Tuna Luso Campeã do Brasileiro Série C 1992

Na virada dos anos 80 até a metade da década de 90, a Série C foi disputa com intervalos de duas temporadas, devidos as constantes reorganizações que a CBF fazia na segunda divisão. As Séries B de 1989 e 1991 foram inchadas, o que cancelou a disputa da terceira divisão. Em 1993 nem houve disputa. Já em 1990 e 1992 houve a contramão, quando a segundona encolheu e a Série C pode ser organizada. A edição de 1992 teve uma fórmula parecida com as anteriores, com os times se classificando pelo desempenho nos estaduais. Eterna terceira força do futebol do Pará, a Tuna Luso já vinha com a experiência do título da Série B sete anos antes.
As 31 equipes participantes da Série C foram divididas em sete grupos. A Tuna Luso ficou no grupo 2, ao lado de Flamengo-PI, Izabelense, Sampaio Corrêa e Moto Club. A estreia tunante foi contra o Moto Club, vitória em casa por 1 a 0, seguida por mais três triunfos, todos em Belém: 1 a 0 no Flamengo-PI, 3 a 1 no Izabelense e 3 a 0 no Sampaio Corrêa. Na jornada como visitante, a Tuna empatou em 0 a 0 com o Moto Club no Maranhão, venceu por 1 a 0 o Izabelense em Santa Izabel, empatou em 1 a 1 com o Flamengo no Piauí e venceu por 1 a 0 o Sampaio Corrêa em São Luís. Com 14 pontos, ficou na liderança e com a única vaga do grupo. Na segunda fase, foi a vez de formar chave com o Auto Esporte e com o Nacional-AM. A Águia do Souza começou vencendo o Auto Esporte por 1 a 0 na Paraíba. Na sequência, segurou empate em 0 a 0 com o Nacional-AM e venceu o Auto Esporte por 1 a 0, ambos no Pará. Por fim, empatou em 1 a 1 com o Nacional em Manaus, o que deu à Tuna a liderança do grupo com seis pontos, e a vaga na final.
O adversário da Tuna Luso na decisão foi o Fluminense de Feira de Santana. A partida de ida foi na Bahia, no Estádio Joia da Princesa, e o time alviverde perdeu por 2 a 0. Isto lhe obrigou a devolver o saldo de gols para ser campeão, já que possuía melhor campanha. O jogo de volta foi em Belém, no Estádio Baenão, e teve todos os requintes dramáticos. A Tuna vencia só pelo placar mínimo (gol de Ageu) até os 42 minutos do segundo tempo, quando o Fluminense empatou. Aos 45, o reserva Manelão colocou os paraenses novamente na frente, mas o resultado ainda era insuficiente. Eis que aos 49, o atacante Júnior cobrou um escanteio, e o zagueiro Juninho, que testou o mais forte possível para fazer 3 a 1. A partida acabou os 54 minutos, quando a torcida da Tuna Luso invadiu o campo para comemorar o título da Série C de 1992. Esta foi a última grande glória do time tunante, que frequentou a Série B até 2001, e depois nunca mais passou da terceira divisão.

.
Foto Cezar Magalhães/Arquivo/Blog do Ramon Paixão

Atlético-GO Campeão Brasileiro Série C 1990

A terceira divisão do Campeonato Brasileiro não era considerada uma prioridade até há alguns anos. Suas primeiras edições foram intermitentes e com regulamentos aleatórias. Após a disputa de 1988, a CBF cancelou a organização da Série C em 1989, optando por inchar a segunda divisão. Mas em 1990 a terceirona já estava de volta. Mais magra em relação a dois anos antes, mas com o mesmo intuito de reunir os times pequenos que foram bem nos estaduais. Foram 30 clubes na disputa, divididos em seis grupos. E o campeão foi o Atlético Goianiense, uma das principais forças do futebol goiano e do Centro-Oeste.
O Atlético-GO entrou na Série C através do grupo 3, junto com Ubiratan, União Rondonópolis, Vila Nova e Gama. Com uma campanha irretocável, o Dragão não teve nenhum problema na primeira fase. Estreou goleando o rival Vila Nova por 4 a 1, fez 1 a 0 no Gama e 5 a 1 no Ubiratan do Mato Grosso do Sul, ambos no Serra Dourada, e venceu o União por 2 a 1 no Mato Grosso. Com oito pontos, se classificou na liderança. Nas quartas de final, repetiu dois jogos contra o Gama. Perdeu por 1 a 0 em Brasília, mas reverteu com um fácil 4 a 0 em Goiânia. Na semifinal, o Atlético-GO enfrentou o América-RN, fazendo uma vantagem de 2 a 0 na partida de ida no Machadão, em Natal, e concretizando a vaga na final com um belo 5 a 2 no Serra Dourada.
A final foi contra o América-MG, em dois jogos. O Dragão possuía melhor campanha, o que lhe deu o benefício de atuar por dois empates ou por resultados iguais. A ida foi no Independência. em Belo Horizonte, e não saiu do 0 a 0. A volta foi no Serra Dourada, em Goiânia, e o gol insistiu em não acontecer para os dois lados. Melhor para o Atlético-GO, que exerceu o direito pela campanha superior e comemorou o título da Série C de 1990. Foi a primeira conquista nacional do rubro-negro goiano, a principal até ser igualada em 2008, e superada pela segunda divisão em 2016.


Foto Arquivo/Atlético-GO
*Com colaboração de Márcio Silveira Borba, do blog Times Campeões

União São João Campeão Brasileiro Série C 1988

Depois do mundo confuso que foi o futebol brasileiro em 1987, houve uma nova reorganização para 1988. CBF e Clube dos 13 fizeram as pazes e montaram uma primeira divisão com 24 clubes e uma novidade: rebaixamento e acesso entre divisões. Logo abaixo do Campeonato Brasileiro, outros 24 times formaram a segunda divisão. E mais abaixo, 43 equipes fizeram parte da terceira divisão. Era a terceira tentativa de um campeonato nacional no terceiro nível, mas a primeira com ligação direta com a divisão de cima. O campeão viria do interior paulista. Um clube jovem de Araras, com apenas sete anos de fundação, mas já integrante da elite do futebol de São Paulo.
Fundado em 1981, o União São João conseguiu a vaga na Série C de 1988 através de boa campanha no estadual. Todos os times da competição ficaram divididos em grupos regionalizados. O União ficou no grupo 9, ao lado Mogi Mirim, Fabril e Esportivo de Passos (ambos de MG). A estreia do Verdão foi no interior mineiro, com vitória por 1 a 0 sobre o Esportivo. Na sequência, venceu dois jogos no Hermínio Ometto, 2 a 0 sobre o Fabril e 3 a 1 sobre o Mogi Mirim. No returno, a derrota para por 1 a 0 para o Fabril em Minas Gerais foi suplantada pela vitória por 1 a 0 sobre o Esportivo em Araras, o que classificou o União antecipadamente. Na última rodada, empatou sem gols com o Mogi Mirim e perdeu na disputa de pênaltis (a regra insólita valia para as três divisões). A Ararinha ficou na liderança do grupo com 13 pontos. Na segunda fase, o União ficou no grupo 5, com Brusque, Blumenau e Santo André. Começou fora de casa com empate por 1 a 1 e vitória nos pênaltis contra o Santo André. Depois, venceu por 1 a 0 o Blumenau fora de casa, fez 4 a 0 o Brusque em casa, perdeu por 2 a 1 para o Blumenau em Araras, e levou 2 a 0 do Brusque fora de casa. A classificação veio só na rodada final, com vitória por 1 a 0 sobre o Santo André no Herminião. O União fez os mesmos 11 pontos, oito gols e saldo três do rival paulista, mas ficou na primeira posição pelo confronto direto. Na terceira fase, o Verdão dividiu o grupo 2 com Marcílio Dias e Tiradentes (DF). Estreou com 0 a 0 e derrota nos pênaltis para o Tiradentes em Brasília. Depois, venceu por 1 a 0 o Marcílio Dias e por 3 a 1 o Tiradentes, ambos em casa. O União ainda perdeu para o Marcílio por 2 a 1 em Itajaí e precisou secar o adversário candango na rodada de folga, a última. Eles perderam pelo mesmo placar e no mesmo lugar. O time de Araras se classificou para a final com sete pontos.
A decisão foi um reencontro com o Esportivo de Passos. A ida foi em Minas Gerais, e o União empatou por 1 a 1, sofrendo o gol no segundo tempo. A volta foi no Hermínio Ometto, com a Ararinha marcando dois gols, de Kel e Odair. O empate adversário veio nos minutos finais, mas a melhor campanha garantia o título uniense. Depois desse 2 a 2, o União São João comemorou o título da Série C de 1988, maior conquista do clube até 1996, quando veio o título da Série B.


Foto Arquivo/União São João/Blog União Mania

Folheie a Edição dos Campeões 2018!

Mais um ano futebolístico no Brasil encerrou-se, e 2018 contou com 37 campeões entre os Estaduais de primeira divisão, Regionais, Nacionais e Continentais. Isso sem contar as divisões e copas estaduais que rolam pelo Brasil afora, mas infelizmente ainda é complicado de encontrar informações e fotografias boas para poder ser publicado aqui neste blog, que funciona como um arquivo do futebol nacional.

E se você gosta de ter a sensação de folhear os pôsters, como na saudosa Edição dos Campeões que a Revista Placar imprimiu entre 1980 e 2016 (e que serviu de inspiração para o blog), leia a versão em PDF da edição de 2018.

Confira abaixo os campeões de 2018 e depois continue acompanhando o blog. Concluímos diversos especiais nos último ano, e muitos mais virão pela frente. Em 2019, continuaremos documentando a história do futebol brasileiro em fotos.

Depois, passe no fórum do nosso parceiro Arena dos Managers (www.arenadosmanagers.com/forum). Faça um perfil por lá, converse com outras pessoas apaixonadas por futebol e participe de campeonatos de futebol virtual.

E continue conosco. Por aqui e por lá. Recomende o blog e o fórum para seus amigos, viaje pela história do futebol do Brasil!

Atlético-PR Campeão da Copa Sul-Americana 2018

O Atlético-PR quebrou as barreiras do Brasil e conquistou seu primeiro título de caráter internacional, a Copa Sul-Americana de 2018. Com uma ótima campanha, deixou pelo caminho times tradicionais. Eliminou o Newell's Old Boys na primeira fase, o Peñarol na segunda fase, o Caracas nas oitavas de final, o Bahia nas quartas e o Fluminense na semifinal para chegar na final contra o Junior Barranquilla.
O jogo de ida foi no Estádio Metropolitano, e o Atlético-PR saiu de lá com 1 a 1 no placar final. Tudo ficou para Curitiba, e na Arena da Baixada, o Furacão tornou a abrir o placar, com Pablo, mas o empate colombiano veio nos segundo tempo. Com mais um placar de 1 a 1, a decisão foi às cobranças de pênaltis. E o Atlético foi mais competente e venceu por 4 a 3, com Thiago Heleno convertendo o último.
A conquista da Copa Sul-Americana ficará sempre marcada como a primeira continental do Estado do Paraná. E para a história do clube, que vai trocar uniforme, escudo e até a grafia do nome, ficarão marcados nomes como os de Pablo, Nikão, Lucho González, Santos e Renan Lodi - titulares do time -, e de Tiago Nunes - técnico que veio do time aspirantes e fez o time crescer rumo ao título.


Foto Divulgação/EFE

Operário-MS Campeão Brasileiro Série C 1987 (Módulo Branco)

O ano de 1987 foi um dos mais confusos que o futebol brasileiro já produziu. Enquanto CBF e Clube dos 13 se engalfinhavam no desfecho da Copa União e do Módulo Amarelo, outras duas competições movimentavam as divisões inferiores. Os clubes preteridos na composição dos campeonatos já citados acabaram movidos para outras duas competições, o Módulo Azul e o Módulo Branco. Na teoria, eles eram duas segundas divisões, mas na prática funcionaram como uma terceira divisão. No grupo Branco ficaram equipes do Norte e do Nordeste. No Azul, os clubes do Sul e do Sudeste. O Centro-Oeste se dividiu entre os dois. (trecho reprisado)
O Módulo Branco foi chamado de Taça Rubem Moreira e também teve a participação de 24 times. Com grandes lembranças de Brasileirões do passado, o Operário de Campo Grande possuía boa tradição para ser considerado um favorito. O clube ficou no grupo 1, com Mixto, Operário-MT e Sobradinho. A estreia do Galo não foi boa, perdendo por 2 a 1 para o Mixto em Cuiabá. A recuperação veio com duas vitórias no Morenão, por 4 a 0 sobre o Sobradinho e por 1 a 0 sobre o Operário de Várzea Grande. A classificação foi consolidada com vitórias por 2 a 1 sobre o Operário VG no Mato Grosso, e por 1 a 0 sobre o Sobradinho no Distrito Federal. Na última rodada, perdeu por 1 a 0 para o Mixto em casa. Com oito pontos em seis jogos, o Operário-MS se classificou na vice-liderança. Na segunda fase, o adversário foi a Catuense. Venceu por 2 a 0 no Morenão e empatou em 2 a 2 na Bahia. Na terceira fase, enfrentou mais duas vezes o Mixto. A revanche foi completa, vencendo por 2 a 0 no Mato Grosso do Sul, e empatando em 2 a 2 no José Fragelli.
O time alvinegro se classificou para o triangular final (também com apenas um turno) ao lado de Botafogo-PB e Paysandu. A primeira rodada foi de folga, enquanto paraenses bateram nos paraibanos. A estreia foi em João Pessoa, com empate sem gols com o Botafogo da Paraíba. A partida final decidiria o título. Já em 1988, Operário-MS e Paysandu se enfrentaram no Morenão, e o Galo conseguiu a vitória que precisava, por 2 a 1. Com três pontos em dois jogos, o time sul-mato-grossense conseguiu o título do Módulo Branco, a única conquista nacional do clube. Mas hoje em dia, a competição caiu no esquecimento, somente os alvinegros a mantém viva na lembrança. Nem a CBF reconhece o título como oficial.


Foto Arquivo/Operário-MS

Americano Campeão Brasileiro Série C 1987 (Módulo Azul)

O ano de 1987 foi um dos mais confusos que o futebol brasileiro já produziu. Enquanto CBF e Clube dos 13 se engalfinhavam no desfecho da Copa União e do Módulo Amarelo, outras duas competições movimentavam as divisões inferiores. Os clubes preteridos na composição dos campeonatos já citados acabaram movidos para outras duas competições, o Módulo Azul e o Módulo Branco. Na teoria, eles eram duas segundas divisões, mas na prática funcionaram como uma terceira divisão. No grupo Branco ficaram equipes do Norte e do Nordeste. No Azul, os clubes do Sul e do Sudeste. O Centro-Oeste se dividiu entre os dois.
O Módulo Azul foi rebatizado de Taça Heleno Nunes e contou com a presença de 24 times. Uma das forças do futebol carioca na década, o Americano de Campos era frequente nas listas de favoritos. O clube ficou no grupo 3, ao lado de Juventus-SP, Desportiva-ES e Estrela do Norte. Apesar do favoritismo, o Mancha Negra demorou e engrenar. Estreou em casa com empate sem gols contra o Juventus. Depois, perdeu por 1 a 0 para o Estrela do Norte no Espírito Santo. Na terceira rodada, novo empate no Godofredo Cruz, em 1 a 1 com a Desportiva. O terceiro empate foi outro 0 a 0 com a Juventus, mas em São Paulo. A arrancada veio no fim, com duas vitórias por 1 a 0, sobre o Estrela do Norte em Campos, e sobre a Desportiva em Cariacica. Com sete pontos em seis jogos, o Americano se classificou na vice-liderança. Na segunda fase, enfrentou o Tupi. Venceu por 1 a 0 no Godofredo Cruz, e pelo mesmo placar em Juiz de Fora. Na terceira fase, encarou o Botafogo-SP e se classificou com vitória por 3 a 1 em Campos e derrota por 1 a 0 em Ribeirão Preto.
Junto com o Juventude e o Uberlândia, o Americano chegou no triangular final, de tiro curto, com um turno só. O time alvinegro fez o primeiro jogo contra o Juventude no Alfredo Jaconi, e empatou em 0 a 0. O segundo jogo foi no Godofredo Cruz contra o Uberlândia, e o Americano venceu por 2 a 0. Com três pontos em duas partidas, seria ainda necessário secar o time gaúcho. E em pleno Natal de 1987, Uberlândia e Juventude se enfrentaram em Minas Gerais, com vitória por 2 a 0 dos mineiros. O Americano se tornou campeão do Módulo Azul sem entrar em campo, mas a festa não foi menor por isso. Hoje em dia, a competição caiu no esquecimento, somente os alvinegros a mantém viva na lembrança. Nem a CBF reconhece o título como oficial.


Foto Arquivo pessoal/Alexandre Guerreiro

Olaria Campeão Brasileiro Série C 1981

O Campeonato Brasileiro da Série C é provavelmente a competição mais metamórfica do futebol do Brasil. Já teve vários formatos, nomes e funções. O Brasileirão - na época Copa Brasil -, já estava no gosto do torcedor ao final da década de 1970. Mas mesmo com suas edições inchadas (chegou a 94 times em 1979), muitos clubes ficavam longe de sua disputa, se contentando somente com os estaduais. No começo da década de 1980, a recém criada CBF dividiu o Brasileiro em dois níveis, as Taças de Ouro e de Prata, somente com acesso da segunda para a primeira. Nessa onda, a entidade resolveu criar uma terceira competição, voltada para os times pequenos. A Taça de Bronze nasceu em 1981 com o intuito de dar uma rodagem inédita para vários desses clubes, uma chance de participar de uma competição nacional, visto que a perspectiva deles em jogar a primeira ou segunda divisão eram quase nulas. Este torneio não tinha conexão com os outros de nome superior, mas já era considerado como uma terceira divisão da época. Isto só se tornaria oficial anos depois.

--------------------------------------------

A Taça de Bronze de 1981 contou com a participação de 24 equipes, de 21 estados diferentes. O regulamento foi composto por dois mata-matas e uma fase de grupos, tudo regionalizado. Primeiro, foram feitas 12 chaves em ida e volta. Depois, outros seis confrontos, também com dois jogos cada. Seguindo, dois grupos triangulares na semifinal, com os líderes fazendo a final. O Olaria foi um dos representantes do Rio de Janeiro, pois o clube não conseguiu classificação nem para a Taça de Ouro, nem para a Taça de Prata.
Na primeira fase, o Azulão enfrentou o Colatina. Abriu boa vantagem na ida com vitória por 3 a 1 no Espírito Santo. Na volta, segurou empate em 1 a 1 no Maracanã (sim) e avançou. A segunda fase foi disputada contra o Paranavaí. O Olaria venceu por 2 a 0 a primeira partida no Rio de Janeiro, e por 1 a 0 a segunda partida em Maringá, no Estádio Willie Davids. Na terceira fase, o time da Rua Bariri foi sorteado no grupo 1, contra São Borja (RS) e Dom Bosco (MT). Estreou com derrota um 2 a 0 para o São Borja na fronteira noroeste do Rio Grade do Sul, no Estádio Vicente Goulart. A recuperação veio com duas vitória em casa, por 2 a 0 sobre o Dom Bosco e por 1 a 0 sobre o São Borja. Na última partida sua, o Azulão perdeu por 1 a 0 para o Dom Bosco em Cuiabá. Com a sorte a favor, o Olaria assistiu a gaúchos e mato-grossenses empatarem seu confronto na rodada final. Todos os times fizeram quatro pontos, mas só os cariocas venceram dois jogos, terminando assim na liderança e com a classificação.
A final foi entre Olaria e Santo Amaro (atualmente é o licenciado Manchete), de Pernambuco. Todas as partidas anteriores do Azulão no Rio de Janeiro haviam sido jogadas no Maracanã, mas a decisão foi para o antigo Estádio de Marechal Hermes. Lá na Zona Norte, o Olaria goleou o time pernambucano por 4 a 0 e abriu ótima vantagem. O segundo jogo foi em Recife, no Arruda. E lá o Azulão se segurou bem, perdeu somente por 1 a 0 e comemorou a conquista da Taça de Bronze. Este título é o mais importante da história do Olaria, o único acima do âmbito estadual, e que hoje em dia equivale como o primeiro Brasileiro da Série C.


Foto Arquivo/Olaria
*Com colaboração de Márcio Silveira Borba, do blog Times Campeões

Palmeiras Campeão Brasileiro 2018

Pela décima vez, o Palmeiras é o campeão do Campeonato Brasileiro. O clube paulista abre frente como o maior vencedor na história da competição e se torna o primeiro a romper a barreira dos dois dígitos de conquistas (1960, 1967 TB, 1967 RGP, 1969, 1972, 1973, 1993, 1994, 2016 e 2018). O título de 2018 chegou com autoridade, sob o comando do experiente técnico Luiz Felipe Scolari, que chegou para ser o técnico do time ao final do primeiro turno.
Antes, a campanha palmeirense havia começado com o comando de Roger Machado. A estreia foi com empate fora de casa, 1 a 1 com o Botafogo no Engenhão. A primeira vitória aconteceu na segunda rodada, por 1 a 0 sobre o Internacional no Pacaembu. Apesar de conseguir ótimos resultados, como as vitórias sobre o Atlético-PR - por 3 a 1 em Curitiba (quarta rodada) -, sobre o São Paulo - por 3 a 1 no Allianz Parque (nona rodada) -, e sobre o Grêmio - por 2 a 0 em Porto Alegre (décima rodada) -, o Verdão precisava lidar também com derrotas complicadas, como para o Corinthians - por 1 a 0 fora de casa (quinta rodada) -, e para o Sport - por 3 a 2 em casa (sétima rodada). Depois de perder por 1 a 0 para o Fluminense no Maracanã, na 15ª rodada, o Palmeiras trocou de técnico. Roger deixou o time em sexto lugar, longe do líder São Paulo. O Alviverde virou o turno nesta mesma sexta posição, com 33 pontos, oito a menos que o líder e rival.
Felipão havia assumido o time na 17ª rodada. E não perdeu nenhuma partida pelo Brasileirão. Estreou com empate em 0 a 0 com o América-MG no Independência. A partir desse ponto, começou a empilhar vitórias e empates e chegou ao primeiro lugar na 27ª rodada, ao vencer o Cruzeiro por 3 a 1 no Allianz Parque. Para manter a ponta, o segredo do Verdão foi tirar pontos de adversários diretos. Venceu o São Paulo na 28ª rodada, por 2 a 0 no Morumbi, venceu o Grêmio na 29ª rodada, por 2 a 0 no Pacaembu, e empatou com o Flamengo na 31ª rodada, em 1 a 1 no Maracanã. O decacampeonato foi consolidado na 37ª rodada, com vitória por 1 a 0 sobre o Vasco em São Januário. Com aproveitamento próximo dos 70%, o Palmeiras foi campeão marcando 77 pontos em 37 jogos, com 22 vitórias, 11 empates e quatro derrotas.

A campanha do Palmeiras:
38 jogos | 23 vitórias | 11 empates | 4 derrotas | 64 gols marcados | 26 gols sofridos


Foto Flávio Florido/Globoesporte.com

America-RJ, Pelotas, Guarani-MG, Operário-PR, Metropolitano, Atlético-BA e Petrolina, campeões estaduais nas divisões inferiores

O futebol brasileiro é uma coisa única no planeta. Só no Brasil, tem-se pelo menos 34 campeões todos os anos: pelas quatro divisões nacionais, pela Copa do Brasil, pelas copas do Nordeste e Verde, e pelos 27 estaduais. Algumas vezes temos também o campeão da Libertadores ou da Copa Sul-Americana. E nesta conta quase nunca entram os estaduais das divisões inferiores, o que pode aumentar o número máximo de campeões para 63.
Estas divisões se chamam de vários jeitos: Série A2, Série B, 2ª Divisão, Divisão de Acesso, Módulo II, Série B1... Hoje, vamos presentear alguns destes campeões, dos principais Estados.

America-RJ Campeão Carioca Série B1 2018

O America-RJ venceu o segundo nível do futebol do Rio de Janeiro após derrotar o Americano de Campos na partida única da final, por 1 a 0 no Engenhão. É o terceiro título do Sangue nesta competição. O clube voltará para a elite carioca depois de um ano.


Foto Márcio Menezes/America-RJ

Pelotas Campeão Gaúcho Divisão de Acesso 2018

O Pelotas se tornou campeão do segundo nível do Rio Grande do Sul depois de passar pelo Aimoré na final. Empatou por 1 a 1 em São Leopoldo e goleou por 4 a 0 na Boca do Lobo. É o segundo título do Lobão no torneio. Depois de cinco anos, o clube voltará para a elite gaúcha.


Foto Divulgação/FGF

Guarani-MG Campeão Mineiro Módulo II 2018

O Guarani de Divinópolis venceu o segundo nível em Minas Gerais após bater na final o Tupynambás, 1 a 0 na ida em Juiz de Fora e 1 a 1 na volta no Estádio Farião. O Guará levou o terceiro título na história do campeonato, e voltará para a elite mineira depois de três anos.


Foto Stéfany Boscoli/Guarani-MG

Operário-PR Campeão Paranaense 2ª Divisão 2018

O Operário-PR começou seu grande ano com o título do segundo nível no Paraná. Venceu os dois jogos da decisão contra o Cascavel CR, 2 a 1 no Olímpico Regional e 7 a 0 no Germano Krüger. É o segundo título do Fantasma na competição, e voltará para elite paranaense depois de três anos.


Foto José Tramontin/Operário-PR

Metropolitano Campeão Catarinense Série B 2018

O Metropolitano conquistou o primeiro título da sua história ao vencer o segundo nível do futebol de Santa Catarina. Enfrentou o Marcílio Dias na final, vencendo por 3 a 0 no Monumental do SESI em Blumenau, e perdendo por 2 a 0 em Itajaí. O Metrô voltará para a elite catarinense depois de dois anos.


Foto Sidnei Batista/Metropolitano

Atlético-BA Campeão Baiano Série B 2018

O Atlético de Alagoinhas se tornou campeão do segundo nível da Bahia pela primeira vez. Empatou as duas partidas da final contra o Pituaçu Cajazeiras, 0 a 0 em Salvador e 1 a 1 no Carneirão, e conquistou o título por ter feito a melhor campanha. Após seis anos, o Carcará voltará para a elite baiana.


Foto Divulgação/Facebook "Atlético de Alagoinhas (Torcedor)"

Petrolina Campeão Pernambucano Série A2 2018

O Petrolina venceu o segundo nível de Pernambuco ao bater o Centro Limoeirense na final. Empatou por 1 a 1 em Limoeiro e venceu por 3 a 0 no Paulo Coelho. A Fera Sertaneja levou a taça do torneio pela terceira vez, e voltará para a elite pernambucana depois de seis anos.


Foto Emerson Rocha/GloboEsporte.com

Uruguai Campeão da Copa do Mundo 1930

Até 1928, a competição de futebol dos Jogos Olímpicos era o principal título que uma seleção nacional poderia ter. Mas segundo as regras da época, apenas jogadores amadores podiam disputá-la. E em uma época que o profissionalismo estava crescente no futebol, era preciso um torneio novo que se ajustasse nas evoluções da modalidade, sem se prender nas amarras de uma tradição olímpica. Foi sob este argumento que - naquele mesmo ano - nasceu a Copa do Mundo, um campeonato idealizado pelo francês Jules Rimet, presidente da FIFA na época.
A primeira edição do Mundial foi marcada para ter início em 1930, e a partir disto ela seria disputada de quatro em quatro anos, alternado entre as edições das Olimpíadas. Vários países se candidatam para ser o anfitrião: Itália, Suécia, Holanda, Espanha, Hungria e Uruguai. A FIFA optou pela última opção, seduzida pelo fato de a seleção uruguaia ser a melhor do mundo na época, bicampeã olímpica. Isto desagradou aos europeus, que sempre se consideraram o berço do futebol. Alegando dificuldades no deslocamento para a América do Sul, nenhum deles aceitou o convite para participar.
Foi então que entraram em jogo os dirigentes da FIFA. Jules Rimet convenceu a França, enquanto o vice-presidente Rodolphe Seeldrayers convenceu a Bélgica a atravessarem o Oceano Atlântico. O Rei Carol II, apaixonado por futebol, bancou todas as despesas da Romênia, inclusive garantiu a manutenção dos empregos e salários dos jogadores, ainda amadores. Por fim, a Iugoslávia aceitou o convite por intervenção do Rei Alexandre I, que passou por cima do boicote dos croatas e montou uma seleção apenas com sérvios. Assim, a primeira Copa do Mundo foi formada com 13 seleções: sete da América do Sul, quatro da Europa e duas da América do Norte.

-------------------------------

O Uruguai tinha a seleção mais forte na década de 1920, vinha de dois títulos olímpicos e praticava o futebol mais bonito. Já pintava como o principal favorito a vencer a primeira Copa do Mundo, em 1930, e na própria casa. Seu principal oponente estava do outro lado do Rio da Prata, a Argentina, vice-campeã olímpica. Quem vinha da Europa não assustava, já que as principais forças fizeram um boicote velado a competição. O time uruguaio era liderado por seu ataque, com Pedro Cea, Hector "Manco" Castro, Hector Scarone, Santos Iriarte e Pedro Petrone. Este último se machucou na estreia, mas foi muito bem substituído por Pelegrino Anselmo e Pablo Dorado. Além deles, o capitão José Nasazzi liderava na defesa.
A estreia uruguaia foi só na segunda rodada, pois seu grupo tinha três seleções e a folga foi já na primeira. O confronto de abertura foi contra o Peru, vencido por simples 1 a 0. A segunda partida foi a da definição da classificação, contra a Romênia. O Uruguai goleou por 4 a 0 e avançou na liderança do grupo C, com quatro pontos. Na semifinal, confronto contra a Iugoslávia e goleada de virada por 6 a 1 em atuação tranquila, apesar da reclamação iugoslava com a arbitragem. A final seria contra a grande rival, a Argentina.
A decisão do Mundial foi disputada no novíssimo Estádio Centenário de Montevidéu, que recebeu mais de 68 mil torcedores. A primeira Copa do Mundo não tinha um material oficial de jogo, cada seleção era responsável pelo seu. Por isso, houve um impasse quanto a bola que seria utilizada. Os uruguaios queriam a sua, e os argentinos a deles. Para resolver isto, cada tempo foi jogado com um bola diferente. Na primeira etapa foi usada a bola argentina. O Uruguai abriu o placar com Dorado, mas a Argentina virou Carlos Peucelle e Guillermo Stábile. A etapa final foi jogada com a bola uruguaia. E a Celeste Olímpica tornou a virar a partida com naturalidade, gols de Cea, Iriarte e Castro. Com a vitória por 4 a 2, o Uruguai celebrou seu primeiro título mundial com muita festa no país todo. E diferentemente do que seria tradição futura, a taça foi entregue somente no vestiário, para o presidente da Associação Uruguaia de Futebol. Mas isto pouco importa diante do fato de o Uruguai ser o primeiro campeão mundial de futebol da história.


Foto Arquivo/AUF

Fortaleza Campeão Brasileiro Série B 2018

O Fortaleza chegou ao título mais importante de sua história em 2018, o ano de seu centenário. O Tricolor do Pici se tornou campeão brasileiro da Série B, a primeira conquista nacional do clube. Depois de 13 anos, o time estará novamente na disputa da primeira divisão. E durante este hiato, foram oito temporadas de Série C, entre 2010 e 2017. A campanha histórica do clube que veio diretamente da terceira divisão tem um nome importante: Rogério Ceni. O técnico teve todo o ano de trabalho para fazer do Fortaleza um clube de elite mais uma vez, e caiu de vez nas graças do torcedor leonino.
Na zona de acesso em todas as rodadas da Série B, o Leão fez a estreia na competição com vitória, por 2 a 1 sobre o Guarani no Castelão. E logo na segunda rodada o time já estava no primeiro lugar, ao vencer o Boa Esporte por 2 a 0 em Varginha. Desta partida para a frente, o time só não liderou na quarta rodada, quando empatou em 1 a 1 com o Londrina fora de casa. No quinto jogo, uma vitória por 3 a 0 sobre o Goiás no Castelão, o Fortaleza já estava na liderança novamente. Assim o time virou o primeiro turno e seguiu durante todo o segundo.
O acesso se confirmou na 34ª rodada, quando o Tricolor venceu o Atlético-GO por 2 a 1 em Goiânia. E o título foi conquistado na 36ª partida, com vitória por 1 a 0 sobre o Avaí na Ressacada. Até o jogo da confirmação do título, o Fortaleza fez 68 pontos, com 20 vitórias, oito empates e oito derrotas. Com nove pontos para o vice-líder, não pode mais ser alcançado. Dentro de campo, o destaque principal fica para o artilheiro Gustavo - que é chamado de "Gustagol" pelo torcedor -, autor de 12 gols do Tricolor. Junto com ele, o atacante Marcinho e o goleiro Marcelo Boeck também se destacaram na competição.


Foto Leonardo Moreira/Fortaleza

Itália Campeã da Copa do Mundo 1934

A segunda Copa do Mundo foi a primeira em solo europeu, em 1934. A honra de ser o país-sede coube à Itália, em uma forma prática que Benito Mussolini encontrou para fazer propaganda de seu regime totalitário. E a política já implicava fortemente no futebol. O Uruguai respondeu ao boicote da Europa quatro anos antes e não participou das Eliminatórias, se tornando a única campeã que não defendeu seu título. Apenas Brasil, Argentina e Estados Unidos atravessaram o oceano (o México também havia ido, mas somente jogou - e perdeu - a repescagem da Concacaf). O Egito só precisou cruzar o Mar Mediterrâneo. A dona da casa pintava assim como a principal favorita, comandada pelo atacante Giuseppe Meazza, que viraria nome de estádio no futuro.
O Mundial foi todo disputado no formato mata-mata, desde oitavas de final. A estreia da Itália foi contra os amadores dos Estados Unidos, e a classificação veio com uma sapecada por 7 a 1. O caldo ficou mais grosso para a Azzurra nas quartas de final, contra a Espanha. O confronto, após duas prorrogações, terminou 1 a 1. Não existia disputa por pênaltis, portanto foi necessário fazer uma partida extra, no dia seguinte. No desempate, Meazza marcou o gol da vitória por 1 a 0. A semifinal foi contra a Áustria, que era tida como a segunda seleção mais forte daquela Copa. O jogo foi considerado uma final antecipada, e os italianos garantiram a vaga na decisão com outra vitória por 1 a 0, gol marcado por Enrico Guaita.
A final foi na cidade de Roma, no Stadio Nazionale "del PNF". O adversário da Itália foi a Tchecoslováquia, que tentou engrossar a partida a todo o custo, apesar da nítida diferença na qualidade técnica. E os tchecos conseguiram sair na frente, já aos 26 minutos do segundo tempo. O que a lógica apontava para ser algo fácil, se tornou complicado para a Azzurra. Raimundo Orsi empatou a decisão faltando nove minutos para o fim, o que forçou uma prorrogação. E foi no tempo extra, logo no quinto minuto, que Angelo Schiavio marcou o gol da virada e do título da Itália. O placar de 2 a 1 permaneceu até o apito final, e depois os italianos partiram para festa, consumada na entrega da taça para o capitão e goleiro Gianpiero Combi, o primeiro atleta em Copas a receber o troféu nesta condição.


Foto Arquivo/FIGC

Itália Campeã da Copa do Mundo 1938

Todos queriam estar na França em 1938. O país era o centro das atenções na primeira metade do século 20, e naquele ano recebeu a Copa do Mundo. Muito porque a FIFA optou por homenagear seu presidente, Jules Rimet, quebrando com o prometido sistema de rodízio entre continentes e realizando dois torneios seguidos na Europa. Isto motivou a um boicote por boa parte das seleções da América do Sul e da América do Norte, somente Brasil e Cuba marcaram presença representando o lado de cá do Atlântico. O grande favorito era europeu mesmo. A Itália estava ainda mais forte do que o time vencedor quatro anos antes, e isto se confirmou nos gramados franceses.
Mais uma vez o regulamento era sem fase de grupos, indo de primeira para o mata-mata. A Azzurra estreou contra a Noruega, que fez jogo duro e levou para a prorrogação. Mas os italianos se classificaram com um gol marcado por Silvio Piola, vencendo por 2 a 1. Nas quartas de final, a Itália enfrentou a França e não se intimidou com a pressão dos donos da casa. Venceu por 3 a 1, com outra atuação brilhante de Piola, autor de dois gols. A semifinal foi contra o Brasil, que segurou até onde foi possível, mas sofreu o revés no segundo tempo. Por 2 a 1, a Azzurra eliminou os brasileiros. Porém, muito na época se reclamou que o segundo gol italiano teria sido marcado em um pênalti inexistente.
A final foi entre Itália e Hungria, no Estádio Olympique de Colombes, em Paris. Partindo para o ataque desde o começo, os italianos conseguiram três gols no primeiro tempo e um gol no segundo tempo. O bicampeonato mundial veio com vitória por 4 a 2, dois tentos marcados por Gino Colaussi e outros dois marcados por Silvio Piola. E comandando a equipe italiana dentro de campo, o atacante Giuseppe Meazza foi o capitão da vez, recebendo a taça direto da tribuna de honra do estádio, um ato inédito em Copas do Mundo.


Foto Arquivo/FIGC

Uruguai Campeão da Copa do Mundo 1950

Depois de 12 anos de paralisação e atravessar toda a década de 1940 sem competição, a Copa do Mundo voltou a ser realizada em 1950. O Brasil era um dos candidatos a sede em 1942, e foi o único que manteve a proposta quando do retorno. A FIFA tentou antecipar a realização em um ano, mas voltou atrás e seguiu com o cronograma conhecido. O mundo estava em reconstrução e muitos países sequer entraram nas Eliminatórias. Além disso, Alemanha e Japão estavam banidas pela participação na II Guerra Mundial. Inicialmente, 16 países estavam classificados para o Mundial. Mas Turquia, Escócia e Índia desistiram de participar. Seus substitutos, Portugal, França e Irlanda, também declinaram. A competição ficou com 13 seleções e grupos mancos, dois com quatro países, um com três e outro com só dois. Neste último grupo, o Uruguai, um time esforçado que já lembrava com nostalgia do passado vencedor, com jogadores como Alcides Ghiggia e Obdulio Varela.
A Celeste enfrentou apenas a Bolívia na primeira fase, e goleou por 8 a 0 em Recife. As partidas contra a Irlanda e França não aconteceram. Então, com esses dois pontinhos, o time uruguaio liderou o grupo D e avançou para o quadrangular final. Então a Copa começou de fato para o Uruguai. Enfrentou a Espanha em São Paulo, e buscou empate por 2 a 2. Na segunda rodada, virou de maneira sofrida contra a Suécia, 3 a 2 no Pacaembu. Enquanto isso, o Brasil fez 7 a 1 nos suecos e 6 a 1 nos espanhóis, e era o pleno favorito para vencer mais uma.
O Estádio Municipal - ou Maracanã -, do Rio de Janeiro recebeu a partida final. Somente Uruguai e Brasil tinham chances de título, e os brasileiros jogavam pelo empate. A Celeste teve que enfrentar quase 200 mil torcedores, e foi aguentando a pressão. Não se abalou quando sofreu um gol no primeiro minuto do segundo tempo. O Uruguai se aproveitava dos contra-ataques e chegou ao empate com Juan Schiaffino, por volta dos 21 minutos. O Brasil esbarrava na forte defesa uruguaia e se abria em busca de ter mais tranquilidade na partida. E em outro contra-ataque, aos 34 minutos, Ghiggia avançou pela ponta-direita e chutou firme no canto esquerdo do goleiro Barbosa. Com a virada heroica os uruguaios se seguraram ainda mais, e os brasileiros se desesperavam em campo. O jogo terminou com 2 a 1 para o Uruguai, e sob o silêncio desacreditado de todos na arquibancada, a Celeste Olímpica conquistou o bicampeonato da Copa do Mundo, com a taça recebida pelas mãos do capitão e símbolo de raça, o zagueiro Obdulio Varela.


Foto Arquivo/AUF

Alemanha Campeã da Copa do Mundo 1954

O mundo ainda estava se reconstruindo no ano de 1954. Mas isto não impediu que a Europa fosse palco de mais uma Copa do Mundo. O país-sede foi a Suíça, um dos poucos que conseguiu se manter neutro durante a II Guerra Mundial, e o local onde a FIFA transferiu sua sede, indo de Paris para Zurique. Este Mundial marcou o retorno de várias seleções para suas atividades normais. Entre elas a Alemanha, agora Ocidental. Perdoado do banimento quatro anos antes, o time alemão não era considerado um dos mais fortes da competição, diferentemente da Hungria, tida na melhor geração de sua história.
Ambas foram sorteadas no mesmo grupo. Eram 16 países em quatro chaves, mas com a peculiaridade de jogaram somente duas rodadas, pois cada divisão tinha dois cabeças-de-chave e eram impedidos de se enfrentar, inviabilizando também o outro confronto. A Alemanha estreou contra a Turquia, a qual venceu por 4 a 1. A rodada final foi contra a Hungria, mas os alemães não resistiram ao poderio de Puskás e Kocsis, levando 8 a 3 nas costas. O time acabou empatado com os turcos na vice-liderança do grupo B. Para a sorte da Alemanha não havia saldo de gols, então foi feito um jogo-desempate, vencido por 7 a 2. Nas quartas de final foi a vez de encarar a Iugoslávia, e uma vitória por 2 a 0 colocou a seleção alemã na semifinal. O adversário nesta fase foi a Áustria. E com uma bela atuação dos irmãos Ottmar e Fritz Walter, a Alemanha avançou para a final com sonoros 6 a 1.
O adversário? A Hungria, uma partida que a maioria da opiniões já davam como favas contadas. O estádio Wankdorf, em Berna, foi o palco de um dos jogos mais memoráveis da história. No primeiro tempo a Hungria parecia que faria dar a "lógica", e fez dois gols em oito minutos. Mas Morlock descontou aos dez e Rahn empatou aos 18. E a partida se mostrava ruim para os húngaros, o gramado molhado por um temporal naquele dia prejudicava o seu toque de bola. Suas chuteiras pesavam de meio quilo para mais por causa da água, e tinham travas baixas. Já os alemães usavam calçados bem mais leves, secos por dentro e com travas mais altas, criados por uma certa marca com três listras. Assim, sem escorregar, a Alemanha conseguiu neutralizar o jogo adversário, escorregando além do normal, e a virada veio a seis minutos do fim, pelos pés de Helmut Rahn. Por 3 a 2, estava sacramentado O Milagre de Berna, o primeiro título e o início da tradição alemã no futebol. O atacante Fritz Walter não fez gol, mas passou para a história como o primeiro capitão vencedor pela Nationalelf.


Foto Arquivo/DFB

Cruzeiro Campeão da Copa do Brasil 2018

A Copa do Brasil é azul mais uma vez. O Cruzeiro chega a mais um título da competição nacional, e quebrando algumas barreiras. Primeira: se torna o maior vencedor, com seis títulos. Segunda: é o primeiro clube a conquistar dois títulos seguidos, levando em conta que entre 2001 e 2012 isto era impossível de acontecer.
A Raposa entrou na Copa do Brasil já na fase de oitavas de final, pois o time foi integrante da Libertadores. O primeiro adversário foi o Atlético-PR, o qual eliminou com vitória por 2 a 1 na Arena da Baixada e empate em 1 a 1 no Mineirão. Nas quartas de final, o Cruzeiro enfrentou o Santos. Venceu na Vila Belmiro por 1 a 0 e perdeu em Belo Horizonte por 2 a 1. Como a regra do gol fora de casa não existe mais, o confronto foi decidido nos pênaltis. E a estrela do goleiro Fábio brilhou com três cobranças defendidas, e a vitória por 3 a 0 no desempate. Na semifinal, o Cruzeiro encontrou outra vez o Palmeiras, em uma das maiores rivalidades que a Copa do Brasil tem. No jogo de ida em São Paulo, vitória simples da Raposa por 1 a 0. Na volta no Mineirão, empate em 1 a 1 garantiu o time azul na final, a sua oitava na história.
O adversário da decisão foi o Corinthians, e a primeira partida foi em Belo Horizonte, no Mineirão. Thiago Neves marcou no final do primeiro tempo e garantiu a vitória por 1 a 0, uma vantagem mínima para a partida de volta. Em São Paulo, na Arena Corinthians, o Cruzeiro tornou a neutralizar o adversário, jogando em cima de seus erros. Robinho abriu o placar na primeira etapa, mas depois de muita polêmica com o VAR (árbitro de vídeo), o time paulista empatou. A tranquilidade só veio com o golaço de De Arrascaeta, a oito minutos do fim. Com a vitória por 2 a 1, o Cruzeiro sagrou-se hexacampeão da Copa do Brasil, repetindo em 2018 os feitos de 1993, 1996, 2000, 2003 e 2017.


Foto Marcos Ribolli/Globoesporte.com

Brasil Campeão da Copa do Mundo 1958

Onde a hegemonia começou. Em 1958, o mundo enfim se curvaria ao talento do futebol brasileiro. E foi na Copa do Mundo na Suécia que o planeta viu o surgimento do maior jogador de futebol da história: Pelé, então com 17 anos, conquistou a todos e se tonaria o rei. Rodeado por Garrincha, Didi, Zagallo e Nilton Santos, entre outros, o garoto foi um dos destaques do primeiro título brasileiro.
A campanha do Brasil no Mundial começou com tranquilidade, uma vitória por 3 a 0 sobre a Áustria. Depois, empate em 0 a 0 com a Inglaterra, o primeiro resultado sem gols na história das Copas. Esta partida motivou o técnico Vicente Feola a fazer algumas mudanças no time titular. Mazola e Joel deram lugar a Pelé e Garrincha. Contra a União Soviética, a dupla estreou e ajudou na vitória por 2 a 0, gols de Vavá. O Brasil acabou a primeira fase na liderança do grupo D, com cinco pontos. Nas quartas de final, o adversário foi o País de Gales. Em partida difícil, Pelé marcou pela primeira vez em Mundiais, e com o 1 a 0 a seleção avançou para a semifinal. E contra a França, o Brasil voltou a dar show. Goleada por 5 a 2 sobre os franceses, três gols de Pelé, mais um de Didi e outro de Vavá.
A final foi contra a dona da casa, a Suécia, no Estádio Rasunda de Estocolmo. Só que antes de outro show, o Brasil levou um susto com o gol sueco logo aos quatro minutos de jogo. Mas o time não se abalou e empatou já aos nove minutos, com Vavá, que seria também o responsável pela virada ainda no primeiro tempo. Na etapa final, apareceu Pelé, que chapelou o zagueiro da Suécia e marcou o terceiro gol. Zagallo ampliou com o quarto gol, e os suecos descontaram faltando dez minutos. Pelé deixaria sua marca novamente no último minuto. Com outro 5 a 2, o Brasil enfim chegava ao seu primeiro título de Copa do Mundo, enterrando qualquer medo e complexo que a derrota de oito anos antes tinha deixado na Seleção Brasileira. Na entrega da taça, o capitão Bellini criou um gesto que se tornaria o símbolo de todas conquistas de futebol dali para a frente. A pedido de fotógrafos, o zagueiro ergueu o troféu por cima de sua cabeça, exibindo-o para todo o estádio, todo o mundo. Atualmente, todo capitão ergue a taça quando seu time a conquista.


Foto Arquivo/AP/CBF

Brasil Campeão da Copa do Mundo 1962

Uma Copa do Mundo que quase foi abalada pelo terremoto que assolou o Chile em 1960. Mas ela aconteceu, em 1962, com algumas sedes a menos. E lá estava o Brasil, ainda melhor que o time de quatro antes, com Pelé mais experiente e cada vez mais afinado com Garrincha, Didi, Zagallo e Vavá. Era o grande favorito para levar o bicampeonato. E assim foi.
Apesar de tudo, o começo foi um pouco preocupante. A estreia foi com uma burocrática vitória de 2 a 0 sobre o México. Depois, a grande baixa brasileira na Copa. No empate sem gols com a Tchecoslováquia, Pelé se machucou ainda no primeiro tempo, e foi cortado do restante da competição. Amarildo entrou em seu lugar, e decidiu a classificação do Brasil com os dois gols na virada de 2 a 1 sobre a Espanha. Outro diferencial nesta partida foram os dois passos ao lado de Nilton Santos, que transformaram um pênalti em falta fora da área para os espanhóis, antes da virada. Com cinco pontos, o Brasil liderou o grupo C. Nas quartas de final, Garrincha assumiu o protagonismo e detonou a Inglaterra com dois gols na vitória por 3 a 1. Na semifinal, o time brasileiro enfrentou o Chile, dono da casa, que tentou mas não foi páreo e acabou superado por 4 a 2.
O Brasil se classificou para a final e reencontrou a Tchecoslováquia, no Estádio Nacional de Santiago. Os brasileiros tomaram um susto com os tchecos abrindo o placar. Mas Amarildo (no primeiro tempo), Zito e Vavá (no segundo tempo) trataram de dar a virada e a vitória por 3 a 1 para o Brasil, bicampeão do mundo. Ao receber a taça, o zagueiro e capitão Mauro Ramos repetiu o gesto de Bellini quatro anos antes, e a ergueu sobre a sua cabeça, a oferecendo para seu torcedor.


Foto Arquivo/Reuters/CBF

Inglaterra Campeã da Copa do Mundo 1966

A Copa do Mundo desembarcou no país de origem do futebol moderno apenas uma única vez. Foi em 1966, um Mundial na Inglaterra feito para ingleses. E a geração liderada por Bobby Charlton, Bobby Moore e Gordon Banks conseguiu, por ora, confirmar a máxima de que os inventores do esporte são de fato os melhores com a bola no pé. As más línguas dizem que a seleção dos Três Leões só venceu porque o Brasil estava desorganizado, Portugal era novato demais, e aquela bola que não cruzou a linha do gol atordoou a Alemanha.
A caminhada da Inglaterra rumo ao título começou com um empate sonolento e sem gols contra o Uruguai. Na sequência, duas vitórias por 2 a 0 sobre México e França deram a liderança do grupo A aos ingleses, com cinco pontos. Nas quartas de final, a Inglaterra enfrentou a Argentina e venceu por 1 a 0, em partida lembrada pela falha de comunicação entre um jogador argentino e o árbitro alemão, enquanto o jogador era expulso. O jogo ficou paralisado por vários minutos pois o jogador não entendia a ordem do árbitro para sair do campo. Por isso, A FIFA inventaria quatro anos depois os cartões amarelo e vermelho. Sem culpa na história, a Inglaterra seguiu para a semifinal enfrentar Portugal, estreante e coqueluche do Mundial. A tradição teve mais força, e os ingleses venceram por 2 a 1.
A Inglaterra seguiu para a final contra a Alemanha Ocidental em Londres, no Wembley, onde quase toda a campanha da seleção foi jogada. A partida foi muito disputada nos 90 minutos. Os alemães marcaram primeiro, e Geoff Hurst empatou no primeiro tempo. Martin Peters virou o jogo, mas a Alemanha empatou aos 44 minutos do segundo tempo. A maior polêmica da história veio na prorrogação. Hurst chutou forte, a bola bateu no travessão e quicou no gramado. O bandeirinha soviético Bakhramov viu o gol, mas a bola bateu em cima da linha, sem cruzar a meta. Outra vez sem culpa, a Inglaterra marcou o gol do título no último lance, novamente com Hurst. A vitória por 4 a 2 fechou com chave de ouro o sonho dos ingleses. Das mãos da Rainha, Bobby Moore recebeu a taça, a única que a Inglaterra tocou em toda a sua história.


Foto Arquivo/The FA

Brasil Campeão da Copa do Mundo 1970

Para muita gente, aquele Brasil de 1970 foi o maior time de futebol de todos os tempos. E de fato, reunia um esquadrão no 11 titular: Félix; Carlos Alberto Torres, Brito, Piazza e Everaldo; Clodoaldo, Gérson, Jairzinho e Rivellino; Tostão e Pelé. Estes atletas, comandados por Zagallo, foram os responsáveis por trazer o tri da Copa do Mundo e a posse definitiva da Taça Jules Rimet para terras brasileiras. O mundial foi o primeiro a ser realizado tanto fora da Europa quanto fora da América do Sul. Foi no México, na América do Norte.
A trajetória do Brasil no Mundial começou contra a Tchecoslováquia, uma goleada de virada por 4 a 1. Nesta estreia aconteceu o primeiro gol que Pelé não fez, chutando a bola do meio de campo. Na segunda rodada, uma das partidas mais lembradas na história das Copas, a vitória de 1 a 0 sobre a Inglaterra. A primeira fase se encerrou com vitória por 3 a 2 sobre a Romênia. Assim, os brasileiros se classificaram na liderança do grupo C, com seis pontos. A campanha seguiu nas quartas de final, com outra convincente vitória por 4 a 2 sobre o Peru, comandado por Didi, que fora bicampeão como jogador pelo Brasil. A semifinal foi contra o Uruguai, em uma espécie de revanche por 1950. Os contornos do jogo foram parecidos, com os uruguaios marcando primeiro e os brasileiros virando para 3 a 1. Aqui, o outro gol que Pelé não fez, driblando o goleiro sem tocar na bola para depois só escorá-la para a meta, mas ela vai lentamente junto a trave, para fora.
Com um lindo futebol, o Brasil foi para a final contra a Itália. Depois de fazer todo o Mundial em Guadalajara, a seleção brasileira rumou para o Estádio Azteca, na Cidade do México. E foi de lá que o mundo viu talvez a maior apresentação coletiva de futebol na história. Pelé abriu o placar, e Boninsegna empatou ainda no primeiro tempo, mas foi só isso por parte dos italianos. Gérson desempatou no segundo tempo, e Jairzinho ampliou. Faltando quatro minutos para o fim, um dos gols mais bonitos em Copas. Depois de uma roda de "bobinho" envolvendo quase todo o time brasileiro, Pelé jogou de lado para a bomba cruzada de Carlos Alberto Torres. Com o 4 a 1 no placar, o Brasil se sagrou tricampeão da Copa do Mundo e consolidou a maior seleção de sua história. A Taça Jules Rimet seria erguida por um capitão campeão pela última vez, e a honra coube a Carlos Alberto Torres.


Foto Arquivo/CBF

Operário-PR Campeão Brasileiro Série C 2018

O Operário Ferroviário continua firme e forte na sua escalada. O time de Ponta Grossa é o campeão da Série C de 2018, exatamente um ano depois de ser o vencedor da Série D. Com um trabalho sério e muita união entre clube, torcedores e município, o Fantasma vai disputar a Série B de 2019. O Operário conseguiu seu acesso de maneira brilhante.
Invicto em casa, o Alvinegro participou no grupo B, com equipes do Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Terminou a primeira fase na vice-liderança, com 35 pontos em 18 jogos, sendo 10 vitórias cinco empates e três derrotas. As quartas de final foram realizadas contra o Santa Cruz. Perdeu por 1 a 0 no Arruda, mas devolveu 3 a 0 no Germano Krüger, conseguindo ali um brilhante acesso. Na semifinal, eliminou o Bragantino nos pênaltis, por 4 a 2, após dois empates em 0 a 0, tanto em Bragança Paulista quanto em Ponta Grossa. A final foi contra o Cuiabá. A partida de ida no Germano foi emocionante. Empate em 3 a 3, após o Fantasma abrir 2 a 0, sofrer a virada e buscar o empate no fim. A volta foi na Arena Pantanal, e após uma hora e meia sem luz no estádio, o Operário venceu por 1 a 0, com o gol histórico marcado por Bruno Batata e muitas defesas milagrosas feitas pelo goleiro Simão. É a primeira Série C na conta do Operário-PR, e o segundo título nacional do clube. Também ascendem para a Série B o Cuiabá, o Botafogo-SP e o Bragantino.


Foto Lucas Figueiredo/CBF

Alemanha Campeã da Copa do Mundo 1974

A Copa do Mundo de 1974 representou um novo marco para o futebol. A começar pelo novo troféu, a Taça FIFA, em substituição a brasileira Taça Jules Rimet. Também houve a instituição de um novo regulamento abolindo o mata-mata, os oito classificados da primeira fase seriam repartidos em mais dois grupos. E o mais importante, a presença de novas potências do esporte, como a Holanda e seu Carrossel, e a Polônia também com um jogo bonito. Mas o peso da camisa ainda faria a diferença, a Alemanha vinha batendo na trave nos dois Mundiais anteriores. Desta vez como país-sede, ninguém conseguiu tirar os alemães do caminho do bicampeonato, nem mesmo os holandeses.
A caminhada da Alemanha Ocidental começou contra o Chile, vitória por 1 a 0. Depois contra a Austrália, vitória por 3 a 0 que já classificou os alemães. A última rodada reuniu o emblemático confronto contra a Alemanha Oriental, mas os ocidentais não conseguiram vencer. A derrota por 1 a 0 deixou a Alemanha Ocidental na vice-liderança do grupo A com quatro pontos, contra cinco dos orientais. Na segunda fase, a Alemanha ficou no grupo 2. Contra a Iugoslávia e a Suécia, vitórias por 2 a 0 e por 4 a 2. A rodada final definiria o classificado para a final. Contra a Polônia, uma vitória simples por 1 a 0 colocou a Alemanha - líder com seis pontos - na final.
O adversário alemão foi a Holanda, que mesmo voltando 36 anos depois a um Mundial, eliminou Uruguai, Brasil e Argentina com o chamado "Futebol Total", em que os jogadores não guardavam posição e confundiam a marcação adversária. A decisão foi disputada no Estádio Olímpico de Munique. A Alemanha não começou bem a partida, e logo no segundo minuto os holandeses abriram o placar de pênalti. Mas os alemães não caíram na estratégia adversária e conseguiram o empate logo aos 25 minutos, com Paul Breitner batendo outro pênalti. E aos 43 minutos, Gerd Müller recebeu a bola pela ponta-direita, girou e bateu no canto do goleiro rival. A Alemanha virou para 2 a 1 e segurou a Holanda durante todo o o segundo tempo. E diante de mais de 75 mil torcedores, os alemães conquistavam o bicampeonato mundial. O capitão era a lenda Franz Beckenbauer, líder de uma equipe com craques como os próprios Gerd Müller e Breitner, além de Sepp Maier, Wolfgang Overath e Uli Hoeness.


Foto Arquivo/DFB

Argentina Campeã da Copa do Mundo 1978

A Copa do Mundo 1978 nunca saiu do imaginário dos torcedores, principalmente dos argentinos. Após diversas tentativas frustradas, a Argentina enfim ganhava o direito de ser o país-sede do Mundial, que seria o último a ser realizado com 16 seleções. Em meio a uma imensa pressão política e popular, a seleção albiceleste era uma das candidatas ao título, e aquela era a chance de ouro para o país enfim vencer uma Copa.
Cabeça-de-chave, a Argentina fez toda a primeira fase no Estádio Monumental, em Buenos Aires. Venceu a Hungria por 2 a 1 e a França pelo mesmo placar. O ponto fora da curva foi a derrota para a Itália por 1 a 0, o que deixou os argentinos na segunda posição do grupo A com quatro pontos. Desta maneira, a seleção teve cair na estrada e jogar a segunda fase em Rosario, no Gigante de Arroyito. A estreia foi boa, vitória sobre a Polônia por 2 a 0. O grande jogão foi na segunda rodada, empate com o Brasil por 0 a 0. E como os brasileiros haviam feito 3 a 0 no Peru anteriormente, a Argentina não dependia apenas dela para avançar à final. Em uma época em que a FIFA não se preocupava com casamentos de resultados, ela não fazia a última rodada em horários simultâneos. O Brasil entrou em campo de tarde e venceu a Polônia por 3 a 1. Assim os argentinos já sabiam que, de noite, deveriam anotar pelo menos quatro no Peru para ficar na liderança do grupo. E conseguiram mais, golearam por 6 a 0. Até hoje, algumas pessoas estimam que jogadores peruanos (sobretudo o goleiro Quiroga) receberam mala preta do Regime Militar argentino. Com ou sem suspeita, a Argentina fez cinco pontos e oito gols de saldo (contra cinco gols do Brasil), indo para a final.
A decisão foi contra a Holanda, que já não era tão encantadora, no Monumental de Nuñez. O tempo normal foi duríssimo. O artilheiro Mario Kempes abriu o placar no primeiro tempo, mas os holandeses empataram a oito minutos do fim. A definição foi na prorrogação. No último lance do primeiro tempo, Kempes marcou o segundo gol do jogo e o seu sexto na Copa do Mundo. E faltando cinco minutos para o fim definitivo, Daniel Bertoni fez 3 a 1 e deu o golpe de misericórdia. A Argentina, empurrada por mais de 71 mil compatriotas, se tornava campeã mundial pela primeira vez. A geração de Kempes, Ardilles, Luque, Fillol e o capitão Daniel Passarella finalmente estava consagrada.


Foto Arquivo/AFA/Mirrorpix via Getty Images

Itália Campeã da Copa do Mundo 1982

Uma Copa do Mundo em que o peso da camisa fez a diferença. A Itália custou a engrenar no Mundial de 1982, na Espanha. Mas quando a bola começou a se entender com os jogadores, a Azzurra arrancou rumo ao seu terceiro título, 44 anos depois do bicampeonato. Dois anos antes, o futebol italiano passou por uma profunda crise, motiva pelos escândalos de corrupção e compra de resultados, inclusive com alguns dos convocados envolvidos. Por isso, seleção e imprensa não conviviam bem em solo espanhol. Os italianos atendiam apenas a mídia estrangeira.
A campanha italiana na Copa começou preocupante. Na primeira fase foram três empates: 0 a 0 com a Polônia, 1 a 1 com o Peru e 1 a 1 com Camarões. Com apenas três pontos e na vice-liderança, a Itália só avançou de fase por causa dos gols marcados, dois contra um dos africanos. O Mundial de 1982 foi o primeiro na história com 24 seleções, divididas em seis grupos. Com 12 classificadas para a segunda fase, houve uma divisão entre mais quatro grupos. E a Azzurra enfrentou Argentina e Brasil. Contra os argentinos, finalmente a primeira vitória, por 2 a 1. Na rodada seguinte, os italianos folgaram e viram o Brasil vencer a Argentina por 3 a 1. A última rodada classificaria ou Itália ou Brasil. Enquanto os brasileiros encantavam a todos com seu futebol e podiam jogar pelo empate, os italianos precisavam vencer. E aí apareceu o jogador que fez a diferença. Paolo Rossi brilhou com três gols, e a Itália aliada com sua tradição venceu por 3 a 2 e seguiu para a semifinal. Agora embalada, a Azzurra reencontrou a Polônia na semifinal e se classificou com vitória por 2 a 0, mais dois gols de Rossi.
A final foi contra a Alemanha, no Santiago Bernabéu, em Madri. O primeiro tempo foi tenso, com a Itália perdendo um pênalti pelos pés de Antonio Cabrini. As coisas só aliviaram no segundo tempo, quando Paolo Rossi abriu o placar, se consagrando como o artilheiro da Copa. Na sequência, Marco Tardelli e Alessandro Altobelli aumentaram a vantagem. Os alemães chegaram a descontar para 3 a 1, nada que afetasse a festa dos italianos. O tricampeonato mundial recolocou a Itália entre as potências do futebol, consagrou Rossi como ídolo de um país, e encerrou com chave de ouro a carreira do goleiro Dino Zoff, capitão da seleção aos 42 anos de idade.


Foto Arquivo/FIGC

Argentina Campeã da Copa do Mundo 1986

Uma Copa do Mundo ganha pela genialidade de um craque, que carregou sua seleção nas costas. Assim foi com a Argentina de 1986 que, liderada por Maradona, chegou ao bicampeonato. A competição seria disputada na Colômbia, mas o país desistiu quatro anos antes. Então a FIFA escolheu o México, que se tornou o primeiro a sediar o Mundial por duas vezes, reaproveitando boa parte da estrutura usada em 1970. E depois da experiência na Copa anterior, a FIFA retornou com o mata-mata na fase final, classificando os dois primeiros de cada grupo e os quatro melhores terceiros colocados.
A Argentina estreou na Copa com boa vitória por 3 a 1 sobre a Coreia do Sul. A campanha seguiu com empate em 1 a 1 com os então campeões, a Itália. E encerrou na fase de grupos com 2 a 0 sobre a Bulgária. Os argentinos terminaram a primeira fase na liderança do grupo A, com cinco pontos. Nas oitavas de final, o clássico contra o Uruguai e a vitória albiceleste por 1 a 0. Nas quartas, uma das partidas mais lembradas na história das Copas do Mundo. Contra a Inglaterra, brilhou a estrela de Maradona. Primeiro, dividindo a bola com o goleiro pelo alto. Com a mão esquerda, o atacante "cabeceou" para marcar o primeiro gol. Depois de "La Mano de Dios", o gol mais bonito de todos. Maradona dominou a bola antes do meio-campo e arrancou pela ponta-direita, driblando seis jogadores ingleses por mais de 60 metros até marcar o segundo gol. A vitória por 2 a 1 colocou a Argentina na semifinal. Contra a Bélgica, vitória por 2 a 0 com outros dois gols do craque.
A final do Mundial foi entre Argentina e Alemanha no Estádio Azteca, na Cidade do México. A primeira das três decisões entre as duas seleções. A Argentina começou bem e marcou dois gols em 55 minutos, com o zagueiro Brown e o atacante Valdano. A Alemanha reagiu e empatou o jogo faltando dez minutos para o final. Mas a sorte estava do lado argentino naquele dia, e o meia Burruchaga fez o gol do título aos 38 minutos do segundo tempo. A vitória por 3 a 2 concedeu à Argentina o bicampeonato da Copa do Mundo. Uma Copa da total consagração de Maradona, capitão da seleção e ídolo de uma era do futebol.


Foto Bongarts/Getty Images

Alemanha Campeã da Copa do Mundo 1990

Muita gente diz que a Copa do Mundo de 1990 foi a mais fraca da história, tecnicamente falando. Realmente, ela teve a menor média de gols entre as 21 edições (2,21). Mas dizer que este Mundial foi ruim próximo a um alemão não é legal, pois foi nela que a Alemanha recém reunificada chegou na realização do sonho do tri.
Disputada na Itália, a Copa de 1990 demorou a engrenar para 23 seleções. Menos para a Alemanha, que já estreou goleando por 4 a 1 a Iugoslávia, e depois fez 5 a 1 nos Emirados Árabes. Na última rodada da primeira fase, empate em 1 a 1 com a Colômbia confirmou a liderança do grupo D para os alemães, com 5 pontos (este foi o último Mundial com a vitória valendo 2 pontos). Nas oitavas de final, a Alemanha enfrentou a sempre complicada Holanda, e a vitória por 2 a 1 veio somente no segundo tempo. Nas quartas, a vez de encarar a Tchecoslováquia. A Alemanha se classificou de maneira simples, vencendo por 1 a 0, gol de pênalti de Mätthaus. A semifinal foi contra a Inglaterra, em uma partida bem truncada. Os alemães cederam o empate em 1 a 1 nos 120 minutos, mas nos pênaltis venceram por 4 a 3, com a estrela do goleiro Illgner brilhando ao defender uma cobrança inglesa e garantir a classificação à final.
A Alemanha voltou a encontrar a Argentina, um replay do que havia ocorrido na decisão quatro anos antes. E os alemães pisaram no gramado do Olímpico de Roma dispostos a inverter o resultado da final anterior. A partida foi tensa, e parecia que ia se encaminhar para um empate sem gols. Até que a arbitragem deu pênalti de Sensini sobre Völler aos 38 minutos da etapa final. Brehme cobrou forte e alto e marcou o gol do título. Assim, a Alemanha conquistava o tricampeonato mundial, com o 1 a 0 no placar. Depois de 16 anos, dois vices e uma queda de muro, o time do capitão-artilheiro Mätthaus, Klinsmann, Brehme e Völler era coroado.


Foto Arquivo/DFB

Brasil Campeão da Copa do Mundo 1994

Foram 24 anos de fila e algumas frustrações entre a Copa do Mundo de 1970 até a de 1994. Mas a sorte voltou a sorrir para o Brasil no Mundial realizado nos Estados Unidos, o último com 24 seleções. A seleção treinada pelo técnico Carlos Alberto Parreira não tinha um futebol tido como bonito, por outro lado era pragmático e eficiente, um time que jogava pelo resultado positivo e nada mais. A principal liderança técnica era Romário, servido no ataque por Bebeto, Zinho e Mazinho. Mais atrás, Dunga, Mauro Silva, Aldair e Taffarel cuidavam do trabalho burocrático na defesa.
O caminho para o tetra começou a ser aberto na vitória por 2 a 0 sobre a Rússia, e seguiu com os 3 a 0 sobre Camarões e o empate em 1 a 1 com a Suécia. Com sete pontos, a Seleção Brasileira garantiu a liderança do grupo B. A dupla Romário e Bebeto já cumpria com o dever quando caiu de vez nas graças do torcedor, nas oitavas de final contra o Estados Unidos. Foi o camisa 11 quem deu o passe para o gol do camisa 7 na vitória por 1 a 0. Nas quartas, na sempre lembrada partida contra a Holanda, a dupla já havia guardado seus gols quando o time cedeu o empate, tudo no segundo tempo. A vitória só veio na bola parada, com uma forte cobrança de falta do lateral Branco e o providencial "desvio de coluna" de Romário da trajetória da bola. Por 3 a 2, a Seleção foi para a semifinal, onde reencontrou a Suécia. E coube ao Baixinho decidir desta vez, ao pular mais alto que os zagueiros suecos (cerca de 25 cm maiores que o atacante) e marcar de cabeça o gol da vitória por 1 a 0.
A final marcou outro reencontro, agora com a Itália. O mesmo país que sofreu nas mãos do Brasil no tri de 1970 e que acabou com o sonho da geração de 1982 seria o oponente pelo tetra no Rose Bowl em Los Angeles (Pasadena). O jogo foi tenso, com as duas seleções perdendo chances. Em 120 minutos de futebol, 0 a 0 no placar. Pela primeira vez a Copa do Mundo seria decidida nos pênaltis. Márcio Santos errou, mas Romário, Branco e Dunga converteram para o Brasil. Para a Itália, Baresi mandou para fora, Albertini e Evani marcaram e Taffarel pegou a cobrança de Massaro. A cobrança final dos italianos foi de Baggio, o anti-herói que atirou a bola fora do estádio. Com o 3 a 2 a favor, o Brasil se tornou o primeiro tetracampeão do mundo. E o capitão de 1994 foi Dunga, que viria a se tornar um símbolo de raça daquela geração de atletas.


Foto Pedro Martinelli/Placar

França Campeã da Copa do Mundo 1998

A Copa do Mundo sofreu seu último aumento no número de seleções em 1998. Passou de 24 para 32. E a honra de sediar a primeira competição no novo formato coube a França. E a seleção francesa, em total sintonia com o seu torcedor, chegou desbancando todos os favoritos rumo ao seu primeiro título.
A primeira fase da França foi suave. Estreou vencendo a África do Sul por 3 a 0, depois goleou a Arábia Saudita por 4 a 0, e fechou o grupo derrotando a Dinamarca por 2 a 1. Foram nove pontos e a liderança do grupo C. Nesse meio tempo, o craque do time Zidane foi suspenso por duas partidas, devido uma expulsão na segunda rodada. Nas oitavas de final, Les Bleus enfrentaram o Paragua. Este foi o jogo mais difícil dos franceses. Nada de gols no tempo normal, e a prorrogação se encaminhava para o fim. Até que o zagueiro Blanc furou a defesa adversária a deu a vitória de 1 a 0 à França. Aos 114 minutos de confronto, o primeiro gol de ouro da história das Copas. Mais dificuldade ocorreu nas quartas de final, contra a Itália, já com Zidane de volta. Desta vez o 0 a 0 imperou até o fim. A disputa foi para os pênaltis, e o time francês se classificou com vitória por 4 a 3. A semifinal foi contra a sensação do Mundial, a Croácia. A França saiu perdendo, mas encontrou em campo um herói improvável. O lateral Thuram nunca havia marcado um gol pela seleção. E justamente ele foi o autor dos gols da virada. A vitória por 2 a 1 colocou Les Bleus na primeira final em sua história.
No novíssimo Stade de France, em Saint-Denis, a França encarou o Brasil na decisão. E se por um lado os brasileiros se lembram mais da convulsão de Ronaldo antes do jogo e da apatia em campo, sobretudo no primeiro tempo, os franceses tem a lembrança da atuação da vida de Zidane. Dois gols de cabeça (que nunca foi sua especialidade) dele praticamente decidiram a Copa do Mundo. Petit ainda deu o golpe de misericórdia nos acréscimos do segundo tempo. A vitória de 3 a 0 deu à França o primeiro título mundial, consagrando a geração liderada por Zidane, Desailly, Djorkaeff e Barthez. O capitão francês em quase toda a Copa foi Blanc, mas ele foi expulso na semifinal e ficou de fora da final. Então, a honra de erguer a taça coube ao volante Deschamps.


Foto Bob Thomas/Getty Images

Brasil Campeão da Copa do Mundo 2002

A última conquista do Brasil em Copas do Mundo foi na primeira competição do século 21, em 2002. Mesmo após as turbulências que afetaram o time nas Eliminatórias, a seleção comandada pelo técnico Luiz Felipe Scolari brilhou na Coreia do Sul e no Japão debaixo das lideranças técnicas de Ronaldo, Rivaldo, Ronaldinho e Roberto Carlos.
A trajetória brasileira começou em solo sul-coreano, com uma difícil vitória por 2 a 1 sobre a Turquia. Os resultados da sequência foram mais tranquilos, 4 a 0 sobre a China e 5 a 2 sobre a Costa Rica. Eles renderam a liderança do grupo C ao Brasil, com nove pontos. O caldo engrossou mesmo no mata-mata. Contra a Bélgica nas oitavas de final, o jogo mais duro que o time canarinho teve. Mas um golaço de voleio de Rivaldo tranquilizou a situação e a vitória por 2 a 0 manteve o sonho. Nas quartas, a pedreira foi contra a Inglaterra e o golaço da vez foi de Ronaldinho Gaúcho, que bateu uma falta lateral direto no gol. De virada, o Brasil venceu por 2 a 1 e seguiu. Na semifinal, foi a vez de reencontrar a Turquia. Não teve golaço, apenas o oportunismo de Ronaldo para garantir a vitória por 1 a 0 e a vaga na final.
O mata-mata brasileiro foi todo jogado em solo japonês, e a decisão contra a Alemanha foi no Estádio Internacional de Yokohama. Era a primeira vez que os dois países se enfrentavam em mundiais, e a partida correu com chances dos dois lados. Até que Ronaldo Fenômeno apareceu para decidir na etapa final. Primeiro, pegou o rebote do goleiro Kahn, depois, se aproveitou do corta-luz de Rivaldo para marcar os dois gols do jogo e se consagrar na artilharia. Por 2 a 0, o Brasil despachou os alemães e venceu pela quinta vez a Copa do Mundo. E coube ao "100% Jardim Irene" Cafu a honra de ser o capitão do penta, o quinto guardião da taça.


Foto Paulo Pinto/Agência Estadão

Itália Campeã da Copa do Mundo 2006

Uma seleção baseada no seu coletivo, ninguém levava o time nas costas e todos corriam por todos. Assim era a Itália campeã da Copa do Mundo de 2006, disputada na Alemanha. O tetra veio em um momento de alívio após os escândalos de compra de resultados no país um ano antes, que cassou dois títulos nacionais da Juventus e a rebaixou para a segunda divisão. Daquele clube, Buffon, Zambrotta Cannavaro e Camoranesi estavam entre os titulares da Azzurra.
A campanha italiana começou com o pé direito, vitória por 2 a 0 sobre Gana. Depois, empate em 1 a 1 com os Estados Unidos e vitória por 2 a 0 sobre a República Tcheca classificaram a Itália em primeiro no grupo E, com sete pontos. Nas oitavas de final, uma sofrida vitória de 1 a 0 sobre a Austrália - com gol de pênalti de Totti no último lance do jogo -, embalou os italianos rumo ao título. Nas quartas foram 3 a 0 contra a estreante Ucrânia. A semifinal reuniu o grande clássico europeu entre Itália e Alemanha. E na casa do rival, a Azzurra fez a festa na prorrogação ao vencer por 2 a 0, se garantindo assim na final.
A decisão foi contra a França, no Estádio Olímpico de Berlim. A Itália saiu perdendo com um gol de pênalti de Zidane, mas empatou ainda no primeiro tempo com o zagueiro Materazzi. O 1 a 1 seguiu no placar até o fim da prorrogação, que se tornou mais lembrada pelo episódio da cabeçada de Zidane em Materazzi, que gerou uma expulsão e a melancólica despedida do francês no futebol. Na disputa por pênaltis, os italianos foram 100% eficientes e venceram por 5 a 3. Coube ao lateral-direito Grosso converter a cobrança do título. Assim, as penalidades que adiaram a conquista 12 anos antes, agora dariam o tetracampeonato mundial à Itália. A honra de erguer a Copa coube ao capitão Cannavaro.


Foto Odd Andersen/Getty Images

Ferroviário Campeão Brasileiro Série D 2018

A Série D do Brasileiro já está encerrada, em agosto. O Ferroviário se torna o primeiro time da capital cearense a ter um título nacional em seu currículo. O tabu de 23 anos sem taças foi quebrado com uma campanha de excelentes resultados como mandante. Na primeira fase foi líder de um grupo com Cordino (MA), 4 de Julho (PI) e Interporto (TO). Na segunda fase, já em mata-mata, voltou a enfrentar o Cordino e se classificou com empate de 3 a 3 no Maranhão e vitória de 1 a 0 no Ceará. Nas oitavas o adversário foi o Altos, o qual eliminou com 1 a 1 no Castelão e 4 a 2 no Piauí. Nas quartas o Ferrão fez o confronto mais difícil, contra o Campinense. Venceu por 3 a 2 em Fortaleza e perdeu por 1 a 0 em Campina Grande, e nos pênaltis venceu por 5 a 4 e conquistou o sonhado acesso. Na semifinal o Tubarão enfrentou o São José-RS, com vitória de 3 a 1 no Castelão e derrota de 2 a 1 em Porto Alegre. A final foi contra o Treze, mais uma vez fazendo a ida em casa. Venceu por 3 a 0 no Castelão e depois segurou a vantagem no Amigão, onde perdeu por apenas 1 a 0, o que não diminuiu a festa do torcedor tricolor.


Foto Lucas Figueiredo/CBF

Espanha Campeã da Copa do Mundo 2010

A única vez que o continente africano sediou uma Copa do Mundo foi em 2010. A África do Sul teve a incumbência de realizar a maior competição do futebol naquele ano. E foi debaixo do terrível som das vuvuzelas que a Espanha enfim concluiu seu sonho de ser campeã e chegar ao topo. O famoso toque de bola do time de Iniesta, Xavi, Villa, Puyol e Sergio Ramos rendeu seu maior fruto.
Mas antes de tudo, os espanhóis levaram um susto na primeira rodada, quando estrearam com derrota de 1 a 0 para a Suíça. A recuperação na fase de grupos veio a tempo com as vitórias de 2 a 0 sobre Honduras e 2 a 1 sobre o Chile, que ainda deram a liderança do grupo H para a Espanha, com seis pontos. Nas oitavas de final a Fúria fez o clássico ibérico contra Portugal, o qual venceu por 1 a 0. Nas quartas foi a vez de encarar o surpreendente Paraguai, em outra partida igualmente complicada e vencida por 1 a 0. A Alemanha foi a adversária da semifinal, e outra vitória pelo placar de 1 a 0 colocou os espanhóis na histórica final.
No Soccer City em Johanesburgo, a Espanha enfrentou a Holanda em confronto de onde sairia um campeão inédito. Depois de empate sem gols e muitos cartões amarelos no tempo normal, a decisão foi para a prorrogação. E faltando cinco minutos para o fim, Iniesta acertou chute cruzado no gol holandês. A quarta vitória seguida por 1 a 0 deu o título merecido para a seleção espanhola, liderada pelo capitão Casillas.


Foto Kai Pfaffenbach/Reuters

Alemanha Campeã da Copa do Mundo 2014

A Alemanha conquistou o tetra mundial em grande estilo em 2014, na Copa do Mundo realizada disputada no Brasil. Com a marca de Thomas Müller, Lahm, Özil, Khedira, Klose e Neuer, o time comandado por Joachim Löw coroou um trabalho de oito anos.
Na primeira fase, os alemães já começaram com um arraso de 4 a 0 contra Portugal. Depois, empate por 2 a 2 com Gana e uma vitória de 1 a 0 sobre o Estados Unidos deram à Alemanha a liderança do grupo G, com sete pontos. O jogo mais duro aconteceu nas oitavas de final, contra a Argélia, no qual os alemães só venceram na prorrogação por 2 a 1. Nas quartas de final venceu a França por 1 a 0. E na semifinal... Contra um Brasil confuso, o primeiro gol saiu cedo e os outros vieram com uma assustadora e constrangedora facilidade. O histórico 7 a 1 classificou a Alemanha para a final no Rio de Janeiro.
No Maracanã, os alemães enfrentaram a Argentina, naquele confronto que se tornaria o mais frequente em finais. Após 90 minutos zerados, a partida foi para a prorrogação, e o herói do título veio do banco de reservas. Mario Götze completou jogada pelo lado esquerdo do ataque e fez o gol da vitória por 1 a 0. Depois de 24 anos a Copa do Mundo voltava para a Alemanha, pelas mãos do capitão Lahm. A seleção alemã se tornou a primeira da Europa a vencer o Mundial nas Américas.


Foto Martin Meissner/Press Trust of India

Grêmio Campeão da Libertadores 2017

Depois de uma sequência de quatro títulos brasileiros na Libertadores entre 2010 e 2013, os clubes daqui entraram em um período longe até das finais. O melhor time de 2014 foi o Cruzeiro, que perdeu nas quartas de final para o futuro campeão San Lorenzo. Em 2015 o Internacional chegou na semifinal, mas perdeu para o Tigres do México, que seria vice para o River Plate. E em 2016 foi a vez do São Paulo cair na semifinal, diante do futuro vencedor Atlético Nacional da Colômbia.

-----------------------

Para 2017 a Conmebol promoveu muitas mudanças na Libertadores. A começar pelo período de disputa esticado, entre janeiro e novembro. Depois, o aumento de 38 para 47 participantes, com a adição de mais duas fases preliminares. Por fim, a retirada dos times do México por parte deles próprios, o que rendeu em vagas a mais para os países sul-americanos. O Brasil ficou com sete, que nesta temporada viraram oito, já que a Chapecoense entrou pelo merecido título da Copa Sul-Americana de 2016. Entre os outros brasileiros, o Grêmio conseguiu sua classificação por conta do título da Copa do Brasil do ano anterior. Com um futebol que viria a ser chamado de o melhor da América no decorrer do torneio, ficou em grupo com Zamora da Venezuela, Deportes Iquique do Chile e Guaraní do Paraguai.
A estria foi com vitória na Venezuela, por 2 a 0 sobre o Zamora. Depois, fez 3 a 2 no Iquique em Porto Alegre e empatou em 1 a 1 com o Guaraní em Assunção. No returno, aplicou 4 a 1 no Guaraní na Arena, perdeu de 2 a 1 para o Iquique no Chile e goleou o Zamora por 4 a 0 em casa. O Tricolor terminou em primeiro lugar com 13 pontos. O inédito sorteio das oitavas de final colocou o Grêmio para enfrentar o Godoy Cruz da Argentina. Com vitórias de 1 a 0 em Mendoza e 2 a 1 em Porto Alegre, se classificou. Nas quartas, passou pelo Botafogo com empate sem gols no Rio de Janeiro e vitória por 1 a 0 na Arena. Na semifinal, enfrentou o Barcelona do Equador, obtendo grande vitória por 3 a 0 em Guayaquil e uma derrota dentro do orçamento por 1 a 0 em Porto Alegre.
Em sua quinta final na história, o Grêmio enfrentou o argentino Lanús. A partida de ida foi em Porto Alegre, e o Tricolor venceu por suado 1 a 0, gol salvador de Cícero. A volta aconteceu no La Fortaleza, na Grande Buenos Aires. E com gols de Fernandinho e Luan o Grêmio venceu novamente, por 2 a 1. O justo tricampeonato estava na mão, consagrando nomes como Luan, Arthur, Pedro Geromel e Marcelo Grohe, e marcando de ainda mais o nome de Renato Portaluppi (ou Gaúcho) na história do clube.


Foto Juan Mabromata/AFP