 1. A grande emoção ficou para o Brinco de Ouro. Após 1 a 1 no tempo normal, a prorrogação registrou quatro gols. O time de Campinas vencia até os 14 minutos do segundo tempo, quando Careca empatou em 3 a 3 e levou a partida para os pênaltis. Nas cobranças, o Tricolor foi mais eficiente e venceu por 4 a 3, conquistando com muito heroísmo o seu bicampeonato brasileiro.


Foto Sérgio Brezovsky/Placar

--------------------------------

As confusões de 1986 na Justiça

O primeiro problema começou na primeira fase. O Vasco não estava entre os classificados e entrou com um processo na Justiça Comum para anular a decisão do STJD, que concedera dois pontos para o Joinville no jogo contra o Sergipe, por caso de doping. A anulação da decisão daria a vaga catarinense para o Vasco. O Joinville também entrou na Justiça para garantir o seu direito, e a CBF decidiu classificar os dois clubes, eliminando a Portuguesa, punida por também haver entrado na Justiça em outro caso. Vários clubes paulistas ameaçaram abandonar a competição em apoio a ela, o que fez com a CBF voltasse atrás em sua decisão e resolvesse classificar 33 clubes para a segunda fase. Porém, pela dificuldade em organizar a tabela da segunda fase com um número ímpar de clubes, foi decretada a promoção de mais três clubes pelo índice técnico. Assim, a segunda fase foi aumentada de 32 para 36 equipes.
A segunda confusão, ainda maior, começou na segunda fase e se estendeu para o ano seguinte. Entre os oito clubes que foram rebaixados na fase estava o Botafogo, que conseguiu pelo STJD permanecer na primeira divisão, e levou outros clubes a seguirem o mesmo caminho. Isso resultou na criação, no ano seguinte, do Clube dos 13 e da Copa União.

sábado, 16 de dezembro de 2017

Folheie a Edição dos Campeões 2017!

O ano futebolístico encerrou, e em 2017 o Brasil registrou 36 campeões entre os Estaduais, Regionais, Nacionais e Continental. Isso sem contar as divisões e copas estaduais que rolam pelo Brasil afora, mas infelizmente ainda é complicado de encontrar informações e fotografias boas para poder ser publicado aqui neste blog, que funciona como um arquivo do futebol nacional.

E se você gosta de ter a sensação de folhear os pôsteres, como na saudosa Edição dos Campeões que a Revista Placar imprimiu entre 1980 e 2016 (e que serviu de inspiração para este local), leia a versão em PDF da edição de 2017.

Confira abaixo os campeões de 2017 e depois continue acompanhando o blog. Estamos com o especial do Campeonato Brasileiro em andamento e em 2018 continuaremos documentando a história do futebol brasileiro em fotos!





Coritiba Campeão Brasileiro 1985

O Campeonato Brasileiro de 1985 teve um dos regulamentos mais confusos da época. Foram 44 participantes divididos em dois níveis, cada um com dois grupos. Nos grupos 1 e 2 ficaram as 20 melhores equipes, nos grupos 3 e 4 ficaram as outras 24 equipes. A primeira fase foi disputada em dois turnos com chave cruzada. O campeão de cada turno e as duas melhores campanhas de cada grupo se classificou, totalizando 16 classificados. Em meio a tanta confusão, o Coritiba de Índio, Lela e Rafael correu por fora, cresceu na competição e arrancou para o seu maior título na história.
O Coxa entrou no grupo 1, mas não começou bem a Taça de Ouro. No turno, ficou apenas na sétima posição, com três vitórias, um empate e seis derrotas, marcando sete pontos, oito a menos que o líder Atlético-MG. No returno, o Alviverde melhorou e conseguiu a classificação para a segunda fase na liderança, com cinco vitórias, dois empate e três derrotas. Foram 12 pontos. Na soma dos dois turnos, o time ficou em sétimo lugar no grupo, com 19 pontos. O Atlético-MG fez a melhor campanha (25 pontos), com Corinthians e Guarani (23 pontos cada) conseguindo as outras vagas pelo índice técnico. Na segunda fase, os 16 times sobreviventes foram divididos em quatro grupos. O Coritiba foi sorteado no grupo 3, ao lado de Corinthians, Sport e Joinville. Jogando em dois turnos, o Coxa conseguiu a liderança e a classificação com oito pontos, três vitórias, dois empate e uma derrota. De cada grupo, saiu um time para a formação da semifinal. O Coritiba enfrentou o Atlético-MG, enquanto na outra chave Bangu e Brasil de Pelotas surpreenderam o país. O Coxa avançou para a final com um gol logo no jogo de ida, na vitória por 1 a 0 no Couto Pereira. Na volta, segurou o 0 a 0 no Mineirão.
A grande final foi em partida única. Coritiba e Bangu estavam nela pela primeira vez. No Maracanã lotado, o Alviverde saiu na frente com um gol de Índio, mas levou o empate do time carioca ainda no primeiro tempo. O 1 a 1 persistiu no segundo tempo e na prorrogação, sendo necessário a disputa por pênaltis para decidir o campeão. Todos os jogadores acertaram as dez primeiras cobranças. Nas alternadas, o Bangu cometeu seu único erro, enquanto Gomes converteu a cobrança do título brasileiro do Coritiba, o primeiro da história do Paraná.


Foto Arquivo/Gazeta do Povo

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Fluminense Campeão Brasileiro 1984

A CBF foi saudosista no Brasileirão de 1984. O nome da competição voltou a ser Copa Brasil. E a entidade ainda chutou para escanteio alguns pontos do critério de vagas pelos estaduais e pela segunda divisão. A Juventus-SP, campeã da Série B de 1983, não conseguiu a vaga para o ano seguinte na elite. E Vasco e Grêmio entraram como convidados, pois ficaram abaixo da linha de classificação pelo Carioca e Gaúcho. Em meio a isso, não mudou o número de participantes, e o Fluminense deu continuidade à hegemonia carioca no torneio.
Na primeira fase, os 40 times foram colocados em oito grupos, e o Tricolor entrou no grupo 3. Fez uma trajetória tranquila, garantindo a segunda vaga entre as três disponíveis, com cinco vitórias, dois empates e uma derrota. Marcou 12 pontos, três a menos que o líder Santos. Os quartos colocados dessa fase fizeram a famosa repescagem, e quatro times se juntaram aos 24 classificados. Na segunda fase, as 28 equipes se separaram em sete grupos, com o Flu caindo no grupo 1, com São Paulo, Goiás e Bahia. Seis rodadas depois, o time carioca acabou na liderança com oito pontos, três vitórias, dois empates e uma derrota. De cada grupo, dois times se classificaram. Os 14 classificados mais o time de melhor aproveitamento entre os eliminados e o campeão da segunda divisão entraram na terceira fase, em quatro grupos de quatro equipes. o Fluminense encabeçou outro grupo 1, seguido por Santo André, Operário-MS e Portuguesa. Líder novamente, se classificou para as quartas de final com dez pontos, quatro vitórias e dois empates. Dois times de cada grupo formaram o mata-mata, e o Tricolor carioca enfrentou o Coritiba nas quartas. Segurou empate em 2 a 2 na ida no Couto Pereira e goleou por 5 a 0 na volta no Maracanã. Na semifinal, o rival foi o Corinthians. A categórica vitória por 2 a 0 no Morumbi cravou a revanche de 1976, quando o Flu perdeu a vaga na final os paulistas. No Rio de Janeiro, empate em 0 a 0 colocou o time na final em clássico contra o Vasco.
O Maracanã lotou nos dois jogos para ver quem seria o carioca a continuar mandando no Brasil. O gol do título do Fluminense aconteceu ainda no primeiro jogo, com Romerito. A vitória por 1 a 0 permitiu ao Tricolor segurar empate em 0 a 0 no segundo jogo, e assim faturar o seu bicampeonato brasileiro.


Foto Arquivo/Placar

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Flamengo Campeão Brasileiro 1983

O Campeonato Brasileiro atingia o seu auge no ano de 1983, quando a Taça de Ouro registrou a maior média de público da história (22.953 pessoas). O regulamento com 40 equipes na primeira divisão, com mais quatro chegando do segundo nível, parecia consolidado. Ao mesmo tempo, o Flamengo continuava com sua base vencedora, mirando a conquista do tricampeonato.
Na primeira fase, os participantes foram separados em oito grupos de cinco times, com o Rubro-Negro ficando no grupo 1. Com oito jogos disputados, o Flamengo obteve cinco vitórias, dois empates e uma derrota, terminando a fase na vice-liderança com 12 pontos, um a menos que o líder Santos. Ambos nem imaginavam o desfecho da história. Três times por grupo se classificaram para a fase seguinte, e os quartos colocados foram à repescagem em confronto único eliminatório. Na segunda fase, os 28 classificados se somaram aos times da segunda divisão e se dividiram em oito grupos. O Fla ficou no grupo 5, com Palmeiras, Americano e Tiradentes do Piauí. Jogando em dois turnos, o Rubro-negro administrou bem sua campanha, e marcou três vitórias, dois empates e uma derrota. Com oito pontos, ficou em segundo mais uma vez, a um ponto do Palmeiras. Na terceira fase, 16 times avançaram e se colocaram em mais quatro grupos, com o Flamengo caindo no grupo 4. Enfrentando Corinthians, Goiás e Guarani, o Mengão repetiu a sequência da fase anterior, mas dessa vez ficando na liderança, deixando na vice o Goiás. Oito equipes seguiram para a fase final, em mata-mata. O Flamengo enfrentou na quartas de final o Vasco. Em dois clássicos disputados, o Rubro-negro venceu a ida por 2 a 1 e empatou a volta em 1 a 1, eliminando o seu rival. Na semifinal, o adversário foi o Atlético-PR, e o Fla conseguiu bela vantagem no Maracanã, vencendo por 3 a 0. O time paranaense até tentou estragar tudo, mas o Flamengo suportou a derrota por 2 a 0 no Couto Pereira. A final teve o reencontro com o Santos, a pedra no sapato da primeira fase.
Já de melhor campanha, o Flamengo foi até o Morumbi e voltou de lá com derrota por 2 a 1. O Maracanã registrou o maior público da história do Brasileirão no jogo da volta. Mais de 155 mil torcedores viram Zico fazer o gol mais rápido em finais nacionais, em 40 segundos. A igualdade no saldo de gols já servia ao Rubro-Negro, mas Leandro e Adílio ampliaram o placar final para 3 a 0. Um gol para título brasileiro do Flamengo, o novo tricampeão.


Foto Arquivo/Placar

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Flamengo Campeão Brasileiro 1982

Depois de ganhar a América do Sul e o Mundo, o Flamengo voltou suas forças para reconquistar o Brasil em 1982. A Taça de Ouro daquele ano estabilizou o número de participantes, mas sofreu alterações no regulamento. Na primeira fase, os times passaram a ser divididos em oito grupos, com os três primeiros de casa se classificando, e os quarto lugares indo para uma repescagem. Os quatro times da Taça de Prata subindo no mesmo ano foram mantidos. O Corinthians foi o time da vez a experimentar o gosto da segunda divisão.
O Rubro-negro entrou no grupo 3, com Ferroviário do Ceará, Náutico, São Paulo e Treze da Paraíba. Ao final de oito jogos, o Flamengo conseguiu a liderança com sete vitórias, um empate, 15 pontos e uma larga vantagem sobre o vice São Paulo. Antes da segunda fase, os oito times da repescagem fizeram quatro confrontos, com os vencedores avançando. Finalmente, os 24 classificados, os quatro repescados e os quatro do acesso se dividiram em outros oito grupos. o Fla ficou no grupo 3, junto com Atlético-MG, Corinthians e Internacional. Com jogos cascudos, o Rubro-negro passou algumas dificuldades, mas conseguiu se classificar na segunda posição com três vitórias, dois empates e uma derrota. Marcou oito pontos, ficando um atrás do Corinthians. Dois times de cada grupo formaram o mata-mata com 16 classificados. O Flamengo enfrentou nas oitavas de final o Sport. Com a vitória na ida por 2 a 0 em Recife, o Mengão se permitiu perder na volta no Rio de Janeiro por 2 a 1. Nas quartas de final, o confronto foi contra o Santos. E o Fla abriu mais uma vez a vantagem fora de casa, agora por 2 a 1, e segurou o jogo em casa, com empate em 1 a 1. Na semifinal, o Flamengo enfrentou o Guarani, que também sofreu a derrota em casa na ida, no Brinco de Ouro, por 2 a 1. A vaga flamenguista na final se confirmou com a vitória por 3 a 2 no Maracanã.
A final do Brasileiro de 1982 foi entre Flamengo e Grêmio. O primeiro jogo foi no Maracanã, e o Rubro-negro não conseguiu vantagem, pois teve que buscar um empate em 1 a 1 no final da partida. As coisas seguiram igualadas no Olímpico com o empate em 0 a 0. O regulamento previa a realização do terceiro jogo em caso de igualdade no saldo. Outra vez em Porto Alegre, o Flamengo precisava vencer, pois não tinha a melhor campanha. Calando 63 mil gremistas, Nunes fez o gol do título do Fla logo no começo do jogo. No tempo restante, resistiu à pressão para comemorar o bicampeonato brasileiro.


Foto Arquivo/Placar

domingo, 10 de dezembro de 2017

Grêmio Campeão Brasileiro 1981

Em seu segundo ano com o novo nome, a Taça de Ouro de 1981 contou com algo inédito: a repetição no número de participantes, com 40 times entrando no começo e outros quatro subindo da segunda divisão na mesma temporada. Já o regulamento foi levemente alterado. A terceira com 16 times em quatro grupos foi extinta, se tornando em mata-mata com oitavas de final. A classificação pelos estaduais fez a sua primeira vítima neste ano. O Palmeiras fez um péssimo Paulista em 1980 e teve de começar na Taça de Prata. Na outra ponta aparecia o Grêmio, que depois de ver o rival empilhar três taças nacionais, começava a virar a gangorra.
Na primeira fase, os 40 times formaram quatro grupos. O Tricolor ficou no grupo 2, fazendo uma campanha dentro da regularidade. Na quarta posição, fez quatro vitórias, dois empates e três derrotas. Com dez pontos, ficou quatro distante da líder Portuguesa. Sete equipes saíram classificadas dos grupos para a segunda fase. Essas 28 equipes de encontraram com as quatro que vieram da segunda divisão, formando oito grupos. O Grêmio entrou no grupo 5, com Fortaleza, Inter de Limeira e São Paulo, no que se tornou um prenúncio do desfecho do campeonato. Nessa "prévia" da final, o time paulista foi melhor, deixando o Tricolor Gaúcho na vice-liderança do grupo com quatro vitórias e duas derrotas. O time gaúcho marcou oito pontos, contra nove dos paulistas. Ambos se classificaram para o mata-mata, com outros 14 times. Nas oitavas de final, o Grêmio enfrentou o Vitória. Perdeu a ida na Fonte Nova por 2 a 1, mas devolveu 2 a 0 na volta, no Olímpico. Nas quartas de final, o adversário foi o Operário do Mato Grosso do Sul. O Tricolor venceu por 2 a 0 em Porto Alegre, e se classificou com vitórias pelo placar mínimo em Campo Grande. Na semifinal, o Grêmio encarou a Ponte Preta. O primeiro jogo foi no Moisés Lucarelli, e o Tricolor saiu vencedor por 3 a 2. O segundo jogo registrou o maior público da história do Olímpico (98 mil pessoas), mas o Grêmio perdeu por 1 a 0, se classificando para a final por ter melhor campanha.
Na final, o reencontro com o São Paulo. Em dois jogos complicados, o Grêmio mostrou raça e o nascimento do seu espírito copeiro. Na ida dentro do Olímpico, o Tricolor Gaúcho saiu perdendo, mas virou a partida com dois gols de Paulo Isidoro. Com 2 a 1 de vantagem, só precisava segurar o time paulista no Morumbi. E conseguiu vencer novamente, por 1 a 0 em golaço de Baltazar. O Grêmio conquistava seu primeiro título do Brasileirão.


Foto Arquivo/Grêmio

Flamengo Campeão Brasileiro 1980

O ano de 1980 foi de muitas mudanças no futebol brasileiro. A CBD foi desmembrada em várias entidades, uma para cada modalidade. Nasceu a CBF, que passou a organizar o futebol. Depois, os times tradicionais pressionaram a confederação a reformar o Campeonato Brasileiro, que crescia ano a ano em participantes. Dos 94 times em 1979, ficaram 40 para a nova Taça de Ouro de 1980. Por outro lado, foi ressuscitada a segunda divisão, com sistema misto de acesso. Alguns times subiam no mesmo ano, outros para o ano seguinte, e não havia rebaixamento. Também foi criada a terceira divisão. Os campeonatos estaduais começaram a servir como critério técnico para o preenchimento das vagas nas três divisões. E em meio a isso, surgiu mais uma força que dominou o futebol na década de 80: o Flamengo de Zico, Júnior, Nunes, Leandro e Adílio.
Na primeira fase da Taça de Ouro, os times foram divididos em quatro grupos. O Rubro-negro ficou no grupo 3, e começou bem o campeonato, ficando na segunda posição, com cinco vitórias, três empate e uma derrota. Com 13 pontos, fez dois a menos que o líder Santos. Sete times por grupo se classificaram. Na segunda fase, essas 28 equipes se juntaram a outras quatro oriundas da Taça de Prata, se dividindo em oito grupos. O Flamengo ficou no grupo 6, com Palmeiras, Santa Cruz e Bangu, e não perdeu nenhum dos seis jogos. Liderou com quatro vitórias, dois empates e 10 pontos, e passou de fase ao lado do Palmeiras. Na terceira fase, 16 classificados formaram mais quatro grupos, agora com jogos em turno único. O Fla ficou no grupo 3, com Santos, Desportiva do Espírito Santo e Ponte Preta. Vencendo dois jogos e empatando um, o Rubro-negro se classificou para a semifinal com cinco pontos. Na semifinal, o Flamengo enfrentou o Coritiba. No primeiro jogo, no Couto Pereira, vitória do Mengão por 2 a 0. Mesmo com a classificação encaminhada, levou sustos no jogo da volta no Maracanã, mas venceu por 4 a 3 e foi à final contra o Atlético-MG, que se vingou de 1976 e eliminou o Internacional.
Tida como a maior final de Brasileirão da história, Flamengo e Atlético-MG colocaram frente a frente times históricos. No primeiro jogo, o Flamengo segurou quase tudo, mas sofreu uma derrota apertada por 1 a 0 no Mineirão. Com a melhor campanha e a vantagem de jogar por um saldo de gols zerado, bastava ao Flamengo vencer no Maracanã. Tão apertando quanto a ida, o Flamengo ficava na frente do placar, e o Atlético-MG empatava. Isso aconteceu duas vezes, até que na terceira Nunes fez o gol da vitória por 3 a 2 e do primeiro título brasileiro do Flamengo.


Foto Arquivo/Flamengo

sábado, 9 de dezembro de 2017

Internacional Campeão Brasileiro 1979

O ápice da bizarrice foi o número de times participantes do Brasileiro de 1979. A CBD, em seu último ano de atividade, colocou 94 equipes para participar da Copa Brasil. Foi tanta desorganização que Corinthians, Portuguesa, Santos e São Paulo desistiram antes do começo. Alheio aos fatos, o Internacional renovava sua geração vencedora na década de 70 e premiava seu torcedor com mais uma taça.
Na primeira fase do torneio, 80 times foram divididos em dez grupos. O Inter ficou no grupo 7, e ao final de nove rodada terminou a fase na liderança, com seis vitórias e três empates. Com 15 pontos, se classificou com outros sete times. Na segunda fase, 44 times se juntaram a mais 12 de São Paulo e Rio de Janeiro, e se dividiram em oito grupos. O Colorado entrou no grupo 3, e ficou mais uma fase sem perder. Com quatro vitórias e três empates, o Internacional liderou o grupo com 11 pontos, um a mais que o vice Atlético-PR. Ambos avançaram, junto com outros 12 times. Na terceira fase, os 14 classificados se juntaram a Guarani e Palmeiras, os finalistas do ano anterior, e se dividiram em quatro grupos. O Inter ficou no grupo 3. Em três rodadas, venceu Goiás, Cruzeiro e Atlético-MG (por W.O.) e conseguiu a classificação para a semifinal com seis pontos. Coritiba, Palmeiras e Vasco foram os outros sobreviventes da maratona. Na semifinal, o Colorado enfrentou o Palmeiras, reeditando o confronto de 1978. A sorte mudou lado com a vitória colorada no Morumbi por 3 a 2. No Beira-Rio, o Inter confirmou a vaga na final com empate em 1 a 1.
A final foi disputada contra o Vasco. Com justiça, dois times invictos chegaram no último confronto, e só um continuaria com esse status. O jogo de ida foi no Maracanã, e o Internacional tratou de escrever a história para seu lado com a vitória por 2 a 0. No Beira-Rio, outra vitória por 2 a 1 confirmou o terceiro título para os gaúchos. O último que conseguiu a façanha sem perder nenhuma partida.


Foto Arquivo/Placar

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Guarani Campeão Brasileiro 1978

O Brasileirão continuou cada vez mais inchado. A edição de 1978 da Copa Brasil contou com a participação de 74 times, e elas viram de perto despontar uma surpresa do interior paulista. O Guarani de Campinas, que revelou o atacante Careca, foi o primeiro clube do interior de um estado a vencer um título nacional. Na primeira fase, os clubes formaram seis grupos com jogos em turno único, classificando para a segunda fase os seis primeiros de cada grupo. Os restantes foram para a repescagem. E aquela já famosa regra do ponto extra foi alterada, sendo concedido para vitórias por mais de três gols de diferença.
O Bugre começou o torneio no grupo 4, e até então sua campanha foi mediana. Em quinto lugar, fez cinco vitórias, quatro empates e duas derrotas, marcando 16 pontos (dois extras). Ficou seis distante do líder Vasco. Na segunda fase, 36 times se juntaram em quatro grupos, com vagas para os seis primeiros lugares e o melhor pontuador entre os eliminados. O rendimento bugrino seguiu o mesmo, e o time avançou na quarta posição do grupo 4, com três vitórias, três empate e duas derrotas, fazendo 11 pontos (dois extras) e terminando três pontos atrás do novamente líder Vasco. Na repescagem, 38 times se dividiram em quatro grupos, com o líder de cada e o melhor pontuador entre os outros se classificando. Na terceira fase, 32 times se dividiram em quatro grupos, com vagas para os dois primeiros de cada. Foi aqui que o Guarani começou a mostrar sua verdadeira força, liderando o grupo 1 com seis vitórias e um empate. Com 15 pontos (dois extras), ficou dois a frente do vice Internacional. Oito times restantes fizeram o mata-mata. Nas quartas de final, o Bugre enfrentou o Sport. Na Ilha do Retiro, o Guarani já encaminhou a classificação vencendo por 2 a 0. No Brinco de Ouro, mais 4 a 0 colocaram o time na semifinal. Na semifinal, o reencontro com o Vasco foi feliz para os campineiros. Vitória por 2 a 0 em Campinas e por 2 a 1 no Rio de Janeiro colocaram o Guarani na final história contra o Palmeiras.
O primeiro encontro entre os verdes foi no Morumbi. E o Bugre voltou da capital com a vitória na mão por 1 a 0, gol de Zenon. Na volta, o Brinco de Ouro lotou para ver Careca marcar o único gol do jogo, e do título brasileiro do Guarani.


Foto Rodolpho Machado/Placar

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

São Paulo Campeão Brasileiro 1977

Para o ano de 1977, a Copa Brasil manteve todas as regras dos anos anteriores. O mesmo não aconteceu com o número de time, que subiu para 62. No meio de tanto clube, o São Paulo se credenciou para conquistar o seu primeiro título brasileiro. Na primeira fase, os participantes foram divididos em seis grupos, e o Tricolor ficou no no grupo 2. Em turno único e jogando dentro de cada grupo, o São Paulo se classificou na vice-liderança, atrás do Palmeiras. Foram seis vitórias, dois empates e uma derrota, marcando 18 pontos (quatro extras). Para a fase seguinte, avançaram os cinco primeiros de cada grupo. Os demais foram para a repescagem.
Na segunda fase, os trinta clubes foram divididos em seis grupos de cinco. O Tricolor Paulista entrou no grupo 2, e ao final das quatro rodadas, conseguiu outro segundo lugar. Foram duas vitórias, um empate e uma derrota, obtendo sete pontos (dois extras). Ficou dois pontos atrás do Corinthians e e dois na frente do America-RJ, o outro classificado. De cada grupo, passaram três times. Na repescagem, 32 times se dividiram em seis grupos, com o líder de cada se classificando. Na terceira fase, 24 clubes foram divididos em quatro grupos. O São Paulo ficou no grupo 3, e manteve uma boa regularidade. Com quatro vitórias e uma derrotas, conseguiu a única vaga do grupo para a semifinal. O time marcou 11 pontos (três extras), ficando quatro à frente do vice-líder Grêmio. Nos outros grupos, Londrina, Atlético-MG e Operário de Campo Grande conseguiram as vagas restantes. O Tricolor enfrentou na semifinal a surpresa que veio do (ainda) Mato Grosso. No primeiro jogo, abriu vantagem com vitória por 3 a 0. Na volta, o Operário assustou, mas o São Paulo só perdeu por 1 a 0. No outro lado, o Atlético-MG despachou a surpresa paranaense, o Londrina.
Em março de 1978, a falta de calendário obrigou a grande final ser em partida única. E o São Paulo teve de viajar até Belo Horizonte, pois o time mineiro tinha melhor campanha. O Atlético-MG estava invicto, e assim terminou a Copa Brasil. O Tricolor segurou o empate em 0 a 0 no Mineirão, e pela primeira vez um Brasileirão foi decidido nos pênaltis. Nas cobranças, Waldir Peres brilhou defendendo três cobranças, o São Paulo venceu por 3 a 2 e comemorou seu primeiro título brasileiro.


Foto Arquivo/Placar

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Internacional Campeão Brasileiro 1976

A Copa Brasil de 1976 sofreu mais um aumento no número de times, passando a contar com 54 equipes. Outras coisas não mudaram, como o ponto extra para vitória por mais de dois gols de diferença, e o Internacional chegando forte rumo ao título. Na primeira fase, os times foram divididos em seis grupos, se classificando para a segunda fase os quatro primeiros de cada grupo, e os cinco restantes se movendo para a repescagem.
O Inter jogou no grupo 1 e liderou a fase inicial com folgas. Foram sete vitórias e uma derrota, somando 20 pontos ao todo (seis extras). Ao seu lado, Grêmio, Santos e Palmeiras avançaram. Na segunda fase, 24 times se dividiram em quatro grupos. O Colorado ficou no grupo 1, e manteve a tranquilidade, com uma classificação invicta. Quatro vitórias e um empate somaram 13 pontos (quatro extras). Das seis equipes do grupo, Botafogo-SP e Fluminense avançaram também. Na repescagem, 30 times se dividiram em seis grupos, e o líder de cada um se classificou. Na terceira fase, 18 times se separaram em mais dois grupos, e o Internacional se colocou no grupo 1 mais uma vez. Ao final das oito rodadas, o Inter conseguiu a vaga em outra liderança, com seis vitórias e duas derrotas. Empatado em 12 pontos com o Corinthians, os pontos extras deixaram o time gaúcho em primeiro (5 a 2). Do outro grupo, Fluminense e Atlético-MG completaram a semifinal. Repetindo a fórmula da partida única do ano anterior, o Colorado recebeu o time mineiro no Beira-Rio. Favorito, o Internacional venceu por 2 a 1, de virada. No outro confronto, o Corinthians protagonizou a invasão do Maracanã, e eliminou o Fluminense nos pênaltis.
Na grande final, Porto Alegre foi o palco mais uma vez. Na arquibancada, o Inter evitou uma nova entrada em massa de torcedores paulistas. Dentro de campo, o Corinthians tinha o peso de 22 anos sem títulos e o Internacional vinha de um octacampeonato gaúcho. Isso acabou fazendo a diferença, e o Inter chegou ao bicampeonato brasileiro com uma vitória por 2 a 0.


Foto Arquivo/Internacional

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Internacional Campeão Brasileiro 1975

O Brasileiro de 1975 passou por mais uma mudança de nome. Saiu o Campeonato Nacional, entrou a Copa Brasil. Em relação aos dois anos anteriores, o torneio ganhou mais dois times, somando 42. E nesta temporada, o Brasil viu surgir para a história mais um esquadrão, o Internacional de Manga, Figueroa, Carpegiani, Falcão e Valdomiro. Fora de campo, a regra maluca da vez era a adição de um ponto extra aos times que vencessem por mais de dois gols de diferença.
Na primeira fase, os 42 times foram divididos em quatro grupos. O Inter entrou no grupo D, com mais dez adversários. Jogando em chave cruzada com o grupo C, o Colorado liderou com oito vitórias, dois empates e uma derrota. Fez 23 pontos, sendo cinco vindos da regra do ponto extra. De cada grupo, se classificaram cinco equipes. As restantes foram para uma repescagem. Na segunda fase, os 20 times foram divididos em mais dois grupos, e o Internacional ficou no grupo B. Agora com jogos dentro do próprio grupo, foi líder mais uma vez, com cinco vitórias, quatro empates e uma derrota. O Santa Cruz fez uma campanha igual. Mas os pontos extras fizeram a diferença. Foram cinco do Inter e só dois dos pernambucanos. No total, 19 aos colorados. Com ambos, avançaram mais quatro equipes do grupo. Na repescagem, 22 times se dividiram em quatro grupos, e o líder de cada um se classificou. Na terceira fase, os 16 times se dividiram em outros dois grupos. O Inter ficou no grupo B novamente, mas dessa vez perdeu na briga para o Santa Cruz. Se classificou na vice-liderança, com quatro vitórias, dois empates e uma derrota. Foram 12 pontos (dois extras). Na semifinal, o Colorado foi obrigado a jogar a partida única fora de casa. No Maracanã, contra o Fluminense, o Internacional mostrou sua regularidade e calou 97 mil torcedores com a vitória por 2 a 0. Na outra chave, o Cruzeiro eliminou o Santa Cruz também com vitória fora.
A melhor campanha colorada ao longo do campeonato premiou o time com o mando de jogo da final única no Beira-Rio. Internacional e Cruzeiro fizeram um jogo tenso. Mas que culminou no título do Inter. Figueroa marcou de cabeça o "Gol Iluminado" do título. Ele estava posicionado no único ponto do gramado com a luz do sol. Internacional campeão brasileiro.


Foto Arquivo/Zero Hora

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Vasco Campeão Brasileiro 1974

Apenas 20 dias depois do término do Brasileiro de 1973, iniciou a disputa do Brasileiro de 1974. O número de participantes no Campeonato Nacional se manteve em 40 equipes. Tudo acabou concentrado somente uma divisão com dois grupos de 20, mas com um critério de desempate maluco: a maior média de público nos jogos em casa entre os times que terminassem para baixo da 10ª posição de cada grupo. Junto, se classificavam os dez primeiros de cada grupo, mais as duas melhores campanhas fora da classificação independente do grupo. O Vasco, com Roberto Dinamite surgindo com seus gols, ficou no grupo A.
No final da primeira fase, o time da Colina encerrou as 19 rodada na sétima posição do grupo, com sete vitórias, oito empate e quatro derrotas. Com 22 pontos, ficou oito atrás do líder Grêmio. Os 24 times classificados para a segunda fase acabaram divididos em quatro grupos. O Vasco ficou no grupo 2, com outros cinco times. Em turno único, o Vasco ficou invicto e eliminou Vitória, Atlético-MG, Corinthians, Nacional-AM e Operário de Campo Grande. Foram três vitórias e dois empate, somando oito pontos. O Vasco avançou para o quadrangular final com Cruzeiro, Internacional e Santos. Na primeira rodada das finais, o Vasco superou por 2 a 1 o Santos no Maracanã, enquanto Internacional e Cruzeiro só empataram. Na segunda rodada, empate vascaíno no Mineirão, e vitória do Santos sobre os gaúchos. Na última rodada, o Vasco cedeu empate ao Internacional em casa, e viu o Cruzeiro empatar em pontos com a vitória sobre o time paulista.
Cruzeiro e Vasco ficaram empatados em primeiro lugar com quatro pontos. Nesse caso, o regulamento previa um jogo extra entre eles em Belo Horizonte, em função da melhor campanha do Cruzeiro em todo o campeonato. Mas o time carioca foi à Justiça, alegando uma agressão cruzeirense ao árbitro na segunda rodada. Com isso, o mando do jogo foi invertido, e no Maracanã, o Vasco venceu na raça por 2 a 1, assim celebrando seu primeiro título brasileiro.


Foto Arquivo/Placar

domingo, 3 de dezembro de 2017

Palmeiras Campeão Brasileiro 1973

O Campeonato Nacional de Clubes teve a sua terceira edição em 1973. A política de convites da CBD aboliu a segunda divisão e inchou a disputa com 40 clubes de 20 estados. Ainda, os regulamentos começaram a ficar mais complexos. A primeira fase contou com dois turnos, sendo o primeiro disputado em dois grupos de 20 clubes, e o segundo em quatro grupos de dez. Ao final, classificavam os 20 primeiros colocados no geral. A segunda fase foi jogada em turno único e dois grupos com dez clubes, classificando para o quadrangular final os dois primeiros de cada grupo. Dentro de campo, a Academia do Palmeiras teve poucas mudanças, e continuou dominando.
Na primeira fase, o Alviverde passou precisou de 28 rodadas (19 do turno e nove do returno) para ficar em primeiro entre as 40 equipes. Com 18 vitórias, sete empate e três derrotas, somou 43 pontos, três a mais que o vice-líder Grêmio, e 14 a mais que o último classificado, o Atlético-MG. Na segunda fase, o Verdão foi colocado no grupo 1, e passou invicto no final das nove rodadas. Com cinco vitórias e quatro empates, fez 14 pontos e avançou junto com o Internacional para o quadrangular final. Do outro grupo, passaram São Paulo e Cruzeiro.
Já em fevereiro de 1974, o quadrangular final foi jogado em turno único. O Palmeiras estreou com vitória por 1 a 0 sobre o Cruzeiro no Mineirão. No outro jogo, o São Paulo fez 4 a 1 no Internacional. Na segunda rodada, o Alviverde eliminou o time gaúcho com vitória por 2 a 1 no Morumbi. E acabou beneficiado com a vitória do Cruzeiro sobre o São Paulo. Na última rodada, o Cruzeiro precisava golear por quatro gols o Internacional e torcer para o São Paulo ganhar por apenas um gol do Palmeiras. Já o time paulista tinha que vencer o Palmeiras e torcer contra o time mineiro. O Cruzeiro perdeu por 1 a 0. Mas, para o Verdão bastava o empate. Dependendo apenas de si, segurou o 0 a 0 no clássico no Morumbi, e comemorou o sexto título brasileiro.


Foto Arquivo/Placar

sábado, 2 de dezembro de 2017

Palmeiras Campeão Brasileiro 1972

O processo de inchaço do Campeonato Nacional continuou a crescer o número de equipes. Em 1972, os participantes aumentaram para 26, seis a mais que no ano anterior. Na política que o Brasil vivia na época, a grande preocupação da CBD era em contemplar o maior número possível de estados e regiões. Essas 26 equipes se enfrentaram em 25 rodadas, mas foram divididas em quatro grupos com seis e sete times casa. Dono de quatro taças até então, o Palmeiras ficou no grupo B ímpar.
Ao final da fase, o Verdão terminou na liderança e com a melhor campanha, fazendo 36 pontos, com 14 vitórias, oito empates e três derrotas. Desse grupo, também avançaram Coritiba, Cruzeiro e Flamengo. Com um calendário apertadíssimo, a segunda fase foi curta. Os 16 classificados foram divididos em quatro grupos, se enfrentando em apenas três rodadas. No grupo 2 com São Paulo, Coritiba e America-RJ, o Alviverde estreou perdendo por 2 a 0 no clássico paulista, mas se recuperando com vitórias por 3 a 1 sobre o America-RJ e 3 a 0 sobre o Coritiba. Esses gols ajudaram o Palmeiras a superar o São Paulo e se classificar para a semifinal no número de gols pró (6 a 4), pois ambos fizeram quatro pontos no grupo. Ainda com a melhor campanha, o Palmeiras recebeu o Internacional no Pacaembu na partida única da semifinal. Saiu perdendo, mas buscou o empate em 1 a 1 que lhe classificava para a final. Na outra chave, o Botafogo derrotou o Corinthians.
A grande final foi um jogo único a dois dias do Natal de 1972. No Morumbi, o Palmeiras recebeu o Botafogo jogando outra vez por empate. O time carioca precisava de gols, mas a bola não quis entrar em nenhuma rede. Com 0 a 0 no placar, o Palmeiras comemorou o primeiro título no Campeonato Nacional, e o seu quinto título brasileiro.


Foto Arquivo/Palmeiras

Atlético-MG Campeão Brasileiro 1971

Em 1971, o futebol brasileiro passou por nova mudança. Motivada pelo tri na Copa do Mundo, CBD pôs fim ao Robertão, e colocou em prática a primeira edição do Campeonato Nacional de Clubes. Esta nova competição tinha o plano de englobar mais equipes de mais regiões do Brasil. No começo, foram acrescidos três times aos 17 participantes da Taça de Prata do ano anterior, somando também mais um estado. Ainda, houve a criação pela primeira vez de uma segunda divisão, mas que na prática funcionava como um torneio paralelo, pois não concedia acesso ao campeão nem ao vice.

-------------------------------

Com 20 participantes, o Campeonato Brasileiro de 1971 promoveu algumas mudanças no regulamento. Os times jogaram todos contra todos em turno único, mas foram divididos em duas chaves de dez clubes cada. Os seis primeiros colocados de cada chave se classificavam para a segunda fase. Os doze classificados foram divididos em três grupos, jogando em dois turnos, classificando-se para o triangular final o primeiro lugar de cada. O Atlético-MG ficou destinado ao grupo B, e estreou com empate em clássico contra o América-MG. Ao final das 19 rodadas, se classificou na segunda posição com sete vitórias, nove empates e três derrotas. Fez os mesmos 23 pontos que o líder Grêmio, e avançou também com America-RJ, Santos, Botafogo e São Paulo.
Na segunda fase, o Galo ficou em grupo com Internacional, Santos e Vasco. Em jogos equilibrados, a classificação foi sofrida. Na última rodada, perdeu para o Internacional no Mineirão, deixando ambos com sete pontos. Sorte alvinegra que o jogo do turno no Beira-Rio foi 4 a 1 para o Atlético, deixando o saldo de gols final em quatro para o time mineiro e zero para o time gaúcho.
No triangular final, chegaram Atlético-MG, São Paulo e Botafogo. O primeiro jogo foi entre mineiros e paulistas. Acabou 1 a 0 para o Alvinegro no Mineirão. O jogo seguinte foi 4 a 1 para o São Paulo sobre o Botafogo. Assim, o Galo precisava vencer no jogo final para ser campeão. No Maracanã, Botafogo e Atlético-MG se enfrentaram. O time fluminense deveria vencer por cinco gols de diferença para comemorar o título. Já os paulistas torceram de fora para que eles vencessem por menor diferença. Mas não adiantou. Dario Maravilha marcou de cabeça o gol da vitória por 1 a 0, e do título atleticano do Brasileirão.


Foto Arquivo/Placar

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Grêmio Campeão da Libertadores 2017

A América está pintada de azul, preto e branco pela terceira vez. O Grêmio conquistou a Libertadores de 2017 jogando um futebol de alto nível do começo ao fim. No grupo 8, enfrentou o Zamora da Venezuela, Deportes Iquique do Chile e Guaraní do Paraguai. Ficou em primeiro, com quatro vitórias, um empate e uma derrota. Nas oitavas de final, eliminou o Godoy Cruz da Argentina com duas vitórias (1x0 e 2x1). Nas quartas, passou pelo Botafogo com empate fora em 0x0 e vitória em casa por 1x0. Na semifinal, passou pelo Barcelona do Equador com grande vitória por 3x0 em Guayaquil e uma derrota por 1x0 aceitável em Porto Alegre. Na final contra o Lanús, venceu por 1x0 na Arena do Grêmio e por 2x1 em La Fortaleza de Buenos Aires. Assim, o Tricolor repete o feito de 1983 e de 1995.


Foto Juan Mabromata/AFP

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Fluminense Campeão Brasileiro 1970

No ano do tricampeonato mundial, o Brasileirão teve sua última temporada como Robertão, antes de se tornar de fato o Campeonato Brasileiro. Com o mesmo regulamento das edições anteriores, 17 equipes lutaram pelo título, para se tornar o melhor time no país da melhor seleção do mundo. O Fluminense, ainda com pouca afinidade com as finais nacionais, montou um time competitivo e chegou lá pela primeira vez.
Na primeira fase, o Flu ficou destinado ao grupo B, de nove times. No enfrentamento de 16 rodada, disputou ponto a ponto a vaga com Cruzeiro, Flamengo e Internacional. Ficou na segunda posição, um ponto a menos que o time mineiro, e com um gol a mais de saldo (10 a 9) que os outros rivais. Foram oito vitórias, quatro empates e quatro derrotas. No grupo A, os classificados foram Palmeiras e Atlético-MG.
O quadrangular final foi jogado em um semana. Na primeira rodada, o Tricolor lotou o Maracanã e venceu o Palmeiras por 1 a 0. Começou liderando, pois Cruzeiro e Atlético-MG só empataram o outro jogo. Na rodada seguinte, o Fluminense foi ao Mineirão e conseguiu fazer 1 a 0 no Cruzeiro, encaminhando a conquista. O Palmeiras se apresentou como candidato ao bater por 3 a 0 o Atlético-MG. Flu, Palmeiras e Atlético entraram com chances na rodada final. O time paulista fez a sua parte, vencendo o Cruzeiro por 4 a 2. Mas o Fluminense jogava pelo empate, e segurou o 1 a 1 com o Atlético-MG no Maracanã. Assim, o Tricolor Carioca venceu o título brasileiro de 1970.


Foto Arquivo/Placar

Palmeiras Campeão Brasileiro 1969

O ano de 1969 marcou em definitivo o Torneio Roberto Gomes Pedrosa como principal competição do país. Com a extinção da Taça Brasil, a Taça de Prata (nome oficial), passou a ser a única competição nacional de clubes de futebol que concedia o título de campeão brasileiro. Esta edição, assim como a anterior, indicaria os representantes da CBD na Taça Libertadores da América. Sete estados colocaram 17 times na competição, divididos em dois grupos, com oito e nove equipes.
Campeão de 1967, o Palmeiras entrou como um dos favoritos do torneio. Mas, dentro do grupo B, encontrou certas dificuldades. Com uma diferença de apenas cinco pontos entre o primeiro e o oitavo colocado, o Alviverde ficou na liderança, com nove vitórias, um empate e seis derrotas. Em segundo lugar, ficou o Botafogo. No grupo A as coisas foram mais tranquilas, com Corinthians e Cruzeiro se classificando com campanha melhor.
Com as coisas zeradas no quadrangular final, o equilíbrio reinou nas três rodadas decisivas. Na primeira, o Palmeiras ficou no 0 a 0 com o Corinthians, em São Paulo, enquanto Botafogo e Cruzeiro fizeram 2 a 2. Na segunda rodada, o Palmeiras voltou a falhar, mas empatou em 1 a 1 com o Cruzeiro no Mineirão. O Verdão ficou em desvantagem, pois o Corinthians venceu o Botafogo por 1 a 0. O Palmeiras não dependia só de si na rodada final. Venceu o Botafogo por 3 a 1 no Morumbi. No mesmo horário, Cruzeiro e Corinthians se enfrentavam. Esta partida precisava terminar com vitória cruzeirense por um gol de diferença. O empate e a vitória eram favoráveis ao Corinthians, e uma vitória por mais de dois gols favorecia o Cruzeiro. E a partida acabou 2 a 1 para o time mineiro. Assim, o Palmeiras comemorava seu segundo Robertão, e o tetra brasileiro.


Foto Arquivo/Estadão